Práticas de letramentos acadêmicos de alunos do Pibid interdisciplinar linguagens-Furb

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v5i1.12795

Palavras-chave:

Práticas de letramentos, Letramentos acadêmicos, Desenvolvimento profissional docente, Movimentos reflexivos, Pibid.

Resumo

Não obstante falar inglês seja uma prática altamente valorizada na sociedade brasileira, observa-se entre a população a crença de que não se aprende inglês na escola pública. Parte-se da ideia de que crenças são individuais, sociais, dinâmicas, contextuais e paradoxais, e que além de resultar de experiências, podem ser ressignificadas. No contexto de formação de professores, ao investigar práticas de letramentos acadêmicos, procura-se entender os significados que os sujeitos atribuem às práticas sociais de leitura e escrita. Neste cenário, o Programa de Iniciação à Docência (Pibid) se consolidou como oportunidade de formação inicial. Na parceria universidade-escola de educação básica, por meio da mediação de professores supervisores nos dois espaços, sentidos sobre a docência são discutidos e construídos. Este artigo reporta uma pesquisa de iniciação científica, de cunho qualitativo, que objetivou investigar práticas de letramentos de três acadêmicos de um curso de Letras Português/Inglês participantes do Pibid no período de agosto/2017 a fevereiro/2018. Vinte aulas ministradas pelos sujeitos foram observadas, bem como as reuniões do grupo, e as produções escritas (diários reflexivos, planos de aula e resumos para eventos científicos) foram coletadas bem como um questionário foi aplicado pelas pesquisadoras. Os resultados indicam que o desenvolvimento de práticas de letramentos acadêmicos reflete, de forma positiva, nos processos formais e informais de atuação acadêmica e profissional dos licenciandos. A estrutura de organização, as oportunidades de ressignificação de crenças, de reflexão sobre teoria e prática docente e de mediação do mais experiente se mostraram como pontos fortes do programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Daiana Dela Justina Starke, Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau – SC

Bolsista PIBIC/FURB. Estudante de Letras Português-Inglês.

Cyntia Bailer, Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau – SC

Departamento de Letras. Professora Doutora.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. de; PONTIN, M. M. D. O Diário Reflexivo, Avaliação e Investigação Didática. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 21, p. 447-462, out./dez. 1998. Disponível em: http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/viewFile/66/62.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 472 p., 2018.

BARCELOS, A. M. F. Cognição de professores e alunos: tendências recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In: BARCELOS, A. M. F.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (Orgs). Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, p. 15-42, 2006.

BARCELOS, A. M. F. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 7, n. 2, p. 109-138, 2007.

BARCELOS, A. M. F. Lugar (im)possíveis de se aprender inglês no Brasil: crenças sobre aprendizagem de inglês em uma narrativa. In: LIMA, D.C. (Org.). Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, p. 147-170, 2011.

BLUMENAU. Secretaria de Educação de Blumenau. Projeto Plures incentiva ensino de alemão em escolas municipais. Disponível em: https://www.blumenau.sc.gov.br/secretarias/secretaria-de-educacao/semed/projeto-plures-incentiva-ensino-de-alemao-em-escolas-municipais79. Acesso em: 12 de agosto de 2018.

CERVETTI, G.; PARDALES, M. J.; DAMICO, J. S. A tale of differences: comparing the traditions, perspectives, and educational goals of critical reading and critical literacy. Reading Online, v. 4, n. 9, 2001.

FISTAROL, C. F. da S.; FISCHER, A.; BAILER, C. O processo de estágio na formação docente de professores de língua inglesa: um olhar de licenciandas de um curso de Letras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 20, p. 623- 637, abr./jun., 2018. E-ISSN: 1982-5587. DOI: 10.21723/riaee.v13.n2.2018.11333.

FRANCO, M. E. D. P.; BORDIGNON, L. S.; NEZ, E. de. Qualidade na Formação de Professores: Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) como estratégia institucional. IX ANPED SUL, 2012. Disponível em http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/2061/744. Acesso em 12 de agosto de 2017.

HARMER, J. The practice of English language teaching. 3rd ed. Essex: Longman, 2001.

JORGE, M. L. dos. S. Preconceito contra o ensino de Língua Estrangeira na rede pública. In:

LIMA, D. C. (Org.). Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, p. 171-184, 2011.

LEA, M. R.; STREET, B. V. The “Academic Literacies” model: theory and applications. Theory into practice, v. 45, n.4, p. 368-377, 2006.

LIMA, D. C. (Org.). Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

MARCELO, C. Desenvolvimento Profissional: passado e futuro. Sísifo – Revista das Ciências da Educação, n. 08, p. 7-22, jan./abr. 2009.

MICCOLI, L. O ensino na escola pública pode funcionar, desde que… In: LIMA, D.C. (Org.). Inglês em escolas públicas não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, p. 171-184, 2011.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, [s.l.], v. 47, n. 166, p.1106-1133, dez. 2017. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/198053144843. Acesso em 12 março 2018.

PPP – Projeto Político Pedagógico da Escola Básica Municipal Annemarie Techentin. Blumenau: SEMED, 2015, 62 p. Disponível na unidade escolar.

RAJAGOPALAN, K. O inglês como língua internacional na prática docente. In: LIMA, D.C. (Org.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola, p. 39-46, 2009.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J.; et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 278 p., 2004.

SEIDLHOFER, B. Closing a conceptual gap: the case for a description of English as a lingua franca. International Journal of Applied Linguistics, Oslo, v. 11, n. 2, p. 133-158, 2001.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2014.

Downloads

Publicado

30/04/2019

Como Citar

STARKE, M. D. D. J.; BAILER, C. Práticas de letramentos acadêmicos de alunos do Pibid interdisciplinar linguagens-Furb. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 5, n. 1, p. 195–209, 2019. DOI: 10.29051/el.v5i1.12795. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/12795. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Temático / Thematic dossier