Trabalhando os ossos do corpo humano na educação infantil: um relato de experiência

Autores

  • Andreia Claro Universidade Federal da Grade Dourados
  • Renata de Oliveira Galvão Universidade Federal da Grade Dourados
  • Edvonete Souza de Alencar Universidade Federal da Grade Dourados

DOI:

https://doi.org/10.26673/rtes.v14.n1.2018.10838

Palavras-chave:

Estágio supervisionado, Corpo humano, Educação infantil, Esqueleto.

Resumo

O presente relato de experiência tem por objetivo apresentar o projeto desenvolvido no Estágio Supervisionado que teve o intuito de propiciar à criança conhecer o esqueleto humano, reconhecendo-o e valorizando-o como fonte importante para o seu desenvolvimento integral (físico, motor, social, cultural, entre outros).  O referido projeto delineou-se na disciplina Gestão e na docência da educação Infantil II na Universidade Federal da Grande Dourados, sendo essa voltada para a formação da criança na instituição da Educação Infantil de quatro a cinco anos. Teve como metodologia a Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental e Pesquisa de Campo. O desenvolvimento abarcou atividades lúdicas para que as crianças compreendessem como é formado o esqueleto humano levando-as a interagirem de modo significativo e prazeroso. Conclui-se que o projeto foi de suma importância porque alcançou o objetivo proposto, bem como, porque, por meio do estágio, pode-se conhecer mais de perto o universo da Educação Infantil e aliar a teoria acadêmica à prática propriamente dita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata de Oliveira Galvão, Universidade Federal da Grade Dourados

Licencianda pela UFGD em Pedagogia.

Edvonete Souza de Alencar, Universidade Federal da Grade Dourados

Doutora em Educação Matemática pela PUC-SP

Referências

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BORBA, A. M. O brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de nove anos: Orientações para a inclusão de crianças de seis anos de idade. 2. ed. Brasília, 2006.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto Constitucional de 5 de outubro de 1988, Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 1988.

CHASSOT, A. Catalisando transformações na educação. Ijuí: Editora Unijuí, 1993.

DIAS, A. P. Os ossos do corpo humano. Dourados, 2017.

DOURADOS. Conselho Municipal de Educação. Deliberação/COMED Nº 080, de 16/06/2014. Dispõe sobre a Organização e o Funcionamento da Educação Básica nas etapas da Educação Infantil e Ensino Fundamental, no Sistema Municipal de Ensino de Dourados e dá outras providências. Dourados: COMED, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. – Coleção Leitura

FRIEDMANN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

BRASIL. Lei Nº. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Secretaria de Educação Fundamental. Departamento da Política de Educação Fundamental. Departamento da Coordenadoria Geral de Educação Infantil. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Volumes 1, 2 e 3. Brasília: MEC/SEF/DPEF/COEDI, 1998.

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/MEC, Nº 5, de 17 de dezembro 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: D.O.U. de 18 de dezembro de 2009.

SANTOS, S. M. P. dos (Org.). Brinquedo e infância: um guia para pais e educadores. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

Downloads

Publicado

16/01/2018

Como Citar

CLARO, A.; GALVÃO, R. de O.; ALENCAR, E. S. de. Trabalhando os ossos do corpo humano na educação infantil: um relato de experiência. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 14, n. 1, p. 188–197, 2018. DOI: 10.26673/rtes.v14.n1.2018.10838. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/10838. Acesso em: 28 jun. 2022.

Edição

Seção

Relatos de Experiência