Gênero e sexualidade nas músicas de funk

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v17i00.13646

Palavras-chave:

Gênero, Sexualidade, Práticas pedagógicas, Música

Resumo

Este trabalho foi desenvolvido como projeto dentro do componente curricular de Ciências da Natureza, no tema “Vida e Evolução” e analisou a questão do gênero e da sexualidade presente na maioria das letras musicais brasileiras de funk, da década de 2010, dos anos de 2017 e 2018. Esse ritmo musical traz alusões estereotipadas de gênero e sexualidade, retratando a figura da mulher como objeto de prazer e com representatividade social inferior ao homem. O trabalho envolveu duas turmas de oitavo ano de uma escola do interior paulista, no conteúdo de Processos Reprodutivos e Sexualidade. As questões de gênero e sexualidade aparecem no currículo do estado de São Paulo como tema transversal nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), intitulados como Orientação Sexual. Ao término do trabalho, observamos que as práticas pedagógicas utilizadas no contexto escolar pouco abordam essas questões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreza Olivieri Lopes Carmignolli, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Doutoranda em Educação Escolar.

Luci Regina Muzzeti, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Livre Docente em Sociologia do Departamento de Didática e Professora de Educação Escolar. Doutorado em Educação (UFSCAR).

Laís Inês Sanseverinato Micheleti, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestranda em Educação Escolar, pesquisa CAPES.

Maria Fernanda Celli de Oliveira, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Doutoranda em Educação Escolar.

Referências

BOURDIEU, P. A Escola Conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: BOURDIEU, P. Escritos da Educação. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 41-79.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP; Porto Alegre: Zouk, 2007. p. 444-447.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. 3. ed. Brasília, 1997.

CARMIGNOLLI, A. O. L. A influência dos capitais cultural, social e econômico no sucesso da trajetória escolar. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2019.

LEBARON, F. Capital. In: CATANI, A. M.; NOGUEIRA, M. A.; HEY, A. P.; MEDEIROS, C. de. (org.). Vocabulário Bourdieu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017. p. 101-103.

LIMA, B. A.; ZUCCO, L. P. Representações de gênero em letras de música juvenil – estudo do caso "paquitas new generation". Prisma.com (Portugal), n. 11, p. 103-119, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/64142. Acesso em: 21 maio 2021.

PATRICK, J. A. Transformações no funk carioca (1980-2017). 2019. Dissertação (Mestrado em Música), Escola de Música e Artes Cênicas, Faculdade Federal de Góias, Góias, 2019.

QUINO, J. S. L. Toda Mafalda, Corpus periférico. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

SÃO PAULO. Secretaria de Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas tecnologias. São Paulo, 2010.

SOUSA, I. S. Paródia e gênero no ensino fundamental II: discutindo imagens da mulher a partir da retextualização de letras de funk. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras – PROFLETRAS) – Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras, 2016.

Publicado

28/06/2021

Como Citar

CARMIGNOLLI, A. O. L.; MUZZETI, L. R.; MICHELETI, L. I. S.; OLIVEIRA, M. F. C. de. Gênero e sexualidade nas músicas de funk. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 17, n. 00, p. e021009, 2021. DOI: 10.26673/tes.v17i00.13646. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/13646. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

Relatos de Experiência