Relação das famílias com a escolaridade e sucesso escolar: comparação entre famílias de origem cabo-verdiana, origem indiana e autóctones

Autores

  • Teresa Seabra Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) - Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10827

Palavras-chave:

Família-escola. Sucesso Escolar. Ensino básico.

Resumo

A explicação para a desigualdade dos desempenhos escolares dada pelos profissionais da educação vem frequentemente associada à amplitude do apoio familiar à escolarização dos descendentes. Com o intuito de explorarmos esta relação analisam-se resultados de parte de um inquérito por questionário aplicado junto de crianças do 5º e 6º ano de escolaridade, onde foi possível identificar a trajectória escolar de cada aluno e as representações e práticas dos seus progenitores na relação com a escola. Trata-se de um total de 837 alunos distribuídos por 8 escolas dos concelhos de Lisboa e Loures, com diferentes origens nacionais. Compara-se a informação para os alunos autóctones, para os que têm origem cabo-verdiana e os que têm origem indiana. Concluímos que o apoio familiar à escolaridade (índice construído com base na ida às reuniões escolares, no controlo que exercem sobre os trabalhos de casa, no apoio prestado nas dificuldades e, ainda, no diálogo sobre a vida escolar) contribui para o desempenho escolar e que as duas variáveis variam numa relação directa. Contudo, esse apoio não constitui, de modo algum, uma condição suficiente ao êxito ou fracasso escolares, dado não ser pertinente concluir pelo efeito decisivo das práticas de apoio familiar à escolaridade sobre os resultados que os alunos obtêm na escola. Verificou-se, ainda, existir uma relação mais forte com os resultados obtidos quando se trata dos alunos de origem cabo-verdiana e mais frágil com são os de origem indiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Teresa Seabra, Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) - Lisboa

Departamento de Sociologia

Referências

BENAVENTE, A. et al. Do outro lado da escola. Lisboa: IED, 1987.

BERTHELOT, J.-M. Le piège scolaire. Paris: PUF, 1983.

CHARLOT, B. Pour le savoir, contre na statégie. In: DUBET, F. (Org.). École, familles - le malentendu. Paris: Ed. Textuel, 1997. p.59-77.

DIOGO, A. M. Estratégias de famílias e e escolas: composição social e efeitos escola. In: DAYRELL, J. et al. (Org.). Família, escola e juventude: olhares cruzados Brasil-Portugal. Belo Horizonte : Ed. da UFMG, 2012. p.172-194.

DIOGO, A. M. Investimento das famílias na escola: dinâmicas familiares e contexto escolar local. Lisboa: Celta, 2008.

DIOGO, A. M. Famílias e escolaridade: representações parentais da escolaridade, classe social e dinâmica familiar. Lisboa: Colibri, 1998.

DON, D. As escolas e as famílias em Portugal: realidade e perspectivas. Lisboa: Livros Horizonte, 1987.

DUBET, F. École, familles - le malentendu. In: DUBET, F. (Org.). École, familles - le malentendu. Paris : Ed. Textuel, 1997. p.11-41.

FERHAT, L. O.; TERRAIL, J. P. Mobilisations et démobilisationa. In: TERRAIL, J. P. (Org.). L´école en France: crise, pratiques, perspectives. Paris: La Dispute, 2005.

HENRIOT-VAN, Z. L´école et l´espace local. Lyon: Press Universitaires de Lyon, 1990.

KELLERHALS, J.; MONTANDON, C. Les stratégies éducatives des familles: milieu social, dynamique familiale et l´éducation des pré-adolescents. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé, 1991.

KELLERHALS, J.; TROUTOT, P. Y. Milieu social et types de familles: une approche interactive. Annales de Vaucresson, Paris, v.26, p.91-108, 1987.

LAHIRE, B. Tableaux de familles: heurs et malheurs scolaires en milieux populaires. Paris: Gallimard-Le Seuil, 1995.

MONTANDON, C. Les relations des parents avec l´ecole. Lien Social et Potitiques – RIAC, Quebec, v.35, p.63-73, 1996.

MONTANDON, C. L´articulation entre les familles et l´école: sens commun et regard sociologique. In: VINCENT, G. (Org.). L´éducation prisonnière de la forme scolaire? Lyon: PUL, 1994. p.149-171.

QUEIROZ, J.-M. Les familles et l´école. In: SINGLY, F. (Org.). La famille: l´état des savoirs. Paris: La Découverte, 1991. p.201-210.

SANTIAGO, R. A escola representada pelos alunos, pais e professores. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1996.

SEABRA, T. Adaptação e adversidade: o desempenho escolar dos alunos de origem indiana e cabo-verdiana no ensino básico. Lisboa: ICS-UL, 2010.

SEABRA, T. Educação nas famílias: etnicidade e classes sociais. Lisboa: IIE, 1999.

SEBASTIÃO, J. Democratização do ensino, desigualdades sociais e trajectórias escolares. Lisboa: FCG/FCT, 2009.

SINGLY, F. La mobilisation familiale pour le capital scolaire. In: DUBET, F. (Org.). École, familles: le malentendu. Paris: Ed. Textuel, 1997. p.45-58.

VIEIRA, M. M. Educar herdeiros: práticas educativas da classe dominante lisboeta nas últimas décadas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

Downloads

Publicado

01/01/2017

Como Citar

SEABRA, T. Relação das famílias com a escolaridade e sucesso escolar: comparação entre famílias de origem cabo-verdiana, origem indiana e autóctones. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 1, p. 163–180, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10827. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10827. Acesso em: 3 jul. 2022.

Edição

Seção

Edição Temática