Letramentos multimodais para o ensino do Português como segunda língua para surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v6i2.13805

Palavras-chave:

Multiletramentos, Escola bilíngue, Língua de sinais, Língua portuguesa escrita.

Resumo

O presente artigo apresenta uma proposta pedagógica que visa à construção de um vídeo multimodal com as letras das músicas de Dorival Caymmi, envolvendo os multiletramentos (linguístico, visual, gestual, espacial e áudio) no sentido de desenvolver a capacidade comunicativa dos sujeitos surdos envolvidos no processo de ensino-aprendizagem, criando contextos de produções reais, possibilitando atividades múltiplas e, sobretudo, atividades que valorizem o princípio Bakhtiniano da interação, do dialogismo. A proposta organiza-se a partir dos procedimentos de apresentação de situações de comunicação envolvendo os gêneros discursivos multimodais considerando os alunos protagonistas do conhecimento. O projeto foi desenvolvido no Atendimento Educacional Especializado - AEE, no contexto escolar que tem por referência uma perspectiva bilíngue, onde os alunos usam a Língua Brasileira de Sinais como primeira língua (L1) e a língua portuguesa na modalidade escrita como segunda língua (L2), envolvendo as áreas de Libras e Português escrito no sentido de aproximar as crianças surdas às práticas letradas. A escolha do autor deu-se devido à comemoração do seu centenário, às suas composições que retratam e valorizam a Bahia, ao fato dos alunos serem baianos e pensando no nível de complexidade dos textos apropriados para a compreensão dos alunos surdos em questão.

Biografia do Autor

Yuri Miguel Macedo, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Itabuna – BA

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação e Relações Étnico-Raciais.

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Bakhtin, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BEGROW, D.; LIRA, L.; PEREIRA, R. Letramento na educação bilíngue para surdos: a poesia de Cecília Meireles em Libras como facilitadora. In: CONGRESSO INTERNACIONAL, 13.; SEMINÁRIO NACIONAL DO INES, 19., 2014, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, set. 2014. p. 179-186.

BRASIL. Ministério da educação. Secretaria de Educação Especial. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 15 mar. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 23 dez. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 15 mar. 2020.

FERNANDES, S. F. Práticas de letramento na educação bilíngue para surdos. Curitiba: SEED, 2006.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Editora Graal, 2010.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

KARNOPP, L.; PEREIRA, M. C. Concepções de leitura e de escrita e educação de surdos. Leitura e escrita no contexto da diversidade. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004. p. 33-38.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Multimodal discourse. The modes and media of contemporary communication. London: Hodder Arnold, 2001.

LACERDA, C. A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: trabalhando com sujeitos surdos. Cadernos CEDES, Campinas, v. 20, n. 50, p. 70-83, 2000.

LEMKE, J. Multiplying meaning: visual and verbal semiotics in scientific text. In: MARTIN, J. R.; VEEL, R. (Eds.). Reading Science. Routledge, 1998. Disponível em: http://www.jaylemke.com/storage/MultiplyingMeaning1998.pdf. Acesso em: 10 out. 2014.

LODI, A. C. A leitura como espaço discursivo de construção de sentidos: o de sentidos oficinas com surdos. Orientadora: Roxane Helena Rodrigues Rojo. 2004. 282 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Teses/ana_claudia_lodi.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

MAGALHÃES, A. R.; PAIVA, V. S. Limites, possibilidades e potencialidades das redes de apoio a implantação da cultura das TIC em curso de formação de professores. Disponível em: http://ticeduca.ie.ul.pt/atas/pdf/319.pdf. Acesso em: 10 out. 2014.

PELUSO, L. Estudios interculturales y cultura escrita: algunas problematizaciones em torno al concepto de escritura y de sujeto letrado. In: Edición de la Sociedad de Dislexia del Uruguay (org.). Entre el sueño y la realidad: nuestra América Latina alfabetizada. Montevideo, 2007. p. 313-320.

PERLIN, G.; STROBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis: UFSC, 2006.

PINHEIRO, V. Aspectos da Pedagogia Visual. In: CONGRESSO INTERNACIONAL, 8.; SEMINÁRIO NACIONAL DO INES, 14., Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2009. p. 115-122.

QUADROS, R. de; SCHIEDT, M. Idéias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, 2006.

QUADROS, R. de. Educação de surdo: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ROJO, R.; MOURA, E. (orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola editorial, 2012.

SILVA, M. A construção de sentidos na escrita do aluno surdo. São Paulo: Plexus, 2001.

SOARES. Magda. Linguagem e escola uma perspectiva social. 17. ed. São Paulo: série fundamentos, 2008.

Publicado

26/08/2020

Edição

Seção

Artigos