Educação Sexual, CT&i: um breve estudo teórico e uma proposta de aplicação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16i1.13532

Palavras-chave:

Educação sexual, CT&i, Educação sexual científica.

Resumo

A problemática deste estudo, apesar ainda inicial e incipiente, é a possibilidade de aproximação da Educação Sexual aos pressupostos da CT&i. Se propõe um currículo para a educação escolar e para os espaços não escolares que nasça não só das pesquisas e produções da área da Educação Sexual, mas que seja expandida para reflexões e produções de teorias sobre a “indústria da sexualidade”, com as inovações e tecnologias científicas fruto do avanço da informação computadorizada. Nessa proposta se elabora um conceito provisório de “Educação Sexual Científica” (ESC) que, em seu projeto inicial, pretende se configurar nos moldes da Alfabetização Científica. Com metodologia de base bibliográfica, a problemática da pesquisa é respondida em duas frentes: a primeira frente, aproximar a área da Educação Sexual à CT&i a partir da Epistemologia da Ciência. Na segunda frente, propor uma metodologia nos aportes da Alfabetização Científica. Um dos principais resultados é o campo de desafios que se abrem para ser pensado um projeto teórico e metodológico de ESC, por exemplo, a digisexuality, as novas tecnologias “robossexuais”, as plataformas digitais sexuais, com jogos e “sentidos” promovidos pela indústria, apoiando-se na ciência da sexualidade humana e atendendo ao bem-estar de seus usuários(as) individuais e coletivos. A principal conclusão é a possibilidade positiva (e “arriscada”) dessa aproximação da Educação Sexual com a CT&i, sobretudo em sua complementariedade ao aspecto emancipatório da sexualidade humana utilizado nas Ciências da Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudionor Renato da Silva, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí – GO

Doutor em Educação Escolar pela UNESP/FCLar. Docente e pesquisador na Universidade Federal de Jataí. Docente do Programa de Pós Graduação em Educação.

Referências

ALVES, R. Filosofia da ciência. Introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Brasiliense, 1981.

ANELLI, C. Scientific Literacy: what is it, are we teaching it, and does it matter? American Entomologist, v. 57, n. 4, p. 235-244, 2011. Disponível em: http://entomology.wsu.edu/wp-content/uploads/2012/02/Anelli2011scientific-lit.pdf. Acesso em: 29 mar. 2020.

ASIMOV, I. Eu, robô. São Paulo: Aleph, 2014.

BEEDE, D. et al. Women in STEM: a gender gap to innovationation. U.S. Department of Commerce, Economics and Statistics Administration, ago. 2011.

CHASSOT, A. Alfabetização Científica – Questões e Desafios para a Educação. Ijuí: Editora da Unijuí, 2017.

DAVIS-FLOYD, R.; DUMMIT, J. (Ed.). Cyborg babies: from techno-sex to techno tots. New York: Routledge; 1998.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I. A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HALL, A. R. The historical relations of science and technology. London: Inaugural Lecture, 1963.

HURD, P. D. Scientific literacy: new mind for a changing world. Science & Education. Stanford, USA, v. 82, n. 3, p. 407-416, 1998. Disponível em: https://eric.ed.gov/?id=EJ565751. Acesso em 30 mar. 2020.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. São Paulo: Ed. 34, 1994.

LATOUR, B. Ciência em ação. São Paulo: Ed. Unesp, 2000.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos, Bauru: Edusc, 2001.

MCARTHUR, N.; TWIST, M. L. C. The rise of digisexuality: therapeutic challenges and possibilities. Sexual and Relationship Therapy, v. 32, n. 3-4, p. 334-344, 2017. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/14681994.2017.1397950. Acesso em 30 mar. 2020.

MORIN, E. Ciência com consciência. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

PARKER, R.; AGGLETON, P. Culture, society and sexuality: a reader. 2. ed. New York: Routledge, 2007.

PORTER, R.; TEICH, M. Conhecimento sexual, ciência sexual. História das atitudes em relação à sexualidade. São Paulo: Editora Unesp, 1998.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. 5. ed. New York: The Free Press, 2003.

RUSSETT, C. E. Sexual Science. The Victorian Construction of Womanhood. Cambridge: Harvard University Press, 1995.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia da pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica no ensino fundamental: estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. 2008. 261 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SCUTT, J.A. Baby machine reproductive technology and the comercialisation of motherhood. London: Green Print; 1990.

WIEZENBAUM, J. Computer power and human reason. San Francisco: Freeman, 1976.

Publicado

19/06/2020

Como Citar

SILVA, C. R. da. Educação Sexual, CT&i: um breve estudo teórico e uma proposta de aplicação. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 16, n. 1, p. 40–50, 2020. DOI: 10.26673/tes.v16i1.13532. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/13532. Acesso em: 26 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos