Diversidade linguística e a violência simbólica nas regiões de fronteira brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v7iesp.6.15453

Palavras-chave:

Fronteiras brasileiras, Política linguística, Formação de professores, Violência simbólica

Resumo

O presente artigo tem como finalidade apresentar um breve panorama do cenário acerca da educação linguística que vem sendo oferecida nas escolas de fronteira brasileira, especificamente na região Norte. Os aportes teóricos que norteiam esse estudo foram baseados em pesquisadores da área da linguística aplicada e da sociolinguística e, para discutir o poder simbólico instaurado nas instituições de ensino, utilizou-se Bourdieu (2007) e Foucault (1999,2001). Pretende-se estabelecer uma reflexão crítica sobre a situação em que se encontra os profissionais que atuam em escolas de contextos de minoria, contribuindo assim para um questionamento sobre a necessidade de se estabelecer políticas públicas voltadas a realidade local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaína Moreira Pacheco de Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Maracanã – RJ – Brasil

Professora Adjunta do Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino na Faculdade de Educação da UERJ. Doutora em Educação.

João dos Santos Barros, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Maracanã – RJ – Brasil

Doutorando no Programa de pós-graduação em educação (ProPEd). Professor de Língua Portuguesa e Literatura.

Referências

AGUIRRE, A. F. La norma lingüística del español desde una perspectiva lexicográfica: norma nacional versus norma panhispánica. Normas: Revista de Estudios Lingüísticos Hispánicos, n. 1, 2011. Disponível em: https://ojs.uv.es/index.php/normas/article/view/4647/4506. Acesso: 19 jul. 2021.

AMADO, R. S. O ensino de português como língua de acolhimento para refugiados. In: Revista da SIPLE, Brasília, v. 4, n. 2, out. 2013. Disponível em: http://www.siple.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=309:oensino-de-portugues-como-lingua-de-acolhimento-para-refugiados&catid=70:edicao-7&Itemid=113. Acesso: 19 jul. 2021.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL, Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v. 143, n. 248, 23 dez. 1996.

CABETE, M.A.C. S. S. O processo de ensino-aprendizagem do português enquanto língua de acolhimento. 2010. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura Portuguesa) – Universidade de Lisboa (Ulisboa), Lisboa, 2010.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 15, n. esp., p. 385-417, 1999.

CAVALCANTI, M. C. Formação de professores para contextos bilíngues no Brasil. In: CONFERÊNCIA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA – SBPC, 49., 1997, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte, MG, 18 jul. 1997.

CORACINI, M. J. R. F. A Celebração do Outro: arquivo, memória e identidade - línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

COSTA, E. J.; SILVA, F. C. Legislação migratória e português como língua de acolhimento: reflexões sobre políticas linguísticas e lingua(gem). Revista de Divulgação Científica em Língua Portuguesa, Linguística e Literatura, v. 14, n. 23, p. 598-612. 2018.

COSTA, M. V. Mídia, magistério e política cultural. In: COSTA, M. V; VEIGA-NETO, A. (org.). Estudos Culturais em Educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004, p. 73-92.

EDWARDS, J. Language revitalization and its discontents: an essay and review of Saving Languages: an introduction to language revitalization. In: GRENOBLE, L.; WHALEY, L. (ed.). Saving Languages: an introduction to language revitalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. p. 101-120.

FERREIRO, E.; TEBEROSK, A. A Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

FILHO, J. C. P. A. Índices nacionais de desenvolvimento do ensino de português língua Estrangeira. In: CUNHA, C. M. J.; FILHO, J. C. P. A. Projetos iniciais em português para falantes de outras línguas. Brasília, DF: EdUnB; Campinas, SP: Pontes Editores, 2007. p. 39-55.

FIORIN, J. L. Língua, discurso e política. Alea: Estudos Neolatinos, v. 11, n. 1, p.148-165, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-106X2009000100012

FOUCAULT, M. História e Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal, 2001.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

FREIRE, J. R. B. Da “fala boa” ao português na Amazônia brasileira. Revista Ameríndia, n. 8, 1983.

JÚDICE, N. O ensino de Português para Estrangeiros na perspectiva de quem forma professores no Brasil. In: TURAZZA, J. S. et al. (org.) Estudos em português língua estrangeira: homenagem à profa. Dra. Regina Célia Pagliuchi da Silveira. 1. ed. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2016.

LEAL, L. F. V. Sujeito letrado, sujeito total: implicações para e letramento escolar. In: MELLO; M. C. RIBEIRO, A. E. A. (org.) Letramento: significado e tendências. Rio de Janeiro, WAK, 2004.

MENDONÇA, O. S. Percurso histórico dos métodos de alfabetização. Faculdade de Ciências e Tecnologia – Departamento de Educação UNESP. Presidente Prudente: SP, 2007. p. 23-35. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40137/1/01d16t02.pdf. Acesso: 07 ago 2021.

MOURA, S. A. Educação Bilíngue no Brasil: Possibilidades e desafios Rumo a uma Sociedade Linguística e Culturalmente Plural. In: SEMANA DA EDUCAÇÃO, 6., 2008, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, SP: FEUSP, 2008.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky e o processo de formação de conceitos. In: PIAGET, V. W. Teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

PILLER, I. Linguistic Diversity and Social Justice: An introduction to Applied Sociolinguistics. New York: Oxford University Press, 2016. DOI: https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199937240.001.0001

PIRES-SANTOS, M. E. O cenário multilíngüe/multidialetal/multicultural de fronteira e o processo identitário “brasiguaio” na escola e no entorno social. 2004. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: Cinco lições sobre a emancipação intelectual. 2 ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2005.

RIBEIRO, A.E. A. Letramento: significado e tendências. Rio de Janeiro, WAK, 2004.

SANTOS, A. S. Multilinguismo em Bonfim/ RR: O ensino de Língua Portuguesa no contexto da diversidade linguística. 2012. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

SÃO BERNARDO, M. A. Português como língua de acolhimento: um estudo com imigrantes e pessoas em situação de refúgio no Brasil. 2016. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

SENNA, L. A. G. Categorias e sistemas metafóricos: um estudo sobre a pesquisa etnográfica. Educação em Foco, v. 11-1, p. 169-187, mar./ago. 2006. ISSN 0104- 3293.

SENNA, L. A. G. Letramento e desarrollo humano en contextos interculturales. In: Congresso Internacional Virtual de Psicologia Educativa, 2001, Islas Balleares. Actas […]. Islas Balleares, Universidad de las Islas Balleares, 2001. Disponível em: https://www.senna.pro.br/biblioteca/cibereduca_new.pdf. Acesso em 10 ago. 2021.

SENNA, L. A. G. Letramento: princípios e processos. Curitiba, PR: Ibpex, 2007a.

SENNA, L. A. G. O conceito de letramento e a teoria da gramática: uma vinculação necessária para o diálogo entre as ciências da linguagem e a educação. Revista Delta, v. 23, n. 1, 2007b. Disponível em: https://www.senna.pro.br/biblioteca/delta_2008.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.

SENNA, L. A. G. Text production, representation of thought and discursive genders in elementary school classes. Social Sciences and Humanities, v. 1, 2019. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2590291119300075. Acesso: 28 jul. 2021.

SILVA, J. C. J. Migração forçada de venezuelanos pela fronteira norte do Brasil. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 41., 2017, Caxambu. Anais [...]. Caxambu, MG, 2017. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-40-encontro-2/gt-30/gt16-26/10744-migracao-forcada-de-venezuelanos-pela-fronteira-norte-do-brasil/file Acesso: 02 ago. 2021.

SILVA, J. I. O debate sobre direitos linguísticos e o lugar do linguista na luta dos sujeitos falantes de línguas. RBLA, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, 2017. p. 663-690. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1984-6398201711347

SOUZA, J. M. P. Ser professora em área de fronteira bilíngue no Brasil: desafios e possibilidades. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, 2019.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? 2. ed. Belo Horizonte, MG: UFMG, 2014.

STURZA, E. R. Espaço de enunciação fronteiriço e processos identitários. Pro-Posições, v. 21 n. 3, 2010, p. 83-96. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73072010000300006

VARENNES, F. The human rights dimension and challenges of linguistic rights. In: INTERNATIONAL CONFERENCE INTEGRATION AND EXCLUSION: LINGUISTIC RIGHTS OF NATIONAL MINORITIES, 2015, Vilnius. Proceedings [...]. Vilnius, 2015. p. 39-56.

ZAMBRANO, C. E. G. Português como língua de acolhimento em Roraima: Da falta de formação específica à necessidade social. R E V I S T A X, Curitiba, PR, v. 14, n. 3, 2019. p. 16-32.

Publicado

28/12/2021

Como Citar

SOUZA, J. M. P. de; BARROS, J. dos S. Diversidade linguística e a violência simbólica nas regiões de fronteira brasileira. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 7, n. esp.6, p. e021152, 2021. DOI: 10.29051/el.v7iesp.6.15453. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/15453. Acesso em: 20 maio. 2022.