Ser brincante: um relato de experiência sobre o brincar no hospital

Autores

  • Cleo de Mattos Vasconcellos Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ana Cristina Barros da Cunha Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universidade Federal do Espirito Santo.

DOI:

https://doi.org/10.26673/rtes.v14.n1.2018.10755

Palavras-chave:

Criança, Hospitalização, Brincar.

Resumo

Este artigo é um relato de experiência sobre minha prática de 2014 a 2015 como aluna de Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e estagiária no Programa Saúde e Brincar do Instituto Fernandes Figueira da Fundação Oswaldo Cruz, na cidade do Rio de Janeiro. Este é um Programa cujo principal objetivo é cuidar de crianças e adolescentes com doenças agudas e crônicas, usando o Brincar como ferramenta principal para trabalhar no hospital. Com base em uma metodologia teórico-experiencial, o estagiário conduzia atividades de intervenção com pacientes usando várias formas do Brincar e participava em grupos de estudo multidisciplinares e rounds médicos para discussão sobre casos clínicos. Durante a minha experiência naquele Programa, pude observar que brincar é extremamente complexo, apesar da aparente simplicidade. Além disso, a prática de brincar ajuda na construção subjetiva de crianças e suas famílias, tanto quanto as ajuda a lidar com suas dores. Com base nisso, este relato de experiência pretende apresentar reflexões sobre minha prática naquele Programa, descrevendo como ele funciona e discutindo a importância do brincar na vida de crianças e adolescentes hospitalizados. Como resultado desta experiência, uma nova compreensão de "saúde" e "felicidade" relacionada ao processo de enfermidade nasceu para mim, assim como minha alma ficou encantada com o ato de brincar. Isso se tornou parte da minha prática em outros campos de atividade como psicóloga, com fortes reflexos para minha vida pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleo de Mattos Vasconcellos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduação em Psicologia

Ana Cristina Barros da Cunha, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universidade Federal do Espirito Santo.

Instituto de Psicologia; Maternidade escola, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espirito Santo.

Referências

CASTRO, E. K. Psicologia pediátrica: a atenção à criança e ao adolescente com problemas de saúde. Psicol. Cienc. Prof., Brasília, v. 27, n. 3, p. 396-405, set., 2007.

FAVERO, L.; DYNIEWICZ, A. M.; SPILLER, A.; FERNANDES, L. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de enfermagem: relato de experiência. Cogitare Enferm. v.12. n.4, p. 519-24, 2007.

FORTUNA, T. R. Brincar, viver e aprender: Educação e Ludicidade no hospital. In: VIEGAS, Dráuzio. (org.). Brinquedoteca hospitalar: isto é humanização. Rio de Janeiro: WAK, p. 37, 2007.

HAYAKAWA, L. Y.; MARCON, S. S.; HIGARASHI, I. H.; WAIDMAN, M. A. P. Rede social de apoio à família de crianças internadas em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 63, n. 3, p. 440-445, 2010.

KICHE, M. T.; ALMEIDA, F. A. Brinquedo terapêutico: estratégia de alívio da dor e tensão durante o curativo cirúrgico em crianças. Acta Paul. Enferm., São Paulo, v. 22, n. 2, p. 125-130, 2009.

MARTINI, G. Quando a minha criança interior ferida encontra a sua... Revisitar a infância para compreender os relacionamentos. Temas em Educação e Saúde, Araraquara, v. 12, n. 1, jan./jun., 2016. FCL, Araraquara, UNESP.

MELLO, D. B.; MOREIRA, M. C. N. A hospitalização e o adoecimento pela perspectiva de crianças e jovens portadores de fibrose cística e osteogênese imperfeita. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 453-461, mar., 2010.

MITRE, R. M.; GOMES, R. A perspectiva dos profissionais de saúde sobre a promoção do brincar em hospitais. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 5, p. 1277-1284, out., 2007.

MORAES, E. O.; ENUMO, S. R. F. Estratégias de enfrentamento da hospitalização em crianças avaliadas por instrumento informatizado. PsicoUSF, Itatiba, v. 13, n. 2, p. 221-231, dez. 2008.

OLIVEIRA, M; MATTIOLI, O. Hospitalização infantil: O brincar como espaço de ser e fazer. Faculdades de Ciências e Letras de Assis, UNESP, 2005.

SILVA, J. B.; KIRSCHBAUM, D. I. R.; OLIVEIRA, I. Significado atribuído pelo enfermeiro ao cuidado prestado à criança doente crônica hospitalizada acompanhada de familiar. Sínteses: Revista Eletrônica do SIMTEC, Campinas, SP, n. 2, p. 322-322, set. 2016.

WHO (World Health Organization) 1998. WHOQOL and spirituality, religiousness and personal beliefs (SRPB). Report on WHO consultation. MNH/MAS/ MHP/98.2 WHO, Genebra. 22 p.

WINNICOTT, D. W. O brincar & a realidade. Trad. J. O. A. Abreu e V. Nobre. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Downloads

Publicado

16/01/2018

Como Citar

VASCONCELLOS, C. de M.; CUNHA, A. C. B. da. Ser brincante: um relato de experiência sobre o brincar no hospital. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 14, n. 1, p. 173–187, 2018. DOI: 10.26673/rtes.v14.n1.2018.10755. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/10755. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência