Discutindo sobre estresse e enfrentamento da prematuridade por cuidadores

Autores

  • Ana Cristina Barros da Cunha Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Julie Anna Barros Smith Universidade Federal do Rio de Janeiro;
  • Laila Pires Ferreira Akerman Universidade Federal do Rio de Janeiro;
  • Vanessa Oliveira de Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro;

DOI:

https://doi.org/10.26673/rtes.v13.n1.jan-jun2017.4.9605

Palavras-chave:

Enfrentamento. Estresse. Prematuridade. Cuidadores.

Resumo

Baseado em delineamento descritivo exploratório, nosso objetivo foi discutir sobre o enfrentamento da prematuridade com base na investigação de relações entre estresse materno, estratégias de enfrentamento e variáveis sociodemográficas de mães de crianças entre 0 e 3 anos, atendidas no serviço de follow-up da Maternidade escola da UFRJ. Todas responderam a Escala Modos de Enfrentamento do Problema e o Inventário de Sinais e Sintomas de Stress. Correlações estatísticas significativas não foram encontradas entre as variáveis estudadas; entretanto, 57.2% apresentaram estresse em diferentes níveis. A estratégia de enfrentamento mais prevalente foi o “foco no problema” para mães com e sem sintomas de estresse. Conclui-se que esse tipo de estratégia seria a mais comum no enfrentamento da prematuridade, porque ajuda a mãe na sua preocupação primária com a condição médica do filho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Barros da Cunha, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Instituto de Psicologia; Maternidade escola, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Espirito Santo.

Julie Anna Barros Smith, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Instituto de Psicologia; Maternidade escola, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Laila Pires Ferreira Akerman, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Instituto de Psicologia; Maternidade escola, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Vanessa Oliveira de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Instituto de Psicologia; Maternidade escola, Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Referências

AGMAN, M.; DRUON, C.; FRICHET, A. (1999). Intervenções psicológicas em neonatologia. In: Wanderley, D. B. (Ed.). Agora eu era o rei: os entraves da prematuridade. Salvador: Ágalma, p. 17-34, 1999.

ALEXANDRE, J. D.; MONTEIRO, L.; BRANCO, I.; FRANCO, C. A prematuridade na perspectiva de mães primíparas e multíparas. Análise do seu estado psicoemocional, autoestima e bonding. Análise Psicológica, Lisboa, set. 2016.

BOWLBY, J. Uma base segura: aplicações clínicas da teoria do apego. Ed. Artes Médicas, Porto Alegre: 1989.

CARTER, E. C.; MCCULLOUHG, E.; CARVER, C. S. The mediating role of monitoring in the association of religion with self-control. Social Psycological and Personality Science, mar. 2012.

DADALTO, E. C. V.; ROSA, E.M. Vivências e Expectativas de Mães com Recém-nascidos Pré-termo Internados em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, nov, 2015.

DITZEN, B.; HEINRICHS, M. Psychobiology of social support: The social dimension of stress buffering. Restor Neurol Neurosci, 2014.

DOMINGUES, R. M. et al. Process of decision-making regarding the mode of birth in Brazil: from the initial preference of women to the final mode of birth. Cadernos de saúde publica. 2014, 30 Suppl 1: S1–16.

FAVARO, M. S. F.; PERES, R. S.; SANTOS, M. A. S. Avaliação do impacto da prematuridade na saúde mental de puérperas. Psico-USF, Bragança Paulista, 2012.

FEBRASGO. Comissões Nacionais Especializadas Ginecologia e Obstetrícia. Manual de orientação: gestação de alto risco. FEBRASGO, Rio de Janeiro, 2011.

FLECK, A.; PICCININI, C. A. O bebê imaginário e o bebê real no contexto da prematuridade, do nascimento ao 3º mês após a alta. Aletheia, abr. 2013.

GASPARDO, C. M.; MARTINEZ, F. E.; LINHARES, M. B. M. Cuidado ao desenvolvimento: intervenções de proteção ao desenvolvimento inicial de recém-nascidos pré-termo. Revista paulista de pediatria, São Paulo, mar. 2010.

GOODING, J. S; COOPER, L. Z.; BLAINE, A. I.; FRANCK, L. S.; HOWSE, J. L.; BERNS, S. D. Family support and family-centered care in the neonatal intensive care unit: Origins, advances, impact. Seminars in Perinatology, fev. 2011.

HOWSON, C. P; KINNEY, M. V.; LAWN, J. E. Born Too Soon: The Global Action Report on Preterm Birth. WHO, New York, 2 mai, 2012.

HOWSON, C. P; KINNEY, M. V.; MCDOUGALL, L; LAWN, J. E. Born too soon: Preterm birth matters. Reprod Health, 2013.

JUBINVILLE, J.; NEBURN-COOK, C.; HEGADOREN, K.; LACAZE-MASMONTEIL, T. Symptoms of acute stress disorder in mothers of premature infants. Advances in Neonatal Care, ago. 2012.

KOENIG, H. G. Medicine, religion and health: where Science and spirituality meet. Pennsylvania: Templeton Foundation Press, 2008.

KORJA, R.; LATYA, R.; LEHTONEN, L. The effects of preterm birth on mother-infant interaction and attachment during the infant’s first two years. ACTA Obstetricia et Gynecologica Scandinavica, fev. 2012.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN, S. Stress, appraisal and coping. New York: Springer Publishing Company, 1984.

LEAL, M. C.; et al. Provider-Initiated Late Preterm Births in Brazil: Differences between Public and Private Health Services. PLOS ONE 11 (5):2016.

LIPP, M. E. N.; BARGAS, J. A. Estresse e estilo parental materno no transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Psicologia escolar e educacional, 2013.

LIPP, M. E. N. Manual do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

MOTTA-LOSS, A. B.; CAPRINI, F. R.; RIGONI, P. V. M. S.; ANDRADE, B. L. S. Estados emocionais e estratégias de enfrentamento de mães de recém-nascidos de risco. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 2015.

MOUSQUER, P. N; LEÃO, L. C. S.; KEPLER, D. F.; PICCININI, C. A.; LOPES, R. C. S. Mãe, cadê o bebê? Repercussões do nascimento prematuro de um irmão. Estudos de Psicologia, out, 2014.

OLIVEIRA, K.; VERONEZ, M.; HIGARASHI, I. H; CORREA, A. M. C. Vivências de familiares no processo de nascimento e internação dos seus filhos em UTI neonatal.Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, jan, 2013.

PERLIN, D. A.; OLIVEIRA, S. M.; GOMES, G. C. A criança na unidade de terapia intensiva neonatal: Impacto da primeira visita da mãe. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, set. 2011.

PONTES, G. A. R.; CANTILLINO, A. A influência do nascimento prematuro no vínculo mãe-bebê. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 2014.

RODRIGUES, S. R.; SIQUEIRA, F. J. Suporte familiar e estratégias de enfrentamento de mães com filhos recém-nascidos prematuros internados em unidade de terapia intensiva. Fundação de ensino e pesquisa de Itajubá, 2013.

SANTOS, E. S. L.; KIEVIET, J. F.; ELBURG, R. M.; OOSTERLANN, J. Predictive value of the Bayley Scales of Infant Development on development of very preterm/very low birth weight children: a meta-analysis. Early Human Development, jul. 2013.

SCHETTER, C. D.; TANNER, L. Anxiety, depression and stress in pregnancy: implications for mothers, children, research and practice. Curr Opin Psychiatry, mar. 2012.

SEIDL, E. M. F Enfrentamento, aspectos clínicos e sócio demográficos de pessoas vivendo com HIV/AIDS. Psicologia em Estudo, 2005.

SEIDL, E. M. F.; TRÓCCOLI, B. T.; ZANNON, C. M. L. C. Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2001.

SHAW, R. .; BERNARD, R. S.; STORFER-ISSER, A.; RHINE, W.; HORWITZ, S. Parental Coping in the Neonatal Intensive Care Unit. J Clin Psychol Med Settings, jun, 2013.

TABILE, P. M. et al. Características dos partos pré-termo em hospital de ensino do interior do Sul do Brasil: análise de 6 anos. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, jul. 2016.

UNICEF BRASIL. Pesquisa para estimar a prevalência de nascimentos pré-termo no Brasil e explorar possíveis causas. Unicef.org, jul. 2013.

VICTORIA, C. G. et al. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. Séries saúde no Brasil, 2011.

ZANETTI, T. G.; STUMM, E. M. F.; UBESSI, L. D. Stress and coping in families of patients in an intensive care unit. Revista de pesquisa cuidado é fundamental, 2013.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

CUNHA, A. C. B. da; SMITH, J. A. B.; AKERMAN, L. P. F.; SOUZA, V. O. de. Discutindo sobre estresse e enfrentamento da prematuridade por cuidadores. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 13, n. 1, p. 41–58, 2017. DOI: 10.26673/rtes.v13.n1.jan-jun2017.4.9605. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/9605. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)