Ansiedade e depressão na universidade: contribuições da Terapia Comunitária Integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16iesp.1.14309

Palavras-chave:

Terapias complementares, Universidade, Ansiedade, Depressão.

Resumo

Este artigo avalia os níveis de ansiedade e depressão dos estudantes de graduação e pós-graduação de universidade pública no sul do país antes e após participação em Terapia Comunitária Integrativa. Utilizamos a pesquisa experimental, com desenho pré/pós-teste com intervenção da Terapia Comunitária Integrativa, desenvolvida em 2018/2019, com uso da Escala de “Hospital Anxiety and Depression” e análise realizada por programa estatístico R Core Team e Teste de Wilcoxon. Pode-se observar diminuição estatisticamente significativa dos escores de provável ansiedade e depressão em aproximadamente 30% dos estudantes da graduação como para pós-graduação, o que traz o potencial da terapia comunitária integrativa para manejo destas patologias além de promover a saúde, autoconhecimento, fortalecimento de vínculos. A Terapia Comunitária Integrativa diminuiu os níveis de ansiedade e de depressão nos estudantes. Desse modo, pode ser considerada, uma ferramenta importante para auxílio ao cuidado de saúde no ambiente estudantil universitário.

Biografia do Autor

Jucelei Pascoal Boaretto, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Coordenadora das Práticas Integrativas e Complementares do Município de Londrina.

Milene Zanoni da Silva, Universidade Federal do Paraná (UFR), Curitiba – PR

Professora Adjunta II do Departamento de Saúde Coletiva. Doutorado em Saúde Coletiva (UEL).

Eleine Aparecida Penha Martins, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina – PR

Professora Associada do Departamento de Enfermagem e docente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Doutorado em Enfermagem Fundamental (EERP-USP).

Referências

ALMEIDA, J. S. P. A saúde mental global, a depressão, a ansiedade e os comportamentos de risco nos estudantes do ensino superior: estudo de prevalência e correlação. Orientador: Ricardo Gusmão. 2015. 236 f. Tese (Doutorado em Ciências da Vida) – Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.11/2939. Acesso em: 07 ago. 2020.

ARAÚJO, C. L.; BRESSAM, V. R. Ações de promoção à saúde, atenção psicossocial e educacional como práticas de integração universitária. In: Congresos CLABES, 7., 2017, Córdoba. Anais [...]. Córdoba, Argentina: Universidad Nacional de Córdoba, 2017. p. 1-8.

BARRETO, A. P. Terapia Comunitária: passo a passo. 3. ed. Revista e ampliada. Fortaleza: Gráfica LCR, 408 p., 2008.

BARRETO, A. P.; BARRETO, M. R. Guia para a prática em Terapia Comunitária Sistêmica Integrativa. Fortaleza: Gráfica LCR, 152 p., 2010.

BOARETTO, J. P.; MARTINS, E. A. P. Avaliação da efetividade do uso da terapia comunitária e integrativa na saúde pública/Evaluation of the effectiveness of the use of community and integrative therapy in public health. Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 4, p. 3385-3392, 2019.

BORINE, R. C. C. et al. Relação entre a qualidade de vida e o estresse em acadêmicos da área da saúde. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 100-118, 2015.

BOTEGA, N. J. et al. Transtornos do humor em enfermaria de clínica médica e validação de escala de medida (HAD) de ansiedade e depressão. Revista de Saúde Pública, v. 29, p. 359-363, 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 56 p., 2018a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. 1. reimp. Brasília: Ministério da Saúde, 96p., 2018b.

CASTRO, M. M. C. et al. Validade da escala hospitalar de ansiedade e depressão em pacientes com dor crônica. Revista Brasileira de Anestesiologia, v. 56, n. 5, jul./ago. 2006.

CASTRO, V. R. Reflexões sobre a saúde mental do estudante universitário: estudo empírico com estudantes de uma instituição pública de ensino superior. Revista Gestão em Foco-Edição, p. 380-481, 2017.

CRUZ, P. L. B. et al. Transtorno mental comum entre estudantes de enfermagem e fatores envolvidos. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, v. 9, 2019.

FARO, A. Análise fatorial confirmatória e normatização da Hospital Anxiety and Depression Scale (HADS). Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 31, n. 3, p. 349-353, jul./set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.phpS0102-37722015000300349. Acesso em: 21 out. 2019.

FERREIRA NETO, J. L. Pesquisa e metodologia em Michel Foucault. Psic.: Teor. e Pesq. [online], v. 31, n. 3, p. 411-420, 2015. ISSN 0102-3772. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722015000300411&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 08 ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-377220150321914100420

GOESSLER, K. Bioestatística: específico PPGENF. Londrina: SAUSTAT, 2018.

JATAI, J. M.; SILVA, L. M. S. Enfermagem e a implantação da Terapia Comunitária Integrativa na Estratégia Saúde da Família: relato de experiência. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 65, n. 4, p. 691-695, jul./ago. 2012.

LANTYER, A. S. et al. Ansiedade e qualidade de vida entre estudantes universitários ingressantes: avaliação e intervenção. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, v. 18, n. 2, p. 4-19, 2016.

LEÃO, A. M. et al. Prevalência e Fatores Associados à Depressão e Ansiedade entre Estudantes Universitários da Área da Saúde de um Grande Centro Urbano do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 42, n. 4, p. 55-65, 2018.

MEDEIROS, P. P.; BITTENCOURT, F. O. Fatores associados à Ansiedade em Estudantes de uma Faculdade Particular. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v.10, n. 33, jan. 2017. Disponível em: http://idonline.emnuvens.com.br//id. Acesso em: 07 ago. 2020.

MESSETTI, A. V. L. Estatística Descritiva. Londrina: UEL, 2018.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Depression and other common mental disordes: global health estimates. Geneva: OMS, 2017.

PETERMANN, F. Hospital anxiety and depression scale, deutsche version (HADS-D). Zeitschrift für Psychiatrie, Psychologie und Psychotherapie, 2015.

SILVA, D. S. D. et al. Depressão e risco de suicídio entre profissionais de Enfermagem: revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, n. 6, p. 1023-1031, 2015.

SOUSA, I. M. C. et al. Custo-efetividade em práticas integrativas e complementares: diferentes paradigmas. Journal of Management & Primary Health Care, v. 8, n. 2, p. 343-350, 2017. ISSN 2179-6750.

SOUZA, D. C. et al. Condições emocionais de estudantes universitários: estresse, depressão, ansiedade, solidão e suporte social. 2017. 90 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2017.

SVOBODA, W. K. et al. A utilização da Terapia Comunitária Integrativa (TCI) em comunidades acadêmicas de duas universidades brasileiras como tecnologia social leve para melhoria das relações interpessoais e organizacionais. Convención Internacional de Salud. Cuba Salud, 2018.

TEROL-CANTERO, M. C.; CABRERA-PERONA, V. Hospital Anxiety and Depression Scale (HADS) review in Spanish Samples. Anales de Psicología, v. 31, n. 2, p. 494, 2015.

WAGNER, G. A. Tratamento de depressão no idoso além do cloridrato de fluoxetina. Rev Saúde Pública, v. 49, n. 20, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v49/pt_0034-8910-rsp-S0034-89102015049005835.pdf. Acesso em 08 ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005835

ZIGMOND, A. S.; SNAITH, R. P. A escala de ansiedade e depressão do hospital. Acta psychiatrica scandinavica, v. 67, n. 6, p. 361-370, 1983.

Publicado

21/10/2020