Currículo e questões de gênero uma relação de poder em meio escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/rtes.v14.n1.2018.9606

Palavras-chave:

Currículo, Poder, Desigualdade, Educação Sexual.

Resumo

Este artigo traz reflexões relacionadas aos mecanismos de poder presentes nas práticas escolares e o alcance ideológico em transmitir conteúdos excludentes como, por exemplo, as constituições de gênero. Pensa-se o poder na seleção de determinados conteúdos vistos como importantes e necessários e a razão de alguns conteúdos não serem considerados relevantes no processo de ensino e aprendizagem. Pensa-se a esfera do discurso na perspectiva de a escola atuar como espaço democrático, buscando a equidade, porém acaba por sancionar as desigualdades originárias pela situação social dos agentes. A Educação Sexual coloca-se como tabu social, não encontrando campo favorável para sua adoção pela escola, ganhando muitas vezes um espaço velado no qual os professores colaboram para a reprodução do silêncio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane de Assis Lucifora, Universidade Estadual Paulista

Pedagoga formada pela Universidade Federal de São Carlos, com curso de aprefeiçoamento em Educação Sexual e diversidade na escola pela UFSCar

Cristiane - Mestre em Educação Sexual pela UNESP de Araraquara

Professora de Educação Infantil na rede municipal de ensino da cidade de São Carlos SP

 

Fábio Tadeu Reina, Uniara

Professor Doutor  (Ciências da Saúde e Mestrado em Processos de ensino, gestão e inovação)

Referências

APPLE, M. W. Repensando ideologia e currículo. In: MOREIRA A. F.; SILVA, T. T. (ORG). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1995. p 39-58.

APPLE, M. W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a idéia de um currículo nacional?. In: APPLE, M. W. Política cultural e educação. São Paulo: Cortez, 2001. p. 53-78.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. CANDAU, V. M.; MOREIRA, F. M. (ORG). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 13-66.

CALLAI, C.; SERPA, A. Avaliação no cotidiano escolar. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 2, p. 393-402, 2012.

FREITAS, L. C. A internalização da Exclusão. Educação & Sociedade, v. 23, n. 80, p. 299-325, 2002.

FURLANI, J. Educação Sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

GOELLNER, S. V. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Cadernos de Formação RBCE, v. 1,n. 2, p. 71-83, 2010.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MACEDO, E. A Cultura e a Escola. In: MISKOLCI, R. (ORG). Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2010. p. 11-44.

MCLAREN, P. Multiculturalismo Crítico (Trad. Bebel Orofino Schaefer). São Paulo: Cortez, 1997.

NOGUEIRA, M. A.; NOGUEIRA, C. Um arbitrário cultural dominante. Revista Educação: Bourdieu Pensa a Educação, p. 36-45, 2010.

SACRISTÁN, J. G. O que significa o currículo?. In: SACRISTÁN, J. G. Saberes e Incertezas Sobre o Currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35.

Downloads

Publicado

16/01/2018

Como Citar

LUCIFORA, C. de A.; REINA, F. T. Currículo e questões de gênero uma relação de poder em meio escolar. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 14, n. 1, p. 5–15, 2018. DOI: 10.26673/rtes.v14.n1.2018.9606. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/9606. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Área da Educação