Educação sexual e docência: as relações de gênero, a diversidade e a sexualidade dentro da escola

Autores

  • Paula Camila Argenti Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara
  • Débora Raquel da Costa Milani Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10901

Palavras-chave:

Escola. Educação sexual. Paradigmaholonômico.

Resumo

Com este artigo pretendemos: evidenciar a necessidade de considerar a educação de forma plural, não unidimensionalizando e subordinando os educandos a esquemas monolíticos e iconoclastas que geram a “educação praxeológica”. Ao contrário, observamos a imprescindibilidade da autorreflexão dos docentes e a emergência de trabalhar as relações de gênero, a diversidade e a sexualidade dentro da escola, junto à comunidade escolar, e evidenciar o enlace e o comprometimento da educação com a educação sexual. Para a realização da pesquisa utilizou-se como metodologia a hermenêutica filosófica da Escola de Grenoble (antropologia do imaginário, antropologia das organizações educativas e socioantropologia do cotidiano): leituras e grades interpretativas de análise de textos segundo as técnicas hermenêuticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Camila Argenti, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual

Débora Raquel da Costa Milani, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual

Referências

BADIA, D. D. Paradigma do imaginário e os fundamentos organizacionais da educação. Araraquara: FCLAr, 2003.

BADIA, D. D. Cultura, organização e educação: temática recorrente. Araraquara: FCLAr, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural e orientação sexual. Brasília, 1997. v.8.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Formação de educadores sexuais: adiar não é mais possível. 2.ed.rev.atual. e ampl. Londrina: EDUEL, 2014.

FREIRE, P. Educação e mudança. 22.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16.ed. Petrópolis: Vozes, 2014a.

LOURO, G. L. A construção escolar das diferenças. In: LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16.ed. Petrópolis: Vozes, 2014b. p.61-91.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: O declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

MAFFESOLI, M. Lógica da dominação. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1978.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1987.

PAULA CARVALHO, J. C. Antropologia das organizações e educação: um ensaio holonômico. Rio de Janeiro: Imago, 1990.

PAULA CARVALHO, J. C. Estrutura, organização e educação: o imaginário sócio-organizacional e as práticas educativas. In: FISCHMANN, R. (Org.). Escola brasileira: temas e estudos. São Paulo: Atlas, 1987. p.20-35.

PORTINARI, D. O discurso da homossexualidade feminina. São Paulo: Brasiliense. 1989.

TEIXEIRA, M. C. S. Antropologia, cotidiano e educação. Rio de Janeiro: Imago 1990.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

ARGENTI, P. C.; MILANI, D. R. da C. Educação sexual e docência: as relações de gênero, a diversidade e a sexualidade dentro da escola. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 2, p. 212–223, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10901. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10901. Acesso em: 20 abr. 2021.