Intervenção com famílias cujos filhos são surdocegos

Autores

  • Fatima Ali A. A. Cader-Nascimento Centro Universitário de Distrito Federal (UDF), Brasília - DF
  • Maria Piedade Resende da Costa

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10816

Palavras-chave:

Educação especial. Surdocegueira. Comunicação. Mediação.

Resumo

A família é o agente mediador primário entre o indivíduo e as demais unidades da sociedade. Sofre interferência nos casos da presença de uma alteração no desenvolvimento do filho. O presente estudo teve como objetivo implementar e avaliar um programa de intervenção que fornecesse oportunidades crescentes de desenvolvimento de  novas competências nos pais, em relação às possibilidades e as técnicas de comunicação mais viáveis com suas filhas surdocegas.  Participaram duas famílias que possuem filhas surdocegas (identificadas como 9F e 7F), pré-lingüísticas, ambas com surdez profunda bilateral associadas à baixa visão monocular. A coleta de dados ocorreu 106 encontros com as famílias, distribuídos em formas de atividades distintas: avaliação inicial, reuniões, aulas abertas, troca de informações, visitas às residências e avaliação final. O aspecto mais destacado pelas famílias foram o desenvolvimento e ampliação dos recursos de comunicação. Este fato promoveu mudanças positivas e importantes no comportamento das filhas. Provavelmente, o progresso e as conquistas obtidas pelos participantes só se tornaram viáveis em função dos contatos constantes estabelecidos entre a escola e o contexto familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação. Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

CADER-NASCIMENTO, F. A. A. A.; COSTA, M. P. R. da. Descobrindo a surdocegueira: Educação e Comunicação. São Carlos: Ed. da UFSCar, 2007.

CHACON, M. C. M. Deficiência mental e integração social: o papel mediador da mãe. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.3, n.5, p.87-96, 1999.

MIRA, M.; HOFFAMAN, S. Educational programing for multihandicapped deaf-blind children. Exceptional Children, Reston, v.40, n.7, p.513-514, 1974.

MURDOCH, H. The development of infants who are deaf-blind: a case study. Journal of Visual Impairment & Blindness, New York, v.88, n.4, p.357-367, 1994.

REGEN, M.; ARDORE, M.; HOFFMANN, V. M. B. Mães e filhos especiais: relato de experiência com grupos de mães de crianças com deficiência. Brasília: CORDE, 1993.

TELFORD, C. W.; SAWREY, J. M. O indivíduo excepcional. 5.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

WATKINS, S. et al. The effectiveness of an intervener model of services for young deaf-blind children. American Annals of Deaf, Washington, v.139, n.4, p.404-409, 1991.

Downloads

Publicado

01/01/2017

Como Citar

CADER-NASCIMENTO, F. A. A. A.; COSTA, M. P. R. da. Intervenção com famílias cujos filhos são surdocegos. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 1, p. 20–32, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10816. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10816. Acesso em: 24 maio. 2022.