Relação entre o perfil socioeconômico e o padrão de uso de álcool e maconha de estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v23i00.16214

Palavras-chave:

Epidemiologia, Educação de Jovens e Adultos, Estudantes, Álcool, Maconha

Resumo

Objetiva-se discutir o perfil socioeconômico de estudantes da EJA em Florianópolis em sua relação com o padrão de uso de álcool e maconha. Delineamento epidemiológico e transversal, com 364 participantes, uso de estatísticas descritivas e inferenciais. O padrão de consumo apresentado no último ano e mês de álcool (73,9% e 59,3%) e de maconha (39% e 31,9%) foi significativamente maior do que os dados disponíveis de outras pesquisas sobre estudantes brasileiros, como do CEBRID e do IBGE. Entre os estudantes, a dimensão da faixa etária foi a que apresentou diferenças mais significativas, quando os de 15-17 anos tiveram índices mais elevados de consumo de substâncias do que os mais velhos, refletindo a questão da juvenilização da EJA. O histórico de vulneração dos estudantes da EJA, que chegam a esta modalidade com várias experiências de exclusão escolar e social é uma das principais condições para este uso elevado de substâncias psicoativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline da Costa Soeiro, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC – Brasil

Pós-Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia.

Douglas Garcia, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC – Brasil

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia.

Daniela Ribeiro Schneider, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC – Brasil

Professora Titular do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Pós-doutorado em Ciências da Prevenção (Saúde Pública) (MSGM/Miami).

Referências

ARROYO, M. G. Educação de jovens-adultos: Um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A. G. C.; GOMES, N. L. (org.). Diálogos na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa - ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo: CCEB, 2018. Disponível em: https://www.abep.org/criterio-brasil. Acesso em: 15 jun. 2018.

BASTOS, F. et al. III Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira. Rio de Janeiro: ICICT, Fiocruz, 2017. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/34614. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 15 mar. 2020.

BRASIL. As cartas da promoção em saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf. Acesso em: 15 mar 2020.

CARLINI, E. A. et al. I Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: Estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país: 2001. São Paulo: CEBRID; UNIFESP, 2002. Disponível em: https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2012/10/I-Levantamento-Domiciliar-sobre-o-Uso-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-no-Brasil-2001.pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.

CARLINI, E. A. et al. VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras – 2010. São Paulo: CEBRID; UNIFESP 2010. Disponível em: https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2012/10/VI-Levantamento-Nacional-sobre-o-Consumo-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-entre-Estudantes-do-Ensino-Fundamental-e-M%C3%A9dio-das-Redes-P%C3%BAblica-e-Privada-de-Ensino-nas-27-Capitais-Brasileiras.pdf. Acesso em: 28 abr. 2021.

CARRANO, P. C. Educação de Jovens e Adultos e Juventude: O desafio de compreender os sentidos da presença dos jovens na escola da “segunda chance”. Revista de Educação de Jovens e Adultos, n. 0, p. 1-11, 2007. Disponível em http://www.emdialogo.uff.br/sites/default/files/educacao_de_jovens_e_adultos_e_juventude_-_carrano.pdf. Acesso em: 24 mar. 2020.

CARRANO, P. C. et al. Trajetórias truncadas, trabalho e futuro: Jovens fora de série na escola pública de ensino médio I. Educação e Pesquisa [online], v. 41, n. esp., p. 1439-1454, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/P9xX7fLyt8MSgL4VmcGK4ft/?lang=pt. Acesso em: 6 dez. 2021.

FRIEDRICH, M. et al. Trajetória da escolarização de jovens e adultos no Brasil: de plataformas de governo a propostas pedagógicas esvaziadas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 18, n. 67, p. 389-410, jun. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/VCpG4Tr5KBvNkfdXj5ShtZG/?lang=pt. Acesso em: 17 jun. 2021.

GALDURÓZ, J. C. et al. V Levantamento nacional sobre o uso de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino nas 27 capitais brasileiras. São Paulo: CEBRID; UNIFESP, 2004. Disponível em: https://www.cebrid.com.br/wp-content/uploads/2004/04/V-Levantamento-Nacional-sobre-o-Consumo-de-Drogas-Psicotr%C3%B3picas-entre-Estudantes-do-Ensino-Fundamental-e-M%C3%A9dio-da-Rede-P%C3%BAblica-de-Ensino-nas-27-Capitais-Brasileiras-2004.pdf. Acesso em: 15 mar. 2021.

HADDAD, S.; DI PIERO, M. C. Escolarização de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Educação, v. 14, p. 108-130, maio/ago. 2000. Disponível em https://www.scielo.br/j/rbedu/a/YK8DJk85m4BrKJqzHTGm8zD/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 16 jun. 2021.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/LhNLNH6YJB5HVJ6vnGpLgHz/abstract/?lang=pt. Acesso: 16 jun. 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 15 out. 2020.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE): 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97870.pdf. Acesso em: 06 abr. 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE): 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101852.pdf. Acesso em: 28 dez. 2021.

Instituto Comunitário Grande Florianópolis - ICOM. População negra trabalha mais e ganha menos que a branca em Florianópolis. Florianópolis: ICOM, 2019. Disponível em: https://www.icomfloripa.org.br/populacao-negra-trabalha-mais-e-ganha-menos-que-a-branca-em-florianopolis/. Acesso em: 05 fev. 2021.

LAFFIN, M. E. et al. A oferta para a Educação de Jovens e Adultos em Santa Catarina: Seus processos e políticas públicas. Relatório de pesquisa. 2015. Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Educação, Florianópolis, 2015. Disponível em: https://epejaufsc.paginas.ufsc.br/files/2020/03/A-oferta-para-a-Educa%C3%A7%C3%A3o-de-Jovens-e-Adultos-em-Santa-Catarina.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

MELLO, M. Culturas e identidades juvenis: Na EJA de quem é mesmo o bagulho? Websmed, 2009. Disponível em: https://websmed.portoalegre.rs.gov.br/escolas/emilio/autoria/artigos2009/artigo-marco-2009.pdf. Acesso em: 21 mar. 2020.

PASSOS, J. C.; SANTOS, C. S. A. Educação das relações étnico-raciais na EJA: Entre as potencialidades e os desafios da prática pedagógica. Educação em Revista, v. 34, e192251, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/dsQgRT7Lzd7zM84DtrgB6jv/?lang=pt. Acesso em: 30 fev. 2021.

PRADO, M. C. et al. Transcultural Adaptation of Questionnaire to Evaluate Drug Use Among Students: The Use of the EU-Dap European Questionnaire in Brazil. Substance Use & Misuse, v. 51, p. 1-10, 2016. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.3109/10826084.2015.1117108. Acesso em: 30 jul. 2020.

RAUPP, L.; SCHNEIDER, D. R. Educação de jovens e adultos e problemas relacionados ao uso de drogas: Análise de necessidades psicossociais junto aos núcleos de Florianópolis/SC. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, v. 9, n. 24, p. 204-229, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69606. Acesso em: 21 mar. 2020.

REIBNITZ, C. S.; MELO, A. C. S. Pesquisa como princípio educativo: Uma metodologia de trabalho para a Educação de Jovens e Adultos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 29, n. 111, p. 484-502, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/yb4j3Sn68RMHj5RB6XgDPgL/?lang=pt. Acesso em: 27 dez. 2021.

RODRIGUES, G. O futuro como horizonte de possibilidades: Criação do modelo lógico de um programa de promoção de saúde para a Educação de Jovens e Adultos. 2020. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/221985. Acesso em: 29 set. 2022.

RUMMERT, S. M. A educação de jovens e adultos trabalhadores: O "novo" que reitera antiga destituição de direitos. Sísifo, Revista de Ciências da Educação, v. 2, p. 35-50, 2007. Disponível em: http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/50. Acesso em: 10 jun. 2021.

SANCHEZ, Z. M. et al. The #Tamojunto Drug Prevention Program in Brazilian Schools: A Randomized Controlled Trial. Prevention Science, v. 18, p. 772–782, mar. 2017. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11121-017-0770-8. Acesso em: 10 jun. 2021.

SCHNEIDER, D. R. et al. Intervenção e pesquisa em promoção de saúde na EJA: Desafio do uso de metodologias emancipatórias. In: OLIVEIRA, A. C. Bases Conceituais da Saúde. 1. ed. Ponta Grossa, PR: Atena Editora, 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/331596763_INTERVENCAO_E_PESQUISA_EM_PROMOCAO_DE_SAUDE_NA_EJADESAFIO_DO_USO_DE_METODOLOGIAS_EMANCIPATORIAS. Acesso em: 21 mar. 2020.

SOTERO, M. Vulnerabilidade e vulneração: População de rua, uma questão ética. Rev. Bioética, v. 19, n. 3, p. 799-817, 2011. Disponível em: http://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/677/709. Acesso em: 25 jun. 2020.

SOUZA FILHO, A. A.; CASSOL, A. P.; AMORIM, A. Juvenilização da EJA e as implicações no processo de escolarização. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 29, n. 112, p. 718-737, jul./set. 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/4b8tWfCRNXmBxCt8CzC3chQ/?lang=pt. Acesso em: 27 dez. 2021.

VARGAS, L. S. et al. Determinantes do consumo de tabaco por estudantes. Revista de Saúde Pública, v. 51, n. 1, p. 1-9, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=67249591041. Acesso em: 23 mar. 2021.

Publicado

30/11/2022

Como Citar

SOEIRO, A. da C.; GARCIA, D.; SCHNEIDER, D. R. Relação entre o perfil socioeconômico e o padrão de uso de álcool e maconha de estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA). DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022009, 2022. DOI: 10.30715/doxa.v23i00.16214. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/16214. Acesso em: 28 jan. 2023.