Inglês para fins acadêmicos e o ensino a distância: pontos de contato e problemáticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v6i2.13499

Palavras-chave:

Ensino de língua inglesa, Inglês para fins acadêmicos, Ensino a distância.

Resumo

O objetivo deste artigo é tecer algumas considerações e reflexões a respeito do senso de plausibilidade do professor, especificamente para fins acadêmicos, num contexto de aulas em ambiente online síncrono. Para tanto, primeiramente discorreremos acerca do conceito do senso de plausibilidade. Em segundo lugar, abordaremos a temática do ensino e aprendizagem de línguas que utilizam ferramentas e/ou plataformas online, bem como a definição do conceito de EAD (ensino a distância), além de discutir a respeito da definição da noção de IFA (Inglês para Fins Acadêmicos). Posteriormente, focalizaremos questões envolvendo relatos de experiências de cursos de IFA em ambiente EAD. E por fim, faremos considerações com vistas a apontar possíveis problemáticas e encaminhamentos no que diz respeito à abordagem do ensino de inglês para fins acadêmicos em contextos EAD

Biografia do Autor

Ana Helena Dotti Campanatti, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa.

Tamiris Destro Costa, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa. Bolsista CNPq.

Sandra Mari Kaneko-Marques, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Docente no Departamento de Letras Modernas. Doutorado em Estudos Linguísticos (UNESP).

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas, SP: Pontes, 1993.

CAMPOS-GONELLA, C.O. A influência do material didático na motivação de aprendizes da língua inglesa em contexto de ensino público. 2007. 192 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007

DA SILVA, V. F; ESTARNECK E. S. Motivação no ensino de língua inglesa: uma experiência de observação em uma escola pública. Revista Semioses, Rio de Janeiro. v. 01. n. 07, ago. 2010. Disponível em: http://apl.unisuam.edu.br/semioses/pdf/n7/n7_art_06.pdf. Acesso em: 30 jun. 2018.

DE CHAZAL, E. English for academic purposes. Oxford handbooks for language teachers. London: Oxford University Press, 2014.

DUDLEY-EVANS, T. Genre Analysis and ESP. ELR Journal, Birmingham (Reino Unido), n. 1, 1987.

DUQUEVIZ, B. C. Tecnologias digitais: sentidos atribuídos por adolescentes à aprendizagem de Língua Estrangeira. Orientadora: Regina Lucia Sucupira Pedroza. 2017. xiii, 139 f. Tese (Doutorado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/23598. Acesso em: 30 jun. 2018.

GOMES, M. J. E-learning: reflexões em torno do conceito. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/2896/1/06MariaGomes.pdf. Acesso em: 02 de out. de 2018.

HARKER, M.; KOUTSANTONI, D. Can it be as effective? Distance versus blended learning in a web-based EAP programme. ReCALL, v. 17, n. 02, p. 197-216, 2005.

HUTCHINSON, T.; WATERS, A. English for specific purposes. A learning-centred approach. Cambridge University Press, 1987.

KUMARAVADIVELU, B. Beyond methods: macrostrategies for language teaching. New Heaven, CT and London: Yale University Press, 2003.

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and principle language teaching. New York: Oxford University press, 2013.

LEFFA, V. J. Ensino de línguas: passado, presente e futuro. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 389-411, jul./dez., 2012.

MILL, D. (org.) Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação à distância. Campinas, SP: Papirus, 2018. p. 198-214.

PRABHU, N. S. Second language pedagogy. Oxford: Oxford University Press, 1987.

PRABHU, N. S. There is no best method – Why? TESOL Quarterly, v. 24, p. 161–172, 1990.

PRABHU, N. S. Ideação e ideologia na pedagogia das línguas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 38, p. 59-67, 2001.

PESSÔA, A. R.; DUQUEVIZ, B. C. Professores de Línguas Estrangeiras e o uso de TICs. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE LINGUÍSTICA APLICADA, 9., 2012, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, jul. 2011.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the horizon, MCB University Press, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

SILVA, P. C. D.; SHITSUKA, R.; MORAIS, G. R. Estratégias de Ensino/Aprendizagem em Ambientes Virtuais: Estudo Comparativo do Ensino de Língua Estrangeira no Sistema EaD e Presencial. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância (RBAAD) –ABED, v. 12, p. 12-25, 2013. Disponível em: http://www.abed.org.br/revistacientifica/_Brazilian/2013/1A_Artigo_Rbaad_Portugues_2ed.pdf Acesso em: 10 out. 2018.

XAVIER A. C. Letramento digital e ensino. 2002. Disponível em http://www.nehte.com.br/artigos/Letramento-Digital-Xavier.pdf Acesso em: 10 out. 2018.

Publicado

26/08/2020

Edição

Seção

Artigos