Ensino inclusivo de língua inglesa

Narrativas (auto) biográficas de professores de escolas públicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v10i00.19245

Palavras-chave:

Inclusão, Ensino de Língua Inglesa, Educação Especial, Escola Pública

Resumo

Este texto tematiza o ensino inclusivo de língua inglesa. Apresenta uma pesquisa que objetivou pensar, por meio de narrativas (auto) biográficas de docentes, práticas pedagógicas de língua inglesa desenvolvidas com alunos com deficiência de escolas públicas do Município de Caraúbas (RN). O estudo fez uso da abordagem qualitativa e se encorou na pesquisa (auto) biográfica. Como sujeitos da pesquisa, participaram dois docentes que ensinam língua inglesa nos anos finais do Ensino Fundamental em duas escolas públicas do referido município. Como técnica para a produção dos dados, utilizou-se de entrevistas reflexivas, creditando as narrativas (auto) biográficas dos docentes. Concluiu-se, entre outros aspectos, que o ensino inclusivo de língua inglesa não se faz de modo desarticulado do trabalho na escola como um todo. É preciso haver o diálogo e ações colaborativas na instituição e em sala de aula para a promoção da inclusão dos estudantes com deficiência na educação escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Mirelle de Souza Paiva, Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer do Rio Grande do Norte

Mestra em Ensino. Professora na rede estadual de Educação Básica.

Simone Maria da Rocha, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutora em Educação. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino (Posensino/UFERSA).

Emerson Augusto de Medeiros, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutor em Educação. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino (Posensino/UFERSA).

Referências

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Bras. Educ., [S. l.], n. 19, p. 20-28, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 jul. 2023.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quartociclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Edital CAPES 06/2018 que dispõe sobre a Residência Pedagógica. Brasília, DF, 2018. Disponível em: https://www.capes.gov.br/imagens/stories/download/editais/01032018-Edital6- 2018-Residencia-pedagogica.pdf. Acesso em: 08 jan. 2024.

CASTRO, H. V. Educação especial e inclusão social de pessoas com deficiência na escola: um olhar histórico-social. Revista HISTEDBR On-line, [S. l.], v. 11. N. 2, p. 1-14, 2009. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8661085. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8661085. Acesso em: 08 jan. 2024.

CELCE-MURCIA, M. Teaching English as a Second or Foreign Language. Boston: Heinle & Heinle-Thomson, 2001.

CORDEIRO, F. N. F.; ROCHA, S. M.; SILVA, F. V. Na escuta de vozes formativas: impactos do PIBID na formação de professores de história a partir de narrativas (auto)biográficas. Interfaces da Educação, [S. l.], v. 12, n. 34, p. 844–868, 2021. DOI: 10.26514/inter.v12i34.5159. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/5159. Acesso em: 15 jul. 2023.

DELORY-MOMBERGER, C. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal, RN: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24. ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1996.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

KUPSKE, F. F. Língua inglesa como terceira língua: considerações sobre o ensino de línguas estrangeiras para estudantes surdos na educação básica brasileira. Dialogia, [S. l.], n. 28, p. 109-120, 2018. DOI: 10.5585/dialogia.N28.6722. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/dialogia/article/view/6722. Acesso em: 15 jul. 2023.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 9. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/NGFTXWNtTvxYtCQHCJFyhsJ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 jul. 2023.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar– O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Editora Moderna, 2003.

MAZZOTTA, M. J. S.; SOUSA, S. M. Z. L. Inclusão Escolar e Educação Especial: considerações sobre a política educacional brasileira. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 5, n. 9, p. 96-108, 2000. DOI: 10.11606/issn.1981-1624.v5i9p96-108. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/60917. Acesso em: 15 jul. 2023.

MEDEIROS, E. A.; DIAS, A. M. I.; OLINDA, E. M. B. Formação inicial de professores da educação básica no Brasil: uma leitura histórica e político-legal. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 11, p. e020006, 2020. DOI: 10.22294/eduper/ppge/ufv.v11i.8893. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/8893. Acesso em: 15 jul. 2023.

MEDEIROS, E. A.; FORTUNATO, I.; ARAÚJO, O. H. A. A escola na atualidade – ensaio a partir de Paulo Freire e Alexander Neill. Ensino em Re-Vista, [S. l.], v. 29, n. Contínua, p. e052, 2022. DOI: 10.14393/ER-v29a2022-52. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/67370. Acesso em: 15 jul. 2023.

MOZER, T. A.; DRAGO, R.; DIAS, I. R. O Ensino da Língua Inglesa para alunos com deficiência intelectual: uma investigação literária. ARTEFACTUM - Revista de Estudos em Linguagens e Tecnologia, [S. l.], v. 20, n. 1, 2021. Disponível em: http://artefactum.rafrom.com.br/index.php/artefactum/article/view/2032. Acesso em: 15 jul. 2023.

OLIVEIRA, L. A. Métodos de Ensino de Inglês: teorias, práticas e ideologias. São Paulo: Parábola, 2014.

RAJAGOPALAN, K. O inglês como língua internacional na prática docente. In: LIMA, D. C. (org.). Ensino-aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, p. 39-46.

RAJAGOPALAN, K. O professor de línguas e a suma importância do seu entrosamento na política linguística do seu país. In: CORREA, D. A. (org.). Política linguística e ensino de língua. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014, p. 73-82.

ROPOLI, E. A.; MANTOAN, M. T. E.; SANTOS, M. T. D. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar: a escola comum inclusiva. Brasília, DF: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Especial, 2010.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 12. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O Trabalho Docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Trad. de João Batista Kreuch. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

VILAÇA, M. L. C. Métodos de ensino de línguas estrangeiras: fundamentos, críticas e ecletismo. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, Rio de Janeiro, v. 7, n. 26, p. 73-88, 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/Ingles/marcio.pdf. Acesso em: 15 jul. 2023.

Publicado

23/04/2024

Como Citar

PAIVA, L. M. de S.; ROCHA, S. M. da; MEDEIROS, E. A. de. Ensino inclusivo de língua inglesa: Narrativas (auto) biográficas de professores de escolas públicas. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 10, n. 00, p. e024003, 2024. DOI: 10.29051/el.v10i00.19245. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/19245. Acesso em: 19 jun. 2024.