A visão dos alunos no impacto das ações extensionistas na formação do graduando da área da saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v15i2.13113

Palavras-chave:

Ensino superior, Extensão universitária, Desempenho acadêmico.

Resumo

A Lei de Diretrizes e Bases da educação (LDB) incorporou aos estatutos e regimentos das Instituições de ensino superior o princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, legislada pela Constituição de 1988. Considerada um dos pilares do ensino superior, a extensão desempenha um papel relevante na formação de profissionais. Contudo, são escassos os trabalhos que quantifiquem o impacto das atividades de extensão no processo de desenvolvimento na formação. Objetivou-se quantificar e identificar o impacto das ações extensionistas na formação profissional dos graduandos dos cursos da área de saúde. Método: pesquisa de campo exploratória, retrospectiva e quantitativa. Alunos dos últimos semestres de diversos cursos da área da saúde que realizaram atividades extensionistas responderam questionários referentes ao aproveitamento bem como desempenho acadêmico (com domínios de habilidade, conhecimento, atitudes, valores e aspectos éticos). Além disso, também foram avaliadas as contribuições da extensão no processo de formação como pessoa e profissional. O grupo foi composto principalmente por jovens, que exerciam atividade remunerada, e do gênero feminino. Certificou-se que grande parte dos alunos reportou melhora no aproveitamento acadêmico. Constatou-se que em todos os domínios, as notas médias atribuídas pelo grupo que reportou melhora foram significantemente maiores em relação ao grupo que relatou melhora do rendimento acadêmico. Alunos extensionistas mencionaram que as ações contribuíram no desenvolvimento do relacionamento com a equipe e com o público; bem como na capacitação para identificação das necessidades individuais e coletivas; e conscientização e reflexão sobre o papel individual na transformação social. Constatou-se que o programa de extensão impactou positivamente no aproveitamento acadêmico dos estudantes extensionistas, evidenciadas pela afirmação na melhora do rendimento acadêmico, nas notas médias altas atribuídas pelos alunos nos questionamentos quantitativos dos diversos domínios e na descrição da percepção positiva dos alunos sobre as contribuições efetivas no seu processo e percurso formativo como pessoa e profissional.

Biografia do Autor

Maisa Namba Kim, Universidade de Santo Amaro

Pós Graduação em Ciências da Saúde

Luiz Henrique da Silva Nali, Universidade de Santo Amaro

Pós Graduação em Ciências da Saúde

Eloi Francisco Rosa, Universidade de Santo Amaro

Pró Reitoria

Referências

ACIOLI, S. A prática educativa como expressão do cuidado em Saúde Pública. Rev Bras Enferm, v. 61, n. 1, p. 117–21, fev. 2008.

ARROYO, D. M. P.; ROCHA, M. S. P. M. L. Meta-avaliação de uma extensão universitária: Estudo de caso. Avaliação Rev da Avaliação da Educ Super, v. 15, n. 2, p. 131–57, jul. 2010.

BISCARDE, D. G. S.; PEREIRA-SANTOS, M.; SILVA, L. B. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface - Comun Saúde, Educ, v. 18, n. 48, p. 177–86, 2014.

BRASIL. Câmara dos deputados. Centro de Documentação e Informação. 1988.

BRASIL. Câmara dos deputados. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1996/lei-9394-20-dezembro-1996-362578-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 30 nov. 2019.

FADEL, C. B. et al. O impacto da extensão universitária sobre a formação acadêmica em Odontologia. Interface - Comun Saúde, Educ, v. 17, n. 47, p. 937–946, dez. 2013.

FERNANDES, M. C. et al. Universidade e a extensão universitária: a visão dos moradores das comunidades circunvizinhas. Educ em Rev, v. 28, n. 4, p. 169–94, dez. 2012.

MACEDO, A. R. et al. Educação superior no século XXI e a reforma universitária brasileira. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educ. v. 13, n. 47, p. 127–48, abr./jun. 2005.

MIRANDA, G. L.; NOGUEIRA, M. D. P. Política nacional de extensão universitária. Forproex. 2012.

MOURA, L. F. A. D. et al. Impacto de um projeto de extensão universitária na formação profissional de egressos de uma universidade pública. Rev Odontol da UNESP, v. 41, n. 5, p. 348–52, out. 2012.

NUNES, A. L. P. F.; SILVA, M. B. C. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Mal-Estar e Sociedade, ano IV, n. 7, p. 119-133, jul./dez. 2011.

OLIVEIRA, F. L. B.; ALMEIDA JUNIOR, J. J. Motivações de acadêmicos de enfermagem atuantes em projetos de extensão universitária: a experiência da Faculdade Ciências da Saúde do Trairí/UFRN. Espaço para a Saúde - Rev Saúde Pública do Paraná, v. 16, n. 1, p. 40-47, 30 mar. 2015.

OLIVEIRA, R. T. C. A LDB e o contexto nacional: o papel dos partidos políticos na elaboração dos projetos - 1988 a 1996. Orientador: José Luís Sanfelice. 1997. 370 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. 1997. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253278.

RIBEIRO, K. S. Q. S. A experiência na extensão popular e a formação acadêmica em fisioterapia. Cad. CEDES, v. 29, n. 79, p. 335–346, dez. 2009.

SANTOS, J. A.; DEUS, S. Um novo tempo da extensão universitária brasileira. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, v. 2, n. 2, p. 6–16, jan./jun. 2014.

SILVA, A. F. L.; RIBEIRO, C. D. M.; SILVA JÚNIOR, A. G. Pensando extensão universitária como campo de formação em saúde: uma experiência na Universidade Federal Fluminense, Brasil. Interface - Comun Saúde, Educ, v. 17, n. 45, p. 371–384, jun. 2013.

SOUZA, N. V. D. de O et al. Atividade de extensão: estratégia para o intercâmbio de conhecimento entre os alunos de enfermagem. Esc Anna Nery, v. 11, n. 2, p. 307–312, 2007.

Publicado

30/07/2019

Como Citar

Kim, M. N., Nali, L. H. da S., & Rosa, E. F. (2019). A visão dos alunos no impacto das ações extensionistas na formação do graduando da área da saúde. Temas Em Educação E Saúde, 15(2), 313–325. https://doi.org/10.26673/tes.v15i2.13113

Edição

Seção

Artigos