Violência sexual contra pessoas com deficiência nos últimos 10 anos: uma revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v22i00.15335

Palavras-chave:

Violência sexual, Pessoa com deficiência, Revisão sistemática de literatura, Sexualidade, Educação

Resumo

A violência sexual direcionada a pessoas com deficiência faz parte das diversas situações de violência reportada às autoridades e atendidas por profissionais da saúde, da educação e da assistência social. Este assunto desperta interesse de pesquisadores e pesquisadoras nacionais de diversas áreas do conhecimento. O objetivo deste artigo foi investigar a produção científica brasileira dos últimos dez anos a respeito da violência sexual direcionada a pessoas com deficiência. O método utilizado foi o da revisão sistemática de literatura. A base de dados selecionada foi o portal de periódicos da Capes. Encontrou-se 26 artigos no período de 2009 e 2019. A maioria destes artigos contou com pesquisas de campo em notificações de atendimentos hospitalares oriundos de violência, sendo que poucos artigos analisaram a incidência de violência sexual contra pessoas com deficiência. Por mais que ajam significativas pesquisas na área, ainda há temáticas relativas à violência sexual contra pessoas com deficiência a ser pesquisadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Jose Gavlik Mendes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos – SP

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial do Departamento de Psicologia.

Fátima Elisabeth Denari, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), São Carlos – SP

Professora Adjunta no Departamento de Psicologia e Professora no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Doutorado em Metodologia do Ensino (UFSCAR).

Referências

ABRAÇA. Manifesto: sou autista, tenho direito ao meu próprio corpo. Associação Brasileira para Ação por Direitos das Pessoas com Autismo. 2016. Disponível em: http://abraca.autismobrasil.org/manifestocampanha2017/. Acesso em 13 set. 2019.

ASSIS, S. G. et al. Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, p. 2305-2317, 2012.

AVANCI, J. Q.; PINTO, L. W.; ASSIS, S. G. Atendimento dos casos de violência em serviços de urgência e emergência brasileiros com foco nas relações intrafamiliares e nos ciclos de vida. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2825-2840, 2017.

BASTOS, O. M.; DESLANDES, S. F. Sexualidade e deficiência intelectual: narrativas de pais de adolescentes. Physis, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 1031-1046, 2012.

BISOL, C.; SPERB, T. M. Discursos sobre a surdez: deficiência, diferença, singularidade e construção de sentido. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 26, n. 1, p. 07-13, 2010.

BRANDAO, E. R. Métodos contraceptivos reversíveis de longa duração no Sistema Único de Saúde: o debate sobre a (in)disciplina da mulher. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 875-879, 2019.

BRASIL. Lei n. 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 18769, 08 dez. 1993. PL 4100/1993.

BRASIL. Lei n. 12.015, de 7 de agosto de 2009. Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, que dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal e revoga a Lei nº 2.252, de 1º de julho de 1954, que trata de corrupção de menores. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 01, 10 ago. 2009. PL 4850/2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. 1. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010. 104 p.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Cartilha do Censo 2010. Brasília, DF: SDH-PR/SNPD; 2012.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 02, 07 jul. 2015.

CAMPOS, C. H.; SEVERI, F. C. Violência contra mulheres e a crítica jurídica feminista: breve análise da produção acadêmica brasileira. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 962-990, 2019.

CAMPOS, G. W. S. SUS: o que e como fazer? Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 1707-1714, 2018.

CARDOZO, P. S. Pessoas com deficiência e o protagonismo nos movimentos sociais. Revista de Iniciação Científica, v. 15, n. 1, p. 39-54, 2017.

CAVALCANTE, F. G.; MINAYO, M. C. S. Representações sociais sobre direitos e violência na área da deficiência. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 57-66, 2009.

CAVALCANTE, P.; RIBEIRO, B. B. O Sistema Único de Assistência Social: resultados da implementação da política nos municípios brasileiros. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 46, n. 6, p. 1459-1477, 2012.

COSTA, A. B.; ZOLTOWSKI, A. P. C. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: KOLLER, S. H., COUTO, M. C. P. P., HOHENDORFF, J. V. (org.). Manual de produção científica. Porto Alegre, RS: Penso, 2014.

EICKMANN, S. H.; EMOND, A. M.; LIMA, M. Avaliação do desenvolvimento infantil: além do neuromotor. J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre, v. 92, n. 3, supl. 1, p. 71-83, 2016.

GODINHO, C. C. P. S. et al. A violência no ambiente universitário. Rev Bras Promoç Saúde, v. 31, n. 4, p. 1-8, out./dez. 2018.

JACCOUD, L.; BICHIR, R.; MESQUITA, A. C. O SUAS na proteção social brasileira: transformações recentes e perspectivas. Novos estud. CEBRAP, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 37-53, 2017.

MALTA, D. C. et al. A ocorrência de causas externas na infância em serviços de urgência: aspectos epidemiológicos, Brasil, 2014. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 12, p. 3729-3744, 2016.

MASCARENHAS, M. D. M. et al. Violência contra a pessoa idosa: análise das notificações realizadas no setor saúde - Brasil, 2010. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, p. 2331-2341, 2012.

MELLO, A. G.; NUERNBERG, A. H. Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 635-655, 2012.

MENDES, M. J. G. DENARI, F. E. Deficiência e sexualidade: uma análise bibliométrica. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1357-1354, jul. 2019.

MINAYO, M. C. S. et al. Institucionalização do tema da violência no SUS: avanços e desafios. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 2007-2016, 2018.

MORAES, S. P.; VITALLE, M. S. S. Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência: interações ONU-Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 8, p. 2523-2531, 2015.

MOREIRA, M. C. N. et al. Violência contra crianças e adolescentes com deficiência: narrativas com conselheiros tutelares. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de janeiro, v. 19, n. 9, p. 3869-3878, 2014.

NASCIMENTO, A. F.; DESLANDES, S. F. A construção da agenda pública brasileira de enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil. Physis, Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 1171-1191, 2016.

NEVES-SILVA, P.; PRAIS, F. G.; SILVEIRA, A. M. Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho em Belo Horizonte, Brasil: cenário e perspectiva. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 8, p. 2549-2558, 2015.

NICOLAU, S. M.; SCHRAIBER, L. B.; AYRES, J. R. C. M. Mulheres com deficiência e sua dupla vulnerabilidade: contribuições para a construção da integralidade em saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 863-872, 2013.

OLIVEIRA, T. G. Feministas ressignificando o direito: desafios para aprovação da Lei Maria da Penha. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 616-650, 2017.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre a deficiência. Trad. Lexicus Serviços Lingüísticos. São Paulo, SP: OMS, The World Bank, 2011.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. World report on violence and health. Geneva: OMS, 2002.

OTTONI, A. C. V.; MAIA, A. C. B. Considerações sobre a sexualidade e educação sexual de pessoas com Transtorno do Espectro Autista. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1265-1283, jul. 2019.

PLATT, V. B. et al. Violência sexual contra crianças: autores, vítimas e consequências. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 4, p. 1019-1031, 2018.

POLANCZYK, G. et al. Violência sexual e sua prevalência em adolescentes de Porto Alegre, Brasil. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 8-14, 2003.

RATES, S. M. M. et al. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias, Brasil 2011. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 655-665, 2015.

SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista brasileira de fisioterapia, v. 11, n. 1, p. 83-89, 2007.

SANCHES, L. C. et al. Violência sexual infantil no Brasil: uma questão de saúde pública. Revista Iberoamericana de Bioética, n. 9, p. 1-13, 2019.

SILVA, M. J. F. et al. A promoção de saúde pública a grupos vulneráveis como forma de extensão universitária e compromisso social. Extensão em Foco, n. 19, 2019.

SIMÕES, J. Sobre gramáticas emocionais e violência sexual. Notas a partir de dois casos de interrupção legal de gestação realizados por mulheres com deficiência intelectual. Anuário Antropológico, v. 44, n. 1, 2019.

SOUTO, R. M. C. V. et al. Perfil epidemiológico do atendimento por violência nos serviços públicos de urgência e emergência em capitais brasileiras, Viva 2014. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2811-2823, 2017.

SOUTO, R. Q. et al. Violência sexual contra mulheres portadoras de necessidades especiais: perfil da vítima e do agressor. Cogitare Enfermagem, v. 17, n. 1, 2012.

TOMAZ, R. V. V. et al. Políticas públicas de saúde para deficientes intelectuais no Brasil: uma revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 155-172, 2016.

UNFPA. Women and young persons with disabilities: guidelines for providing rights-based and gender-responsive services to address gender-based violence and sexual and reproductive health and rights. United Nations Population Fund., nov. 2018a.

UNFPA. Young persons with disabilities: global study on ending gender -based violence, and realising sexual and reproductive health and rights. United Nations Population Fund., jul. 2018b.

VILAÇA, T. Metodologias de ensino na educação em sexualidade: desafios para a formação contínua. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 2, p. 1500-1537, jul. 2019.

VILLELA, W. V.; LAGO, T. Conquistas e desafios no atendimento das mulheres que sofreram violência sexual. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 471-475, 2007.

Publicado

01/10/2021

Como Citar

MENDES, M. J. G.; DENARI, F. E. Violência sexual contra pessoas com deficiência nos últimos 10 anos: uma revisão sistemática. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 22, n. 00, p. e021013, 2021. DOI: 10.30715/doxa.v22i00.15335. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/15335. Acesso em: 27 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)