Ingresso no ensino fundamental aos seis anos? O que dizem as crianças e seus pais

Autores

  • Caroline Raniro
  • Flávia Roberta Velasco Campos

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10823

Palavras-chave:

Perspectiva bioecológica. Crianças de seis anos. Ensino fundamental de nove anos.

Resumo

Partindo da aprovação da Lei nº 11.114, sancionada em 16/05/2005, que estabeleceu que crianças de seis anos fossem então matriculadas no ensino fundamental e da Lei nº 11.274, sancionada em 06/02/2006 que amplia a duração do ensino fundamental para nove anos e considerando que família e escola são os contextos mais relevantes da vida de uma criança, esse artigo tem por objetivo divulgar parte dos resultados de um estudo que se ocupou também em verificar como pais e crianças concebem o processo de inserção no ensino fundamental aos seis anos de idade. O estudo, de caráter qualitativo, se fundamenta na abordagem bioecológica de desenvolvimento humano de Bronfenbrenner (1996), cuja ênfase está na interconexão entre vários níveis do sistema ecológico. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com quinze crianças e seus pais, para apreender as percepções dos sujeitos envolvidos com o ingresso no ensino fundamental. Os locais das entrevistas foram uma escola de esfera municipal de uma cidade do interior paulista para crianças e a própria residência para a maioria dos pais. A coleta de dados revelou que pais e crianças em sua maioria concordam com a inserção no ensino fundamental aos seis anos de idade. Todos pareceram habituados ao novo modelo e satisfeitos com resultados prévios que este já pôde oferecer. Os alunos pareceram manter um relacionamento satisfatório na escola, estão motivados, interessados e desejam ler e escrever – expectativa que vai ao encontro do que afirmam pais - e embora às vezes as crianças apresentem cansaço, elas valorizam e têm clareza da importância do processo de ensino-aprendizagem. Frequentar a educação infantil parece ter contribuído para a adaptação no ensino fundamental. O contexto familiar revela pais que valorizam e se interessam pela escolarização dos filhos, procurando acompanhá-los, mesmo quando o ambiente familiar é atingido por situações adversas. Os resultados obtidos certamente contribuirão para a Educação Escolar, principalmente porque ainda são poucos os estudos que consideraram o primeiro ano do ensino fundamental de nove anos, possibilitando a manifestação dos principais envolvidos nele, as crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, M. Mudanças na educação – nova lei altera o ingresso e a permanência no Ensino Fundamental. Revista do professor, Porto Alegre, n.87, p.42-43, jul./set. 2006.

BATISTA, A. A. G. Ensino fundamental de nove anos: um importante passo à frente. Boletim UFMG, Belo Horizonte, v.32, n.1522, mar. 2006. Disponível em: http://www.ufmg.br/boletim/bol1522/segunda.shtml. Acesso em: 25 dez. 2008.

BIASOLI-ALVES, Z. M. M. A pesquisa psicológica – análise de métodos e estratégias na construção de um conhecimento que se pretende científico. In: ROMANELLI, G. (Org.). Diálogos metodológicos sobre prática de pesquisa. Ribeirão Preto: Legis Summa, 1998. p.135-157.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: passo a passo do processo de implantação. 2.ed. Brasília, 2009.

BRASIL. Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 6 fev. 2006a.

BRASIL. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade (+ 1 ano é fundamental). Brasília: FNDE: Estação Gráfica, 2006b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ampliação do ensino fundamental para nove anos – 3º Relatório. Brasília, 2006c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/relatorio_internet.pdf. Acesso em: 10 out. 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações gerais. Brasília, 2004.

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: ARTMED, 2011.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: ARTMED, 1996.

COLELLO, S. M. G. Educação e intervenção escolar. Revista Internacional d’humanitats, Barcelona, v.4, p.47-56, 2003. Disponível em: http://www.hottopos.com/rih4/silvia.htm. Acesso em: 23 jul. 2007.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 9 jul. 2010.

FEIJÓ, P. C. B. Ampliação do ensino fundamental para nove anos de duração e a matricula aos seis anos de idade: aspectos administrativos, jurídicos e práticos. Jus Navigandi, Teresina, v.11, n.1250, 3 dez. 2006. Disponível em: http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=9238. Acesso em: 27 out. 2007.

FERNANDES, F. C. Política de ampliação do ensino fundamental para nove anos: pela inclusão das crianças de seis anos de idade na educação obrigatória. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/chagas_ensfundnovanos.pdf. Acesso em: 25 dez.2008.

FERREIRA, M. de C. T. As tarefas de desenvolvimento da meninice e a transição para o ensino fundamental. 2005. Tese (Doutorado em Ciências, Área: Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

KOLLER, S. H. (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

LOLLATO, S. O. Família e escola: vivências e concepções de pais, professores e crianças de primeira série do ensino fundamental. 2000. 125f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) - Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2000.

MARANGON, C. O direito de aprender. Revista Nova Escola, São Paulo, v.22, n.208, dez. 2007. Disponível em: http://acervo.novaescola.org.br/politicas-publicas/legislacao/direito-aprender-425381.shtml. Acesso em: 05 dez. 2016.

MARTINS, L. M.; ARCE, A. (Org.). A educação infantil e o ensino fundamental de nove anos. In: MARTINS, L. M.; ARCE, A. Quem tem medo de ensinar na Educação Infantil. Campinas: Alínea, 2007. p.37-62.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. O modelo bioecológico do desenvolvimento humano. In: KOLLER, S. H. (Org.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p.55-69.

RANIRO, C. Um retrato do primeiro ano do ensino fundamental: o que revelam crianças, pais e professoras. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2009.

ROSSETI-FERREIRA, M.; VITORIA, T.; GOULARDINS, L. Quando a criança começa a freqüentar a creche ou pré-escola. In: ROSSETI-FERREIRA, M. et al. (Org.). Os fazeres na educação infantil. São Paulo: Cortez, 1998. p.43-47.

SANTOS, K. C. dos. Autonomia da criança: transição da educação infantil para o ensino fundamental, conforme as prescrições oficiais. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Pontifíca Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

Downloads

Publicado

01/01/2017

Como Citar

RANIRO, C.; CAMPOS, F. R. V. Ingresso no ensino fundamental aos seis anos? O que dizem as crianças e seus pais. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 1, p. 84–106, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10823. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10823. Acesso em: 28 jun. 2022.

Edição

Seção

Edição Temática