O cenário da Terapia Comunitária Integrativa no Brasil: história, panorama e perspectivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16iesp.1.14316

Palavras-chave:

Terapias complementares, Saúde mental, Terapia comunitária integrativa, Sistema Único De Saúde, Apoio social.

Resumo

Este manuscrito, em forma de ensaio, é uma contribuição para a sistematização de informações e reflexões acerca do cenário da terapia comunitária integrativa no Brasil, desde a sua origem nos anos 80 até os dias atuais, apresentando sua trajetória, conquistas, desafios e perspectivas no que tange o cenário atual sociopolítico e de saúde. O objetivo é contextualizar historicamente a TCI no Brasil, com foco no cenário da TCI, em sua epistemologia, modus operandi e formação, sua relação com os determinantes sociais, perspectivas como Prática Integrativa e Complementar em Saúde inserida no sistema público de saúde brasileiro e repercussões de sua implementação no momento do COVID-19. Trata-se de um estudo de natureza teórico-conceitual, por meio da análise bibliográfica e da experiência empírica dos autores com o tema, sendo que Adalberto de Paula Barreto é o criador da TCI e as(os) autoras(es) são pesquisadora (es), terapeutas comunitárias(os), profissionais da saúde, docentes e membros da Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM).

Biografia do Autor

Milene Zanoni da Silva, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Professora do Departamento de Saúde Coletiva. Doutorado em Saúde Coletiva (UEL). Vice-presidente da Associação Brasileira de Terapia Comunitária (ABRATECOM). Membro Titular do Pólo Formador de Terapia Comunitária Integrativa – Shanti Instituto.

Adalberto de Paula Barreto, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza – CE

Professor Emérito (UFC) e Professor Convidado da Haute École de Travail Social et de la Santé (EESP/Suiça). Doutorado em Psiquiatria (URD/França). Presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria Social (Apsbra) e Criador da metodologia da Terapia Comunitária Integrativa.

Josefa Emilia Lopes Ruiz, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Psicóloga da Unidade Auxiliar do Centro de Pesquisas da Infância e da Adolescência (CENPE). Graduada no curso de Psicologia (USP). Presidente da Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM).

Silvana Philippi Camboim, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Professora Adjunta. Doutora em Ciências Geodésicas (UFPR). Chair da Comissão de Tecnologias OpenSource da Associação Cartográfica Internacional.

Rolando Lazarte, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa – PB

Professor Aposentado e Terapeuta Comunitário. Doutorado em Sociologia (USP). Membro do Movimento Integrado de Saúde Mental Comunitária da Paraíba (MISC-PB).

Maria de Oliveira Ferreira Filha, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa – PB

Docente no Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Terapeuta Comunitária. Doutora em Enfermagem (UFC).

Referências

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

ANDRADE, L. O. et al. The public health system and community therapy. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BARRETO, A. P. Terapia comunitária: passo a passo. 4. ed. Fortaleza: LCR, 2010.

BARRETO, A. P. Quando a boca cala os órgãos fala: desvendando as mensagens dos sintomas. Fortaleza: LCR, 2014.

BARRETO, A. P. et al. Integrative community therapy in the time of the new coronavirus pandemic in Brazil and Latin America. World Soc Psychiatry, v. 2, p. 103-105, 2020.

BRANDEN, N. O poder da auto-estima. São Paulo: Sarava. 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, 2005. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf. Acesso em: 29 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 92 p., 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 849, de 27 de março de 2017. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0849_28_03_2017.html. Acesso em: 29 jul. 2020.

CEZÁRIO, P. F. O. et al. Integrative Community Therapy and its Benefits for Primary Care: an Integrative Review. International Archives of Medicine, v. 8, n. 267, p. 1-9, 2015.

CORRÊA, R. S. Uma análise estratégica do processo de implementação da rede de atenção em saúde mental no município de Santa Terezinha de ITAIPU: as Rodas de Terapia Comunitária Integrativa como um instrumento de Educação Permanente em Saúde. 2015. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde) – Escola de Saúde Pública do Paraná/Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/FIOCRUZ, Curitiba, 2015.

FERREIRA FILHA, M. O.; LAZARTE, R.; DIAS, M. D. Terapia Comunitária Integrativa: uma construção coletiva do conhecimento. João Pessoa: Editora UFPB, 2013.

FERREIRA FILHA, M. O.; LAZARTE, R.; DIAS, M. D. Terapia Comunitária Integrativa e a pesquisa/ação: estudos avaliativos. João Pessoa: Editora UFPB, 2019.

KOCHANN, A. A extensão universitária no Brasil: compreendendo sua historicidade. In: Semana de Integração, 6., 2017, Inhumas. Anais [...]. Inhumas, GO: UEG, p. 546-557, 2017.

MENDONÇA, M. E. Abordagem comunitária: terapia comunitária. In: MENDONÇA, M. E.; GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012.

MISMEC-CE. Movimento Integrado Saúde Mental Comunitária. Comunidade que cuida. Portfólio Projeto 4 varas. Fortaleza, CE. 2020.

NASCIMENTO, M. C. et al. Formação em práticas integrativas e complementares em saúde: desafios para as universidades públicas. Trabalho, Educação e Saúde, v. 16, n. 2, p. 751-772, 2018.

REIS, M. L. A. Quando me encontrei voei: o significado da capacitação em Terapia Comunitária Integrativa. Porto Alegre: CAIFCOM Editora, 2017.

ROGERS, C. R.; KINGET, M. Psicoterapia e relações humanas. Teoria e prática da terapia não diretiva. 2. ed. Belo Horizonte: Interlivros, 1977.

SILVA, M. Z. et al. Práticas integrativas impactam positivamente na saúde psicoemocional de mulheres? Estudo de intervenção da terapia comunitária integrativa no sul do Brasil. Cad. N aturol. Terap. Complem, v. 7, n. 12, p. 33-42, 2018.

SISRODAS. Sistema de Registro de Rodas de Terapia Comunitária Integrativa: banco de dados. Organizado por Instituto Acreditar e Compartilhar Terapias Integrativas e Complementares Ltda. Disponível em: http://www.acreditarecompartilhar.com.br/rodas/login. Acesso em: 31 jul. 2020.

TESSER, C. D.; SOUSA, I. M. C. de; NASCIMENTO, M. C. do. Práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde brasileira. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 174-188, set. 2018.

WATZLAWICK, P.; BEAVIN, J. H.; JACKSON, D. D. Pragmática da Comunicação humana. São Paulo: Cultrix, 1973.

Publicado

21/10/2020