Tradução funcionalista e variação linguística: o uso de sequência didática no ensino de línguas

Valdecy Oliveira Pontes, Livya Lea Oliveira Pereira

Resumo


No contexto da abordagem da variação linguística do Espanhol e do uso da Tradução Funcionalista em aulas de Língua Estrangeira, este artigo objetiva relatar os resultados da aplicação de uma Sequência Didática (SD), nos moldes da Escola de Genebra, a partir da tradução funcionalista de peças teatrais hispânicas para o ensino da variação linguística nas formas de tratamento pronominais no par linguístico Espanhol-Português Brasileiro. A SD foi aplicada na disciplina “Introdução aos Estudos da Tradução em Língua Espanhola” (2º semestre), ofertada pelo curso de licenciatura em Letras – Língua Espanhola e suas Literaturas, da Universidade Federal do Ceará. Baseamo-nos em fundamentos teóricos da Tradução Funcionalista (NORD, 1994, 1996, 2009, 2012), Tradução e Sociolinguística (BOLAÑOS-CUELLAR, 2000; MAYORAL, 1998), elaboração de SD (DOLZ; NOVERRAZ; SCHNEUWLY, 2004; CRISTÓVÃO, 2010; BARROS, 2012) e pesquisas sobre a variação nas formas de tratamento do Espanhol e Português (FONTANELLA DE WEINBER, 1999; SCHERRE et al, 2015).


Palavras-chave


Tradução Funcionalista. Sequências didáticas. Variação linguística. Formas de tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRIENTOS, B. R. R. Os quadrinhos da Maitena no ensino de Espanhol língua estrangeira: à luz da Tradução Funcionalista. 2014. 252 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

BARROS, E. M. D. Gestos de ensinar e de aprender gêneros textuais: a sequência didática como instrumento de mediação. 2012. 368 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

BOLAÑOS-CUÉLLAR, S. Aproximación Sociolingüística a la Traducción. Forma y Función, n. 13, p.157-192, 2000.

BROWN, R.; GILMAN, A. The pronouns of power and solidarity. In: PAULSTON, C. B.; TUCKER, G. R. (eds.) Sociolinguistics. The Essencial Readings. United Kingdom: Blackwell, 2003 [1960]. p. 156-176.

CALDERÓN CAMPOS, M. Formas de tratamiento. IN: ALEZA IZQUIERDO, M.; ENGUITA UTRILLA, J. M. (coord.) La lengua española en américa: Normas y usos actuales. Universidad de Valencia, Valencia: 2010. p. 225-236.

CASTILHO, A. T. Nova Gramática do Português Brasileiro. 1. ed., 3. reimpressão – São Paulo: Contexto, 2014.

CRISTOVÃO, V. L. L. Sequências didáticas para o ensino de línguas. In: DIAS, R; CRISTOVÃO, V. L. L. O livro didático de língua estrangeira. Múltiplas perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009. p. 305-344.

CRISTOVÃO, V. L. L. O gênero quarta capa no ensino de inglês. In: DIONISIO, A. et al (Org.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010. p. 105 – 116.

DEMÉTRIO, A. P. C. A tradução como retextualização: uma proposta para o desenvolvimento da produção textual e para a ressignificação da tradução dentro do ensino de LE. 2014. 198 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Genres et progression en expression orale et écrite: éléments de réflexions à propos d’une experience romande. Enjeux, 37/38, 1996, p.49-75.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M; SCHENEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: ROJO, R.; CORDEIRO, G. S. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

FANJUL, A. P.; Conhecendo assimetrias: a ocorrência de pronomes pessoais. In: FANJUL, A. P.; GONZÁLEZ, N. M. Espanhol e Português Brasileiro: estudos comparados. São Paulo: Parábola Editorial, 2014. p. 29-71.

FONTANELLA DE WEINBERG, M. B. Sistemas pronominales de tratamiento usados en el mundo hispánico. In: BOSQUE, I.; DEMONTE, V. (eds.): Gramática Descriptiva de la lengua española, 1. Madrid: RAE, 1999. p. 1399-1425.

KUMARAVADIVELU, B. Toward a postmethod pedagogy. TESOL Quartely, v. 35, n. 4, p. 537-60, 2001.

MARCHUSHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. et al (Org.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010. p. 19-38.

MATTOS E SILVA, R. V. Contradições no ensino de Português: A língua que se fala x A língua que se ensina. 7. ed. São Paulo, 2005. 95 p. (Repensando a Língua Portuguesa).

MAYORAL, R. La traducción de la variación lingüística. 1997. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Universidade de Granada, Granada, 1998.

MELO, N. T. Texto e contexto na construção de sentidos: a tradução em sala de aula de LE. 2012. 154 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2012.

NASCIMENTO, I. B. O uso variável do pronome de segunda pessoa você(s)/ cê(s) na cidade de São Paulo. 2011. 235 f. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2011.

NORD, C. El error en la traducción: categorías y evaluación. In: HURTADO ALBIR, A. Estudios sobre la traducción. Castelló: Universitat Jaume I, 1996. p. 91-107.

NORD, C. Traduciendo funciones. In: HURTADO ALBIR, A. (ed.): Estudios sobre la traducción. Castelló: Publicacions de la Universitat Jaume I, 1994. p. 97-112.

NORD, C. Texto-base-texto-meta. Un modelo funcional de análisis pretraslativo. Tradução e adaptação de Christiane Nord. Castelló de la Plana: Publicacions de la Universitat Jaume I, Espanha, 2012.

PAIVA; M. C. A.; DUARTE, M. E. L. Quarenta anos depois: a herança de um programa na Sociolinguística Brasileira. In: WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Tradução de Marcos Bagno. Fundamentos empíricos para uma teoria da Mudança Linguística. São Paulo: Parábola, 2006. [1968] p. 131- 151.

REISS, K.; VERMEER, H. J. Fundamentos para una teoría funcional de la traducción. Tradução de Sandra García Reina e Celia Martín de León. Madrid: Ediciones Akal, 1996.

SCHERRE, M. M. P.; YACOVENCO, L. C. A variação linguística e o papel dos fatores sociais: o gênero do falante em foco. Revista da ABRALIN, v. eletrônico, n. especial, p. 121-146. 1ª parte 2011.

SCHERRE, M. M. P, et. al. Variação dos pronomes Tu e você. In: MARTINS, M. A; ABRAÇADO, J. (org.) Mapeamento sociolinguístico do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p.133-172.

SOUZA, C. M. N. Poder e solidariedade no teatro florianopolitano dos séculos XIX e XX: uma análise sociolinguística das formas de tratamento. 2011. 280f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

STUTZ, L; CRISTÓVÃO, V. L. L. A construção de uma sequência didática na formação docente inicial de língua inglesa. Revista Signum: Estud. Ling., Londrina, n. 14/1, p. 569-589, 2011.




DOI: https://doi.org/10.29051/rel.v3.n2.2017.9159



Direitos autorais 2017 Revista EntreLínguas



Rev. EntreLínguas, Araraquara, SP, Brasil. e-ISSN: 2447-3529, ISSN: 2447-4045

DOI Prefix: 10.02951/rel

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.