A formação acadêmica de enfermeiras/os, médicas/os sob a perspectiva da garantia dos direitos humanos das mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v17i00.14747

Palavras-chave:

Relações comunidade-instituição, Violência doméstica, Equipe interdisciplinar de saúde, Assistência ambulatorial, Assistência integral à saúde

Resumo

Artigo que objetiva apresentar as contribuições para a formação de graduandos de enfermagem e medicina da FCMSCSP, após a vivência assistencial às mulheres em situação de violência doméstica de gênero em projeto de extensão universitária.  Pesquisa qualitativa, realizada a partir de entrevistas semiestruturadas com 9 estudantes de enfermagem e 1 de medicina, entre março e junho de 2019, em salas reservadas na faculdade. As entrevistas foram gravadas, transcritas e submetidas a análise de conteúdo. Destacamos as categorias: Acolhimento como sinônimo de escuta ativa; Garantia da autonomia na assistência por meio da construção compartilhada do cuidado; e reflexões sobre a formação no tema da violência contra as mulheres. Os aprendizados que se destacaram foram os que referiam a apresentação dos serviços e direitos das mulheres e a necessidade da construção compartilhada do cuidado, respeitando a autonomia, sem culpa ou julgamento sobre as mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathalia Brainer dos Santos, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Enfermeira pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo - FCMSCSP. Atuou como estagiária na Coordenadoria Regional de Saúde Norte - 2019/2020. Atuação no grupo de pesquisa Violência, Direitos Humanos e Saúde da FCMSCSP pelo CNPq.

Participou como estudante voluntária na 15° edição do Programa Expedições Científicas e Assistenciais (PECA) – 2019/2020. Ouvinte e apresentadora, em modalidade oral no 14º Congresso Internacional da Rede Unida – 2020; Ouvinte no Congresso Online Nursing Now: Protagonismo da Enfermagem na Garantia do Direito à Saúde – 2020; Ouvinte e apresentadora, em modalidade oral no Encontro Sudeste da Rede Unida - "Multidão em nós: Existir para resistir" – 2020; ouvinte no 41° Encontro Nacional dos Estudantes de Enfermagem na Universidade Federal do Ceará – 2018. Atuou como presidente do Projeto Colinho da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo - 2018 e como vice-presidente da Liga de Obstetrícia e Neonatologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo - 2018.

Beatriz Hermenegildo Moglia, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Discente do curso de Bacharelado em Enfermagem pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Atua no grupo de pesquisa Violência, Direitos Humanos e Saúde pelo CNPq. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq na vigência 2019/2020. Voluntária da nona edição do PET-Saúde Interprofissionalidade do Ministério da Saúde através da FCMSCSP. Desenvolve pesquisas com foco na atenção primária à saúde, enfermagem em saúde coletiva, violência doméstica de gênero e violência contra a mulher. Participou como estudante de enfermagem voluntária no Projeto de Extensão Científica e Assistenciais (PECA) em 2020, da FCMSCSP.

Maria Fernanda Terra, Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Professora instrutora no Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo – FCMSCSP, desde 2018, atuando na área de Enfermagem em Saúde Coletiva, Violência Doméstica de gênero e Direitos Humanos.

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP (2002). Especialização Em Enfermagem em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSPUSP (2003). Doutorado em Ciências, área de Medicina Preventiva, pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - FMUSP (2017). Coordena a Especialização em Enfrentamento e Prevenção da Violência para a Garantia dos Direitos Humanos na FCMSCSP. É líder do grupo de pesquisa Violência, Direitos Humanos e Saúde da FCMSCSP. Desenvolve pesquisa com foco na atenção primária à saúde, enfermagem em saúde coletiva, violência doméstica de gênero e violência contra a mulher. Atuou na assistência em Estratégia Saúde da Família e Coordenação de Setor e Programa Saúde da Mulher no Centro de Saúde Escola Prof. Samuel Barnsley Pessoa da FMUSP - CSE/FMUSP. Tem experiência nas áreas: enfermagem em saúde coletiva, atenção primária à saúde e nos temas: saúde sexual e reprodutiva, violência doméstica de gênero e direitos humanos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; [S.I: s.n.], 225p, 1977.

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Lei Orgânica da Saúde. Brasília (DF); 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ _03/leis/l8080.htm. Acesso em: 27 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília (DF); 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 17 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização - HumanizaSUS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013. Disponível em: https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/projeto-lean-nas-emergencias/693-acoes-e-programas/40038-humanizasus. Acesso em: 22 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Economia. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada/ Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da violência. Brasília: DF; 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-viole ncia-2020. Acesso em: 09 out. 2020.

CAIRES, S. A. L. O Núcleo estuda marcadores sociais da diferença. Agência USP de Notícias. São Paulo: [s.n.], 2010. Disponível em: http://www.usp.br/agen/?p=15350. Acesso em: 21 abr. 2020.

CECCIN, R. B.; FEUERWERKER, L. C. M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. PHYSIS: Revista Saúde Coletiva, [S.I: s.n.], v.14, n.1, p.41-65, 2004.

CORDEIRO, K. C. C. et al. Formação Profissional e Notificação e Notificação da Violência contra a Mulher. Revista Baiana de Enfermagem, v.29, n.3, p.201-208, Salvador: [s.n.], 2015.

D’OLIVEIRA, A. F. P. L. et al. Atenção integral à saúde das mulheres em situação de violência de gênero: uma alternativa para a atenção primária em saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v. 14, n.4, p.1037-50, Rio de Janeiro: [s.n.], 2009.

FREIRE, P. Educação e Mudança. ed. 12. São Paulo: Paz e Terra, 1979. Disponível em: https://construindoumaprendizado.files.wordpress.com/2012/12/paulo-freire-educacao-e-mudanca-desbloqueado.pdf. Acesso em: 26 out. 2020.

GÓES, E. D. A. A vergonha social e o medo: obstáculos para a superação da violência doméstica contra a mulher. Braz. J. of Develop., v. 5, n. 11, p. 23627-23645, Curitiba: [s.n], 2019.

MARINHO, P. A. S.; GONÇALVES, H. S. Mulheres em situação de violência doméstica: aspectos referentes ao empoderamento feminino. Revista Internacional. Interdisciplinar INTERthesis, v.16, n.2, p.01-18, Florianópolis: [s.n.], 2019.

MOUTINHO, L.; CARRARA S. Dossiê: Raça e sexualidade em diferentes contextos nacionais. Cadernos pagu [S.I: s.n.], v.35, p.9-35, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n35/n35a2.pdf. Acesso em: 02 maio 2020.

PIMENTEL, S. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher - CEDAW, 1979. In: Frossard H. Instrumentos internacionais de direitos das mulheres. Brasília: Secretaria de políticas para as mulheres; 2006.

OLIVEIRA, M.T.; FERIGATO, S.H. A atenção às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar: a construção de tecnologias de cuidado da terapia ocupacional na atenção básica em saúde. Cadernos Brasileiros de Terapias. Ocupacionais, v.27, n.3, p.508-521, São Carlos: [s.n.] 2019. Disponível em: https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoao1729. Acesso em: 28 fev. 2020.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DA SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OPAS/ OMS). Violência contra a mulher - estratégia e plano de ação para o reforço do sistema de saúde para abordar a violência contra a mulher. Washington (D.C): 67ª Sessão do Comitê Regional da OMS para as Américas, 2015. Disponível em: http://iris.paho.org/xmlui/bitstream/handle/123456789/18386/CD549Rev2_por.pdf?sequence=9&isAllowed=y. Acesso em: 18 fev. 2020.

PIEROTTI C. F et al. A situação de violência doméstica de gênero na atenção primária à saúde. Rev Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo, v. 63, n.1, p.:12-8, São Paulo: [s.n], 2018.

RODRIGUES, I.; MOREIRA, J. Relação Profissionais de Saúde – Usuários do SUS: Problematizando o Termo “Ajuda”. Revista Polis e Psique, v.7, n.3, p.43–60, Porto Alegre: [s.n.], 2017.

ROSA, R. et al. Violência: conceito e vivência entre acadêmicos da área da saúde. Interface - Comunicação Saúde Educação, v.14, n.32, p.81-90, Botucatu: [s.n.], 2010.

SANTANA, A. C. C. S. Desafios da atenção à violência doméstica pela equipe da estratégia de saúde da família. Ciências Biológicas e de Saúde Unit, v.5, n.3, p.215-220, Sergipe: [s.n.], 2019.

SCHRAIBER, L. B.; D’OLIVEIRA, A. F. P. L. Violência contra mulheres: interfaces com a saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 1999; v.3, n.5, p.11-26, Botucatu: [s.n.], 1999.

SCOTT, J. Gênero: Uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v.20, n.2, p.71-99, Porto Alegre: [s.n.], 1995.

SILVA, C. D. et al. Representação da violência doméstica contra a mulher: comparação entre discentes de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, v.39, p.1-9, Porto Alegre: [s.n], 2018.

SILVA, P. L. N. et al. Práticas educativas sobre violência contra a mulher na formação de universitários. Revista Bioética, v.24, n.2, Brasília: [s.n.], 2016.

SOUZA, E. G. et al. Atitudes e opiniões de profissionais envolvidos na atenção à mulher em situação de violência em 10 municípios brasileiros. Revista Saúde Debate, v.42, n.4, p.13-29, Rio de Janeiro: [s.n.], 2018.

SOUZA, E. R. et al. O tema violência intrafamiliar na concepção dos formadores dos profissionais de saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.14, n.5, p.1709-1719, Rio de Janeiro: [s.n.], 2019.

TERRA, M. F.; D’OLIVEIRA, A. F. P. L.; SCHRAIBER, L. B. Medo e vergonha como barreiras para superar a violência doméstica de gênero. Athenea Digital, v. 15, n. 3, p. 109-125, São Paulo: [s.n.], 2015.

TRENTIN, D. et al. Olhar de profissionais no atendimento a mulheres em situação de violência sexual: perspectiva da declaração universal de bioética e direitos humanos. Texto e Contexto-Enfermagem, v. 28, Florianópolis: [s.n.], 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Respect women: Preventing violence against women. Geneva: Department of Reproductive Health and Research, 2019. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/312261/WHO-RHR-18.19-eng.pdf?ua=1. Acesso: 18 fev. 2020.

ZANATTA, M. A. FARIA, J. P. Violência contra a mulher e desigualdade de gênero na estrutura da sociedade: da superação dos signos pela ótica das relações de poder. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, v.4, n.1, p. 99-114, Salvador: [s.n.] 2018.

Publicado

28/06/2021

Como Citar

SANTOS, N. B. dos; MOGLIA, B. H.; TERRA, M. F. A formação acadêmica de enfermeiras/os, médicas/os sob a perspectiva da garantia dos direitos humanos das mulheres. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 17, n. 00, p. e021011, 2021. DOI: 10.26673/tes.v17i00.14747. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/14747. Acesso em: 6 dez. 2021.