A psicopatologização da vida contemporânea: quem faz os diagnósticos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v20.n1.2018.11309

Palavras-chave:

Psicopatologia, Sofrimento psíquico, Saúde mental, Diagnóstico.

Resumo

Este trabalho discute alguns aspectos do uso das classificações diagnósticas em saúde mental, como o modelo nosográfico vigente no CID-10 e DSM-5. Ele destaca a prática clínica, em que a padronização e a normatização do sofrimento psíquico se sobrepõem ao estudo do caso clínico. As classificações diagnósticas partem do princípio de que todos os tipos de mal-estar podem ser codificados e diagnosticados, induzindo a uma operacionalização normativa do sofrimento humano. Assim, transforma-se comportamentos e problemas inerentes à existência comum em patologias médicas e restringe-se possibilidades de produzir sentidos para certos modos de sofrimento. Conclui-se indicando a necessidade desse modelo diagnóstico reintegrar alguns elementos vivenciais à prática clínica em saúde mental, tendo em vista os riscos da crescente redução dos processos de adoecimento aos seus sintomas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josiane Cristina Bocchi, Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Campus de Bauru. Professora Assistente Doutora do Departamento de Psicologia.

Faculdade de Ciências - Universidade Estadual Paulista (UNESP) – Campus de Bauru. Professora Assistente Doutora do Departamento de Psicologia. É membro permanente do GT de Filosofia da Psicanálise da ANPOF. Tem experiência profissional em psicologia da saúde e psicoterapia psicanalítica. Dentre suas principais áreas de interesse estão psicopatologia, psicanálise e filosofia da psicanálise. Atualmente, pesquisa as relações entre sujeito, imagem e corpo

Referências

AMARANTE, P. D. C. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais – DSM-5. 5 ed. Trad. Maria Inês Corrêa Nascimento et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais: texto revisado – DSM-IV-TR. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BION, W. R. Estudos psicanalíticos revisados (Second Thoughts). Série Analytica. 3 ed Trad. Wellington M. de Melo Dantas. Rio de Janeiro: Imago, 1994. (Texto original publicado em 1967)

BLEGER, J. Psico-higiene e psicologia institucional. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

BOCCHI, J. C. A toca do coelho da semiologia psiquiátrica: o problema das classificações dentro da classificação. In: CAMPOS, E. B. V.; MOUAMMAR, C. C. E. (Orgs.) Psicanálise e questões da contemporaneidade. Curitiba: Editora CRV e Cultura Acadêmica Editora, 2014. (Coleção REVER, vol. II, Psicanálise Unesp).

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

DUNKER, C. I. L.; KYRILLOS NETO, F. Curar a Homossexualidade? A psicopatologia prática do DSM no Brasil. Rev. Mal-Estar Subj., Fortaleza, v. 10, n. 2, jun. 2010.

DUNKER, C. I. L. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, (2015).

EHRENBERG, A. O sujeito cerebral. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 187-213, 2009.

HORWITZ, A. V.; WAKEFIELD, J. C. A tristeza perdida. São Paulo: Summus, 2010.

LISPECTOR, C. A paixão segundo G. H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. (Texto original publicado em 1964).

ASSIS, M. de. O Alienista. Contos. Seleção, introdução, notas e questionários de Francisco Achcar. São Paulo: CERED – Objetivo, 1993. (Texto original publicado em 1882).

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 4 ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011. (Texto original publicado em 1945)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Classificação dos transtornos mentais e do comportamento da CID-10: descrições clínicas e critérios diagnósticos. Organização Mundial de Saúde (OMS). Porto Alegre: Artmed, 1993.

ROGERS, C. R. Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes, 1991. (Texto original publicado em 1961).

SAFATLE, V. O circuito dos afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

TEIXEIRA, M. A. R. Das neuroses de transferência às neuroses narcísicas: contribuições aos fundamentos da teoria freudiana da melancolia. 2012. 393 f. Tese (Doutorado em Psicologia). Faculdade de Ciências e Letras de Assis – UNESP – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” e à Universidade Paris Denis Diderot – Paris 7. Assis, 2012.

ZUARDI, A. W.; LOUREIRO, S. R. Semiologia psiquiátrica. Medicina, Ribeirão Preto, 29: 44-53, jan./mar. 1996.

Downloads

Publicado

16/01/2018

Como Citar

BOCCHI, J. C. A psicopatologização da vida contemporânea: quem faz os diagnósticos?. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 20, n. 1, p. 97–109, 2018. DOI: 10.30715/rbpe.v20.n1.2018.11309. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/11309. Acesso em: 23 jun. 2024.