A inserção da língua inglesa no currículo das séries iniciais das escolas brasileiras

Autores

  • Luiz Fernando Scaglion Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília - SP
  • Luciana Aparecida de Araújo Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília - SP http://orcid.org/0000-0003-1147-5039
  • Claudia Regina Mosca Giroto Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília - SP http://orcid.org/0000-0001-6267-8085

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v5i2.12890

Palavras-chave:

Língua Inglesa, Currículo, Séries Iniciais.

Resumo

O aprendizado da língua inglesa não deve ser reservado a uma pequena parcela da sociedade, mas precisa ser um direito assegurado a todos pelo Estado, considerando a ampliação das possibilidades de comunicação e trabalho. Frente à relevância dessa temática, o presente estudo objetivou analisar os estudos que discutem a inserção da língua inglesa no currículo das séries iniciais do Ensino Fundamental, no período de 1996 a 2018, disponíveis na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD). Foi possível concluir que, desde 1808 até o século XX, o inglês tem sido um idioma elitizado, já que politicamente não era considerado necessário à formação de trabalhadores. Embora mudanças educacionais garantam, atualmente, o ensino dessa língua nas escolas públicas, há evidências da necessidade de maiores investimentos em educação e na formação de professores para a garantia de acesso e ensino de qualidade desse idioma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Scaglion, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília - SP

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC).

Luciana Aparecida de Araújo, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília - SP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e do Departamento de Didática, Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Doutora em Educação.

Claudia Regina Mosca Giroto, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília - SP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e do Departamento de Educação Especial (DEE), Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar (PPGEE), Faculdade de Ciências e Letras (FCLAr). Doutora em Educação.

Referências

ANDRADE, Ezequias Felix de. O ensino de língua inglesa em escolas públicas: um diálogo possível. 2015. 70f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

BRASIL. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Congresso Nacional. Brasília, DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 25 jul. 2018.

BRASIL. 1996. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e Quarto Ciclos do Ensino Fundamental: Língua Estrangeira. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_estrangeira.pdf. Acesso em: 19 jun. 2019.

BRASIL. 1997. Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 19 jun. 2019.

BRASIL. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/base-nacional-comum-curricular-bncc. Acesso em: 19 jun. 2019.

BRZEZINSKI, Iria (Org.). LDB dez anos depois: reinterpretação sob diversos olhares. São Paulo: Cortez, 2008.

CARVALHO, Valceli Ferreira de. A Língua Inglesa no Ensino Básico: processo de identificação no contexto de uma escola pública. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos e Literários), Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo- SP, 2010.

CORREA, Edith Santos. A política de formação de professores de língua inglesa e os desafios da prática cotidiana na escola pública. Tese (Doutorado em Sociedade e Cultura) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, 2018.

COSTA, Rinaldo Vitor da. Pode ser em inglês? Não. Em português primeiro. Ensino de língua inglesa para crianças em contextos emergentes no país: um estudo de caso. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada): Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2007.

COSTA, Mirley Tereza Correia da. Políticas Linguísticas: o ensino de línguas estrangeiras em escolas públicas do estado do Amazonas. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, 2014.

COVINO, Liliana. Os parâmetros curriculares nacionais e o ensino de língua inglesa: sintonia entre teoria e prática. 2006. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2006.

EMILIO, Rejane Maria. Ensino de língua inglesa no ensino fundamental: aproximação às representações sociais de professores sobre o componente curricular. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Católica de Santos, Santos, SP, 2008.

FERREIRA, Cleia Simone; SANTOS, Everton Neves. Políticas Públicas Educacionais: apontamentos sobre o direito social da qualidade na educação. Revista LABOR, n. 11, v. 1, 2014.

FONSECA, Ana Lúcia Simões Borges. A imposição do inglês como política linguística: na contramão do plurilinguismo. Tese (Doutorado em Educação)Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão-SE, 2018.

JUCÁ, Leina Claudia Viana. Das histórias que nos habitam: por uma formação de professores de inglês para o Brasil. 2017. 268f. Tese (Doutorado em estudos Linguísticos), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

LIMA, Roberto de Souza. Os PCN-LE e a prática docente: realidade ou utopia. Dissertação. (Mestrado em Linguística Aplicada). Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

MACIEL, Ruberval Franco. Negociando e construindo conhecimentos e práticas locais: a formação de professores de língua inglesa e os documentos oficiais. 2013. 183f. Tese (Doutorado em estudos Linguísticos), Universidade de, São Paulo, São Paulo, 2013.

MENEGAZZO, Maria Alice. Os PCNEM e PCN₊ de língua estrangeira: sugestões aplicáveis, Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem), Universidade Estadual de Londrina, Londrina-PR, 2006.

MIRANDA, Nilva Conceição. Ensino de língua inglesa no Brasil, políticas educacionais e a formação do sujeito da educação básica. 2015. 112f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

NASCIMENTO, Laudo Natel do. A formação do professor de língua inglesa e a legislação: o caso do curso de letras – habilitação português-inglês da UFS. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, SE, 2010.

OLIVEIRA, Cleiton de. A pesquisa sobre municipalização do ensino: algumas tendências. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; ROSAR, Maria de Fátima. Politica e gestão da educação. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 78-91.

OLIVEIRA, Ênio de. Políticas de Ensino de Línguas Estrangeiras em Escolas Públicas do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.

OLIVEIRA, Luiz Eduardo. A instituição das línguas vivas no Brasil: o caso da Língua Inglesa (1809-1890). Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Histórica, Política e Sociedade. São Paulo, 2006.

OLIVEIRA, Pauliana Duarte. O imaginário do aluno sobre a língua inglesa na constituição de sua subjetividade. Dissertação (Mestrado em Linguística) Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2006.

PUCCI, Renata Helena Pin. O ensino da língua inglesa na escola pública: um olhar para os sentidos construídos por seus professores acerca de onde, para quem, porque e como ensinam. 2017. 145f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2017.

ROCHA, Claudia Hilsdorf. Provisões para ensinar LE no ensino fundamental de 1ª a 4ª séries: dos Parâmetros oficiais e objetivos dos agentes. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada), Universidade Estadual de Campina, Campinas-SP, 2006.

ROCHA, Luana Franco. O ensino de língua estrangeira em Niterói: Um Olhar Político-Linguístico. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, 2016.

SANTOS, Isadora Maria Falbot dos. O ensino de língua inglesa em duas escolas pública de Cuiabá: com a palavra, as professoras. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem), Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá-MT, 2014.

SANTOS, Andressa Cristiane. Proposta curricular do Estado de São Paulo: a relação entre as crenças e a prática de dois professores de inglês. 2015. 164f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos), Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2015.

SANTOS, Elaine Maria. Entre a tradição e a inovação: professores e compêndios de inglês do século XIX. 2017. 325f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Sergipe, São Cristóvão, 2017.

SECATTO, Mariana Guedes. Políticas Linguísticas e as representações da prática docente no ensino fundamental I: língua inglesa. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem). IEL/UNICAMP, Campinas, 2016.

SOUZA, Sérgio Augusto Freire de. O movimento dos sentidos sobre línguas estrangeiras no Brasil: discurso, história e educação. Tese (Doutorado em Linguística). IEL/Unicamp, Campinas, SP, 2005.

SOUSA, Renata Maria Rodrigues Quirino. Professores de Inglês da Escola Pública: investigações sobre suas identidades numa rede de conflitos. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

TOMASEL, Soraia. “To be or not to be”: A produção da docência de Língua Inglesa em documentos legais, Dissertação (Mestrado em educação), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo-RS, 2017.

VIDOTTI, Joselita Júnia Viegas. Políticas linguísticas para o ensino de língua estrangeira no brasil do século XIX, com ênfase na língua inglesa. 2012. 245f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

VINCENTIN, Karina Aparecida. Inglês nos anos iniciais do Ensino Fundamental Público: de representaçoes de professores a políticas linguisticas. 2013. 149f. Dissertação (Mestrado em Linguistica Aplicada), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

Publicado

01/10/2019

Como Citar

SCAGLION, L. F.; ARAÚJO, L. A. de; GIROTO, C. R. M. A inserção da língua inglesa no currículo das séries iniciais das escolas brasileiras. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 5, n. 2, p. 359–377, 2019. DOI: 10.29051/el.v5i2.12890. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/12890. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)