O valor da Terapia Comunitária Integrativa (TCI) no Brasil e no mundo: possibilidades, impactos e perspectivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16iesp.1.14303

Resumo

Esse dossiê tem a honra de divulgar reflexões, saberes e conhecimentos acadêmicos, sobre a Terapia Comunitária Integrativa no Brasil e no exterior. Seu criador Prof. D.r Adalberto de Paula Barreto, de Fortaleza-CE, psiquiatra, antropólogo e teólogo sensibilizado pelas Dores da Alma, preocupado com a medicalização excessiva sem muitas mudanças e crente na força da comunidade, cria uma metodologia particular com estrutura simples e profunda, fortalecedora de vínculos afetivos e promotora do alivio de sofrimentos, onde inclui bases teóricas do pensamento sistêmico, da antropologia cultural, da teoria da comunicação humana, da pedagogia de Paulo Freire, da resiliência, dos elementos culturais e o saber popular. A TCI é genuinamente brasileira, considerada uma abordagem psicossocial avançada pelo Ministério da Saúde, uma prática terapêutica coletiva que envolve os membros da comunidade numa atividade de construção de redes sociais solidárias, construção de vínculos e promoção de qualidade de vida.

Biografia do Autor

Anamélia Lins e Silva Franco, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador – BA

Professora Associada I do Instituto de Humanidades Artes e Ciências Professor Milton Santos. Doutorado em Saúde Coletiva (UFBA).

Milene Zanoni da Silva, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba – PR

Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Doutorado em Saúde Coletiva (UEL). Membro da Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM).

Josefa Emilia Lopez Ruiz, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Psicóloga da Unidade Auxiliar do Centro de Pesquisas da Infância e da Adolescência (CENPE). Graduada no curso de Psicologia (USP). Membro da Associação Brasileira de Terapia Comunitária Integrativa (ABRATECOM).

Morgana Murcia, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Fonoaudióloga no Centro de Pesquisas da Infância e da Adolescência – CENPE/UNESP. Especialista em Psicopedagogia (UNICEP).

Taisa Borges De Souza, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Psicólogo da Universidade Estadual Paulista. Especialização em Terapia Familiar e de Casais (PUC/SP). Membro de corpo editorial da Revista Temas em Educação e Saúde.

Luci Regina Muzzeti, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Professora Livre Docente do Departamento de Didática. Doutorado em Educação (UFSCAR).

Referências

AUGUSTO, A. Introdução ao pensamento integrativo em medicina. In: BARRETO, A. L. (Org). Práticas integrativas em saúde: proposições teóricas e experiências na saúde e educação. Recife: Editora UFPE, 2014. p. 61-82.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

LUZ, M. T.; BARROS, N. F. (Orgs). Racionalidades médicas e práticas integrativas em saúde. Estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: CEPESC, IMS, UERJ, ABRASCO, 2012. 452 p.

NASCIMENTO, M. C. do et al. A categoria racionalidade médica e uma nova epistemologia em saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 12, p. 3595-3604, dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v18n12/a16v18n12.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

SAGAN, C. Secretaria de Educação. Departamento de Educação e Trabalho. O pálido ponto azul. Curitiba: Secretaria de Educação, 2017. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/formacao_acao/2semestre2017/fa2017_sustentabilidade_DET_anexo1.pdf3. Acesso em: 20 jul. 2020.

Publicado

21/10/2020