Ensinar e aprender inglês e a descentralização do falante nativo

Autores

  • Flávius Almeida dos Anjos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (CECULT), Santo Amaro da Purificação, Bahia https://orcid.org/0000-0001-9918-7693

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v5i1.12603

Palavras-chave:

Ensinar, Aprender, Língua inglesa, Falante, Descentralização.

Resumo

Este artigo é uma breve reflexão sobre o ensino e a aprendizagem da língua inglesa. Destaca a presença e a relevância de se aprender esse idioma hoje, para participar de diversas ações que são engendradas através dessa língua. À luz da Linguística Aplicada, coloca em xeque a figura mítica do falante nativo e sugere a sua descentralização no contexto de aprendizagem da língua inglesa, com o intuito de legitimar os novos falantes desse idioma global. Para aquecer a reflexão, toma-se como base a noção do status de língua franca global que o inglês alcança na contemporaneidade, e, desse modo, para uma melhor implementação desse processo, este artigo discute questões fundamentais, tais como identidade, ideologia, falante nativo e não nativo. A reflexão converge para o fato de que é preciso romper com os padrões hegemônicos, porque essa abordagem está ultrapassada, e aprender a ensinar um inglês mais local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávius Almeida dos Anjos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (CECULT), Santo Amaro da Purificação, Bahia

Mestre em Língua e Cultura (UFBA)

Doutor em Língua e Cultura (UFBA)

Professor Adjunto de língua inglesa, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Referências

ANJOS, F. A. Desestrangeirizar a língua inglesa: um esboço da política linguística. Cruz das Almas: EdUFRB, 2019.

BARCELOS, A. M. F. Finding my own voice and accent. 1995. Disponível em: https://old.hltmag.co.uk/jun08/sart03.rtf. Acesso em: 31 de agosto 2019.

BERNAT, E. Towards a pedagogy of empowerment: The case of 'impostor syndrome'. Elted, vol. 11, p. 1-8, 2009.

COGO, A. English as a lingua franca: concepts, use, and implications. ELT Journal. Vol. 66/1, p. 97-105, 2012.

CRYSTAL, D. English as a global language. USA: Cambridge Universi¬ty Press, 2a ed. 2012.

FAIRCLOUGH, N. Language and Power. England: Longman Group, 1998.

JENKINS, J. English as a lingua franca: attitude and identity. Oxford, UK: Oxford University Press, 2007.

JENKINS, J. English as a lingua franca: interpretations and attitudes. World Englishes, v. 28, p. 200-207, 2009.

JENKINS, J. English as a língua franca from the classroom to the classroom. ELT Journal, p. 486-494, 2012.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica. Linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parabola, 2003.

Downloads

Publicado

30/04/2019

Como Citar

DOS ANJOS, F. A. Ensinar e aprender inglês e a descentralização do falante nativo. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 5, n. 1, p. 51–62, 2019. DOI: 10.29051/el.v5i1.12603. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/12603. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos