A tomada de consciência em uma perspectiva metacognitiva

Possibilidades para a sala de aula

Autores

Palavras-chave:

Cognição, Metacognição, Monitoramento cognitivo, Educação, Aprendizagem

Resumo

Este artigo objetiva apresentar entendimentos acerca da tomada de consciência em uma perspectiva metacognitiva. Para isso, trata, inicialmente, de aspectos teóricos de cognição e de metacognição. Em seguida, discute a tomada de consciência e correlações percebidas entre ela e a metacognição para, a partir disso, apresentar um entendimento de tomada de consciência em uma perspectiva metacognitiva. Neste contexto, a tomada de consciência passa a ser definida como um processo consciente de percepção e reconhecimento que se dá enquanto o sujeito desenvolve tarefas e lida com situações que envolvem investigação, de modo que o diálogo empreendido no âmbito de grupos pode suscitar mediações que provoquem esse processo. A tomada de consciência, nesta perspectiva, tem como essência a administração, a reflexão e a avaliação das ações dos próprios sujeitos e dos fenômenos estudados por eles, de modo a potencializar suas próprias atividades cognitivas e metacognitivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maykon Jhonatan Schrenk, Escola Municipal Pedro Álvares Cabral (EMPÁC), Santa Helena – PR – Brasil

Professor dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Mestre em Educação em Ciências e Educação Matemática (UNIOESTE).

Rodolfo Eduardo Vertuan, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Toledo – PR – Brasil

Professor do Magistério Superior. Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática (UEL).

Referências

BEBER, B.; SILVA, E.; BONFIGLIO, S. Metacognição como processo da aprendizagem. Psicopedagogia, v. 31, n. 95, p. 144-151, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoped/v31n95/07.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

DOLY, A. Metacognição e mediação na escola. In: GRANGEAT, M. (coord.). A metacognição, um apoio ao trabalho dos alunos. Porto: Porto Editora, 1999.

FLAVELL, J. H. Metacognitive aspects of problem solving. In: RESNICK, L. B. (ed.). The nature of intelligence. Hillsdale, NJ: Earlbaum, 1976.

FLAVELL, J. H. Metacognition and cognitive monitoring: a new area of cognitive – developmental inquiry. American Psychologist, v. 34, n. 10, p. 906-911, 1979.

FLAVELL, J. H.; WELLMAN, H. M. Metamemory. In: KAIL, R.; HAGEN, J. W. (ed.). Perspectives on the development of memory and cognition. Hillsdale, N. J.: Erlbaum, p. 3-33, 1977.

GONZÁLEZ, F. E. Acerca de la metacognición. Paradigma, v. 14, n. 1-2, p. 109-135, 1996. Disponível em: http://revistaparadigma.online/ojs/index.php/paradigma/article/view/184/182. Acesso em: 20 dez. 2020.

GONZÁLEZ, F. E. Metacognición y aprendizaje estratégico. Revista Integra Educativa, v. 2, n. 2, p. 127-136, 2009. Disponível em: http://www.scielo.org.bo/pdf/rieiii/v2n2/n02a05.pdf. Acesso em: 25 jan. 2021.

GRANGEAT, M. A metacognição, um apoio ao trabalho dos alunos. Porto: Porto Editora, 1999.

GUIMARÃES, S. R. K.; STOLTZ, T.; BOSSE, V. R. P. Da tomada de consciência à metacognição. In: GUIMARÃES, S. R. K.; STOLTZ, T. (org.). Tomada de consciência e conhecimento metacognitivo. Curitiba: Editora UFPR, 2008.

MARINI-FILHO, R.; STOLTZ, T. Aprendizagem baseada em problemas, metacognição e tomada de consciência: reflexões sobre um estudo transversal. In: GUIMARÃES, S. R. K.; STOLTZ, T. (org.). Tomada de consciência e conhecimento metacognitivo. Curitiba: Editora UFPR, 2008.

PORTILHO, E. Como se aprende? Estratégias, estilos e metacognição. 2. ed. Rio de janeiro: Wak, 2011.

ROSA, C. T. W. A metacognição e as atividades experimentais no ensino de Física. 2011. 346 f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2011.

TOVAR-GÁLVEZ, J. C. Modelo metacognitivo como integrador de estrategias de enseñanza y estrategias de aprendizaje de las ciencias, y su relación con las competencias. Revista Iberoamericana de Educación, v. 46, n. 7, p. 1-9, 2008. Disponível em: https://rieoei.org/RIE/article/view/1916. Acesso em: 24 nov. 2020.

VERTUAN, R. E. Práticas de Monitoramento Cognitivo em Atividades de Modelagem Matemática. 2013. 247 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, 2013.

VERTUAN, R. E.; ALMEIDA, L. M. W. Práticas de monitoramento cognitivo em atividades de modelagem Matemática. Bolema, Rio Claro, v. 30, n. 56, p. 1070-1091, dez. 2016. Disponível: https://www.scielo.br/j/bolema/a/FchCbsSq9rJrf8bHJMKJqdt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 23 fev. 2021.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

YANNI-PLANTEVIN, E. Metacognição e relação com o saber. In: GRANGEAT, M. (coord.). A metacognição, um apoio ao trabalho dos alunos. Porto: Porto Editora, 1999.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

SCHRENK, M. J.; VERTUAN, R. E. A tomada de consciência em uma perspectiva metacognitiva: Possibilidades para a sala de aula. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022003, 2022. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/15795. Acesso em: 30 nov. 2022.