Projeto escola intercultural bilíngue de fronteira: uma metanálise das concepções de bilinguismo e educação bilíngue

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v5i1.12792

Palavras-chave:

PEIBF, Concepções de bilinguismo e Educação Bilíngue, Línguas de fronteira.

Resumo

No Brasil, em geral, há uma crença no mito do monolinguismo a partir do qual se acredita na predominância e soberania única do português em território brasileiro. O propósito deste trabalho é discutir resultados parciais de uma pesquisa sobre concepções de bilinguismo e educação bilíngue adotadas por pesquisadores em produções científicas relacionadas às áreas de Educação e Linguagem. Desta forma, busca-se abordadas análises com relação ao PEIBF – Projeto Escola Intercultural Bilíngue de Fronteira realizado por países membros do Mercosul. O levantamento de dados foi feito na ANPED – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – e na BDTD – Banco Nacional de Teses e Dissertações – entre os anos de 2010 e 2015, e utilizou como base questões sobre bilinguismo e educação bilíngue. O objetivo é mapear as concepções utilizadas nas pesquisas sobre bilinguismo e educação bilíngue e os acordos teóricos que embasam tais concepções. A importância desta pesquisa ocorre diante da carência de conhecimentos sobre o PEIBF e concepções utilizadas neste programa. Além de proporcionar um melhor entendimento dos métodos e teorias dominantes na área. Nossos dados apontam que as pesquisas realizadas dentro de um contexto de fronteira, se direcionam para uma visão sociofuncional. Nesta compreensão, o bilinguismo e a educação bilíngue são entendidos não apenas como o ensino e o domínio de uma habilidade linguística, mas como um fenômeno social que ocorre dentro de um contexto sócio-histórico especifico. No caso da fronteira, as concepções são construídas através do contato entre dois países, duas culturas e duas línguas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Vieira Barbosa, Escola Barão do Rio Branco, Blumenau - SC

Professora de Língua Inglesa – EFI

Cleide Beatriz Tambosi Pisetta, Colégio São Paulo (CSP), Ascurra - SC

Professora de Língua Inglesa e Língua Portuguesa – EFII e EM.

Referências

ALVAREZ, I. M. J. Falar apaisanado: Uma forma de designar as línguas na fronteira. 2009. 83p. Dissertação (mestrado) – Centro de Artes e Letras. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1992.

BORTONI-RICARDO, S. M. Problemas de comunicação interdialetal. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 9, n. 78, p. 9-32, 1984.

BRASIL. Ministério da Educação. ARGENTINA. Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología. Escolas de Fronteira. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Escolafronteiras/doc_final.pdf. Acesso em: 07 de outubro de 2016.

BRAZ, E. de S. Línguas e identidades em contexto de Fronteira Brasil/Venezuela. 2010. 120 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística Aplicada, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

BUENO, R. G. Aquisição e/ou aprendizagem: A constituição da subjetividade e identidade de uma criança falante de português brasileiro e de espanhol. 2013. 182 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística e Língua Portuguesa, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Araraquara, 2013.

CÁCERES, G. H. O papel da experiência linguística na relação entre alcance de memória de trabalho e compreensão leitora. 2012. 141 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística Aplicada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

CARDOSO, A. C. A gente pode aprender muito com essas trocas de línguas e não ficar preso numa língua só: práticas de linguagem na introdução do ensino bilíngue em sala de aula do Ensino Médio. 2015. 169 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. D.e.l.t.a.: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, São Paulo - Sp, v. 15, p. 385-417, 1999.

CAVALCANTI, M. C. Multilinguismo, transculturalismo e o (re)conhecimento de contextos minoritários, minoritarizados e invisibilizados. In: MAGALHÃES, Maria Cecília C.; FIDALGO, Sueli S. (orgs) Questões de Método e de Linguagem na Formação Docente. Campinas: Mercado de Letras, pp 171-185, 2011.

CÉSAR, A. L. S.; CAVALCANTI, M. C. Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In: CAVALCANTI, Marilda Couto; BORTONI-RICARDO, S. M. Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas-SP: Mercado de Letras, p. 45-66, 2007.

CITOLIN, C. B. Eu falo, tu hablas, vos hablás, nós ensinamos e aprendemos juntos: Aulas de línguas em cursos binacionais. 2013. 192 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, São Leopoldo, 2013.

COUTO, R. C. do. Ambivalência e pertencimentos culturais e nacionais nos currículos das escolas bilíngues de fronteira. In: ANPED, 36., 2013, Goiânia. Anais.... Goiânia: Anped, p. 1 – 15, 2013.

FLORES, O. V. O programa escola intercultural bilíngue de fronteira: Um olhar para novas políticas linguísticas. 2011. 127 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, Cascavel, 2011.

GONÇALVES, D. P. O falar dos comerciantes brasileiros na fronteira de Jaguarão-Río Branco. 2013. 132 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.

LIMA, L. R. de. "Uma das melhores coisas dentro dessa proposta é o espanhol": As jovens situações bilíngues encontrando a maturidade na educação via pesquisa da EJA Florianópolis. 2011. 173 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

MAHER, T. J. M. Ser professor sendo índio: questões de lingua(gem) e identidade. 1996. 262 f. Tese (Doutorado) - Curso de Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

NOBRE, W. C. de A. Introdução à história das línguas gerais no Brasil: Processos distintos de formação no Período Colonial. 2011. 233 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

PEREIRA, S. M. M. da V. Programa de escolas interculturais bilíngues de fronteira: Integração e identidade fronteiriça. 2014. 149 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

PREUSS, E. O. Acesso lexical e produção de fala em bilíngues Português-Espanhol e Espanhol-Português. 2011. 183 f. Tese (Doutorado) - Curso de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

SAGAZ, M. R. P. Projeto escolas (interculturais) bilíngues de fronteira: análise de uma ação político linguística. 2013. 156 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

STEIN, R. de C. G. Cross-linguistic interaction in L3 production: Portuguese as a third language in a bilingual context. 2014. 94 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

STURZA, E. R. Línguas de fronteira: o desconhecido território das práticas linguísticas nas fronteiras brasileiras. Cienc. Cult., vol.57, n.2, pp. 47-50, 2005.

STURZA, E. R. Línguas de fronteiras e política de línguas: história das ideias linguísticas. 2006. 159 f. Tese (Doutorado) - Curso de Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

VILELA, L. S. Escrevendo na língua do outro: A relação da novíssima poesia brasileira com línguas estrangeiras. 2013. 85 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Literatura, Cultura e Contemporaneidade, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

WEBER, A. F. A circulação do português e do espanhol na fronteira: O global e o local no espaço entre-línguas. Raído, Dourado, MS, v. 5, n. 9, p. 217-229, jan./jun. 2011.

Downloads

Publicado

30/04/2019

Como Citar

BARBOSA, I. V.; PISETTA, C. B. T. Projeto escola intercultural bilíngue de fronteira: uma metanálise das concepções de bilinguismo e educação bilíngue. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 5, n. 1, p. 162–177, 2019. DOI: 10.29051/el.v5i1.12792. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/12792. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Temático / Thematic dossier