Ensino de língua estrangeira: os métodos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v6i2.13072

Palavras-chave:

Ensino de Línguas Estrangeiras, Métodos, Pós-método.

Resumo

As metodologias de ensino de línguas mudaram/se aperfeiçoaram ao longo dos anos para atender às necessidades de professores e alunos em sala de aula. Objetivamos, neste artigo, apresentar a evolução do ensino de línguas estrangeiras, através de uma descrição das metodologias de ensino de línguas ao longo do tempo. Descrevemos os princípios subjacentes a algumas metodologias, o papel do professor e do aluno e como a avaliação da aprendizagem é realizada. Autores como Richards e Rodgers (1991), Almeida Filho (1999), Silva (2004), Pérez (2007), entre outros, foram os estudiosos nos quais nos baseamos para realizar tal estudo. Concluimos que os métodos devem ser tomados como um ponto de referência pelo professor, e devem ser adaptados de acordo com a situação ou contexto particular em que vivem. Assim, o professor utilizará as metodologias que reflitam seus princípios, reduzindo a distância entre a teoria desenvolvida pelos estudiosos da língua e a prática docente.

Biografia do Autor

Milena Meira Ramos dos Santos, Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED), Madrid

Doutoranda em Filologia: Estudos Linguísticos e Literários.

Referências

ALAS-MARTINS, S. A intercompreensão de línguas românicas: proposta propulsora de uma educação plurilíngue. Revista Moara, Belém, n. 42, p. 117-126, jul./dez. 2014.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, 1999.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Linguística aplicada - Ensino de Línguas e Comunicação. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores e ArteLingua, 2007.

BOURGUIGNON, C. L’apprentissage des langues par l’action. L’approche actionnelle dans l’enseignement des langues: douze articles pour mieux comprendre et fair ele point. Barcelone : Maison des langues, 2009. p. 50-77.

CORACINI, M. J. R. F. Língua estrangeira e língua materna: uma questão de sujeito e identidade. Revista Letras & Letras, Uberlândia, v. 14, n. 1, jul./dez. 1997.

CORACINI, M. J. R. F. O sujeito tradutor entre a “sua” língua e a língua do outro. Cadernos de Tradução, Santa Catarina, v. 2, n. 16, p. 10-24, 2005.

DE NARDI, F. S. Um olhar discursivo sobre língua, cultura e identidade: reflexões sobre o livro didático para o ensino de espanhol como língua estrangeira. Orientadora: Maria Cristina Leandro Ferreira. 2007. Tese (Doutorado em Teorias do Texto e do Discurso) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/13114/000634253.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15 jan. 2020.

DEWEY, J. A criança e o programa escolar: vida e educação. Trad. de Anísio S. Teixeira. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

ESCUDE, P.; JANIN, P. Le point sur L’intercompréhension, clé du plurilinguisme. Paris: Clé International, DEL, 2010.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e ousadia. Trad. Adriana Lopez. 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

GALISSON, R. et al. D’ autres voies pour la didactique des langues étrangères. Paris: Hatier/Didier, 1982. (Col. LAL)

GERMAIN, C. Evolution de l’enseignement des langues: 5000 ans d’histoire. Paris: ENSF; Crédif; Hatier; Didier, 1993. (Col. LAL)

GOETTENAUER, E. Espanhol: Língua de encontros. In: SEDYCIAS, J. (org.). O ensino do espanhol no Brasil: passado, presente e futuro. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

HYMES, D. H. Vers une compétence de communication. Paris: Crédif; Hatier; Didier, 1991. (Col. LAL)

KUMARAVADIVELU, B. Towards a postmethod pedagogy. Tesol Quarterly, v. 35, n. 4, p. 537-560, 2001.

LARSEN-FREEMAN. On the appropriateness of language teaching methods in language and development. In: SHAW, J.; LUBELSKE, P.; NOULLET, M. (eds.). Partnership and interaction: proccedings of the fourth international Conference on Language and Development. Hanoi, Vietnam, Bangkok: Asian Institute of Technology, 2000.

LEFFA, V. Metodologia do ensino de línguas. In: BOHN, H. I; VANDRESEN, P. Tópicos de lingüística aplicada: o ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: EFSC, 1988. p. 211-237.

MARTINS, S. A. Ensino de Línguas Estrangeiras: História e Metodologias. Revista Internacional d’Humanitats 41, Barcelona, p. 75-88, set./dez. 2017.

MOIRAND, S. Enseigner à communiquer en langue étrangère. Paris: Hâchette, 1982.

PENNYCOOK, A. The concept of method, interested knowledge, and the politics of language teaching. Tesol Quarterly, v. 23, n. 4, p. 589-618, 1989.

PÉRES, M. J. F. O foco da gramática no ensino contemporâneo de línguas. 2007. 89 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução, Universidade de Brasília, Brasília, 2007. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/3410. Acesso em: 15 jul. 2020.

PIETRARÓIA, C. M. C.; DELLATORRE, S. K. W. O ensino do francês no Brasil. Revista Odisseia, Natal, n. 09, p. 97-124, jul./dez. 2012.

PUREN, C. Histoire des méthodologies. Paris: Nathan; Clé Internacional, 1988. (Col. Didactique des langues étrangères)

PUREN, C. Variations sul a perspective de l’agir social em didactique des langues-cultures étrangères. Le Français dans le monde: Recherches et applications, Paris: Clé International, n. 45, 2009.

RICHARDS, J. C.; RODGERS, T. S. Approaches and Methods in Language Teaching: a Discription and Analysis. 7. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

SILVA, G. A. A Era Pós-Método: novas concepções no ensino de línguas – o professor como um intelectual. Linguagem e Cidadania, Santa Maria, v. 12, 2004. Disponível em: http://www.ufsm.br/02_04/Gisvaldo.htm. Acesso em: 25 set. 2015.

SOUZA, R. E. G. Didática do plurilinguismo: efeitos da intercompreensão de línguas românicas na compreensão de textos escritos em português. 2013. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 2013.

WIDDOWSON, H. G. O ensino de línguas para a comunicação. Campinas: Pontes, 1990.

Publicado

26/08/2020

Edição

Seção

Artigos