Processos comunicativos na surdez de acordo com relatos de jovens surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v16i1.13215

Palavras-chave:

Surdez, Comunicação, Família, Aprendizagem.

Resumo

Este texto tem o objetivo de descrever como jovens surdos relataram o processo de comunicação que vivenciaram no lar e na vida escolar, com mães/professoras ouvintes. Participaram deste estudo três jovens surdos, com idade entre 18 e 30 anos, narraram suas experiências comunicativas em entrevistas gravadas em vídeo, acompanhadas por intérprete de LIBRAS. Os resultados apontaram a não aceitação da surdez no ambiente casa e escola explicitada, na percepção dos surdos, pela constante expectativa das mães e das professoras de que obtivessem melhoras da audição e no desenvolvimento da fala. Evidenciou-se que os difíceis processos comunicativos vivenciados pelos jovens surdos interferiram no desenvolvimento escolar e nas relações no lar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Augusta Ferrari Botteon, Centro Universitário Padre Albino (UNIFIPA), Catanduva – SP

Mestra pelo PPG Processos de Ensino, Gestão e Inovação na área de Educação - Universidade de Araraquara- Uniara Docente Especialista em Educação Especial pela Secretaria Estadual de Educação de São Paulo e  no Centro Universitário Padre Albino - UNIFIPA.

Maria Lucia Oliveira Suzigan Dragone, Universidade de Araraquara (UNIARA), Araraquara – SP

Doutora e Mestre em Educação Escolar - UNESP-FCLAr. Fonoaudióloga - PUCCamp. 

Docente Programa de Pós-Graduação em Processos de Ensino, Gestão e Inovação - Mestrado profissional em Educação, e nos cursos de Pedagogia presencial e EaD - UNIARA.

 

Referências

GOLDFELD, Márcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Ed. Plexus, 171p., 1997.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cadernos Cedes., v. 19. n. 46, p. 68-72, 1998.

LIEBER, Sofia Nery. Aspectos da Constituição de uma criança surda pela fala do ouvinte: entre traços e significantes. 2015. 119 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

NEVES, Regiane Timoteo das. Políticas Públicas de Inclusão de alunos com deficiência de 1994 a 2014: limites e perspectivas na inclusão de alunos surdos no município de Colombo-PR. 2016. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Tuiutí do Paraná, Paraná, 2016.

OLIVEIRA, Martha Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1997. 81p.

SILVA, Angélica Bronzatto de Paiva e; PEREIRA, Maria Cristina da Cunha. O aluno surdo na escola regular: imagem e ação do professor. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 19, n. 2, p. 173-176, 2003.

SCHIAVON, Daiane Natalia. Prática pedagógica com alunos surdos: sala de recursos e classe comum. 2012. 111 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências e Letras. Universidade Estadual Paulista, UNESP, Araraquara-SP, 2012.

SKLIAR, Carlos. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, Carlos (Org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013. p. 7-32.

TAVARES, Mércia. Os efeitos do diagnóstico nos pais da criança surda: uma análise discursiva. 2001. 278 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 169 p.

Publicado

19/06/2020

Como Citar

BOTTEON, L. A. F.; DRAGONE, M. L. O. S. Processos comunicativos na surdez de acordo com relatos de jovens surdos. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 16, n. 1, p. 51–61, 2020. DOI: 10.26673/tes.v16i1.13215. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/13215. Acesso em: 26 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos