Teto de vidro, piso pegajoso e desigualdade de gênero no mercado de trabalho brasileiro à luz da economia feminista: por que as iniquidades persistem?

Brena Paula Magno Fernandez

Resumo


À luz da assim chamada economia feminista, o presente artigo propõe-se a apontar as desigualdades de gênero que marcam o cenário econômico, em especial no contexto do mercado de trabalho brasileiro. “Teto de vidro” e “piso pegajoso” são duas metáforas canônicas usadas pela economia feminista para explicar típicas situações de desigualdade a que estão submetidas as mulheres no âmbito laboral em todo o mundo. Sob a ótica feminista, tal configuração deve-se a estereótipos, discriminação por gênero e restrições sociais. Em que pesem as garantias legais que vêm sendo criadas para fortalecer os seus direitos, com base em dados empíricos recentes argumenta-se que estes dois conceitos espelham com fidedignidade a situação vivida hoje pelas mulheres no Brasil.


Palavras-chave


Economia feminista; Desigualdade de gênero; Gênero e economia; Teto de vidro; Piso pegajoso;

Texto completo:

PDF

Referências


AGRAVAL, T. Are there glass ceiling and sticky floor effects in India?: An Empirical Examination. Oxford Development Studies, Abingdon, v.41, n.3, p.322-342, 2013.

AHMED, M.; HYDER, A. Sticky floors and occupational segregation: evidence from Paquistan. The Pakistan Development Review, Islamabad, v.47, n.4, p.837-849, 2008. BOHN, L.; CATELA, E. Há economia feminista na ciência econômica brasileira?: Avaliação da produção científica da área entre 1990 e 2015. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL, 20., Porto Alegre. Anais[...] Porto Alegre: ANPEC/Sul, 2017. Disponível em: https://www.anpec.org.br/sul/2017/ submissao/files_I/i1-575c863d4bcb6e6b67e5fc8434c1f042.pdf. Acesso em: 13 ago. 2019.

BONETTI, A.; ABREU, M. A. Faces da desigualdade de gênero e raça no Brasil. Brasília: IPEA, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 2008.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília, DF: Senado Federal, 2013.

CARRASCO, C. La sostenibilidad de la vida humana: um assunto de mujeres?. Revista Mientras Tanto, Barcelona, n.82, 2001.

CASTAÑO, C. Economía y género. Política y Sociedad, Madrid, v.32, p.23-42, 1999.

ENGLAND, P. The separative self: androcentric bias in neoclassical assumptions. In: FERBER, M.; NELSON, J. (ed.). Beyond economic man: feminist theory and economics. Chicago: University of Chicago Press, 1993. p.37-53.

ENRIQUEZ, C. Análise Econômica para a Igualdade: as contribuições da economia feminista. In: JÁCOME, M.; VILELA, S. (org.). Orçamentos Sensíveis a Gênero: Conceitos. Brasília: ONU Mulheres, 2012. p.133-157.

FERBER, M.; NELSON, J. (ed.). Feminist economics today: Beyond economic man. Chicago: University of Chicago Press, 2003.

FERBER, M.; NELSON, J. (ed.). Beyond economic man: feminist theory and economics. Chicago: University of Chicago Press, 1993.

FOLBRE, N. Measuring care: gender, empowerment, and the care economy. Journal of human development, Abingdon, v.7, n.2, p.183-99, 2006.

GUIMARÃES, A. Cor e raça: raça, cor e outros conceitos analíticos. In: PINHO, O.; SANSONE, L. (org.). Raça: novas perspectivas antropológicas. Salvador: ABA/ UFBA, 2008. p.63-82.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [IPEA]. Mulheres e trabalho: breve análise do período 2004-2014. Brasília: Ipea, 2016. (Nota técnica, 24). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/ 160309_nt_24_mulher_trabalho_marco_2016.pdf. Acesso em 15 ago. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA [IPEA]. Impacto da Crise sobre as mulheres. Brasília: Ipea, 2009. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/ portal/images/stories/Livro_Impacto_da_crise_sobre_mulheres_port.pdf. Acesso em: 13 ago. 2019. KEE, H. Glass ceiling or sticky floor? Exploring the Australian Gender Pay Gap. Economic Record, Richmond, v.82, n.259, p.408-427, 2006.

KERGOAT, D. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, H.; LABORIE, F.; LE DOARÉ, H. (org.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Ed. da UNESP, 2009. p. 67-80.

KON, A. A economia política do gênero: determinantes da divisão do trabalho. Revista de Economia Política, São Paulo, v.22, n.3, p.89-106, 2002.

LAVINAS, L. Evolução do desemprego feminino nas áreas metropolitanas. In: BALTAR DA ROCHA, M. I. (org.). Mudanças, permanências e desafios. São Paulo: Editora 34/Abep; Campinas: Nepo/Unicamp; Belo Horizonte: Cedeplar/ UFMG, 2000. p. 139-160.

NELSON, J. The study of Choice or the Study of Provisioning?: Gender and the Definition of Economics. In: FERBER, M.; NELSON, J. (ed.). Beyond economic man: feminist theory and economics. Chicago: University of Chicago Press, 1993. p.23-36.

OROZCO, A.P. Economía del Género y Economía Feminista: conciliación o ruptura? Revista Venezoelana de Estudios de La Mujer, Caracas, v.10, n. 24, p.43-64, 2005.

PICCHIO, A. Visibilidad Analítica y Política del Trabajo de Reproducción Social. In: CARRASCO, C. (ed.) Mujeres y Economía: nuevas perspectivas para viejos y nuevos problemas. Barcelona: Icaria, 1999. p.201-244.

POWER, M. Social Provisioning as a Starting Point for Feminist Economics. Feminist Economics, Abingdon, v.10, n.3, p.3-19, 2004.

SANTOS, J. A. Classe social e desigualdade de gênero no Brasil. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v.51, n.2, p.353-402, 2008.

STOLKE, V. O enigma das interseções: classe, raça, sexo, sexualidade: a formação dos impérios transatlânticos do século XVI ao XIX. Estudos Feministas, Florianópolis, v.14, n.1, p.15-42, 2006.

WARING, M. If women counted: a new feminist economics. San Francisco: Harper & Row, 1988.

WRIGHT, E. Class counts: Comparative studies in class analysis. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

WRIGHT, E. Interrogating inequality: essays on class analysis. London: Verso, 1994.

XIU, L.; GUNDERSON, M. Glass Ceiling or Sticky Floor?: Quantile regression decomposition of the gender gap in China. International Journal of Manpower, v.35, n.3, p.306-326, 2014.




Direitos autorais 2019 Compartilhado Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

E-ISSN: 2359-2419 (números publicados a partir de junho 2016)

ISSN: 1415-0689 (encerrado em junho de 2016).

Email: cadernosdecampo.fclar@unesp.br 

A Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais faz parte de um amplo grupo de periódicos internacionais que aderiram à Declaração de San Francisco sobre Avaliação da Pesquisa (DORA). Criado por um grupo de editores de periódicos acadêmicos, durante um evento cientifico, na cidade de São Francisco/EUA, em 2012, esse movimento exige novas formas de avaliação da produção cientifica por parte das agências de financiamento e instituições acadêmicas. Maiores informações sobre a DORA podem ser obtidas clicando no link: https://sfdora.org/