Psicoterapia de crianças com altas habilidades/superdotação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v23i00.15850

Palavras-chave:

Altas habilidades, Superdotação, Psicoterapia infantil

Resumo

A criança com altas habilidades/superdotação apresenta um comportamento diferenciado das demais, com desempenho elevado em áreas do conhecimento humano, sejam isoladas em um único campo ou combinadas. Por meio dessa diferenciação, são propagados mitos e esse público pode enfrentar grandes desafios e uma das possíveis estratégias de enfrentamento é esconder, negar ou até mesmo não reconhecer suas habilidades, passando a desenvolver problemas comportamentais e/ou psicológicos. Diante disso, o presente estudo objetiva investigar a atuação do psicólogo clínico junto a crianças com altas habilidades/superdotação. Trata-se de uma pesquisa empírica de abordagem qualitativa, do tipo exploratória. Participaram desta pesquisa quatro psicólogas clínicas que atendem ou atenderam crianças com altas habilidades/superdotação. Os resultados indicaram a prevalência da abordagem cognitivo-comportamental como embasamento teórico e técnico das profissionais entrevistadas e o uso frequente de técnicas como psicoeducação, treino de habilidades sociais e técnicas de relaxamento no atendimento a essas crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessyca Gracy Pereira Veloso, Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Teresina – PI – Brasil

Graduanda em Psicologia.

Patrícia Melo do Monte, Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Teresina – PI – Brasil

Professora Assistente. Doutorado em Educação.

Referências

ALENCAR, E.; FLEITH, D. Superdotados: determinantes, educação e ajustamento. São Paulo: EPU, 2001.

ALENCAR, E. O aluno com altas habilidades no contexto da educação inclusiva. Revista Movimento, n. 7, p. 61-68. 2003. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32466. Acesso em: 10 dez. 2020.

ALENCAR, E. O papel da escola na estimulação do talento criativo. In: FLEITH, D. S; ALENCAR, E. (org.). Desenvolvimento de talentos e Altas Habilidades: Orientação a pais e professores. Porto Alegre. Artmed: 2007.

AMABILE, T. Beyond talent: John Irving and the passionate craft of creativity. American Psychologist, v. 56, n. 4, p. 333-336, 2001. Disponível em: https://psycnet.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2F0003-066X.56.4.333. Acesso em: 10 fev. 2021.

AYRES, L. S. M.; BARREIRA, M. C. B. Diálogos entre a ética e a psicoterapia. In: AYRES, L. S. M. et al. Ética e Psicologia: Reflexões do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Conselho Regional de Psicologia, 2014.

BENITO, Y. Definición, pautas de identificación y educación para padres y profesores. In: BENITO, Y. (coord.). Intervención e investigación psicoeducativas en alumnos superdotados. 2. ed. Salamanca: Amarú Ediciones, 2000.

BOWLBY, J. Formação e rompimento dos laços afetivos. Tradução: Álvaro Cabral. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes. 1997.

BUNGE, E. et al. (org.). Sessões de psicoterapia com crianças e adolescentes: Erros e acertos. Novo Hamburgo, RS: Sinopsys, 2015.

CAMINHA, M.; CAMINHA, R. Princípios de psicoterapia cognitiva na infância: Prática cognitiva na infância. São Paulo: Roca. 2007.

CHAHINE. M. Psicoterapia psicanalítica com crianças. In: BERGER, A. S. S.; CHAHINE, M. A.; TINOCO, D. H. (org.). Encontros na psicologia. Londrina: EdUnifil, 2011.

COSTA-LOBO, C. et al. Potencial criativo e processos cognitivos em crianças: Da identificação precoce às intervenções futuras. Revista Diálogos Possíveis, v. 15, n. 2, p. 65-93 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/315443383_POTENCIAL_CRIATIVO_E_PROCESSOS_COGNITIVOS_EM_CRIANCAS_DA_IDENTIFICACAO_PRECOCE_AS_INTERVENCOES_FUTURAS. Acesso em: 14 abr. 2021.

DANIELS, S., PIECHOWSKI, M. Living with Intensity: Understanding the Sensitivity, Excitability, and Emotional Development of Gifted Children, Adolescents, and Adults. EJOP, v. 5, n. 1, 2009. Disponível em: https://ejop.psychopen.eu/index.php/ejop/article/view/276. Acesso em: 25 fev. 2021.

DAVIS, G.; RIMM, S. Characteristics of gifted studentes. In: DAVIS, G.; RIMM, S. (org). Education of the gifted and talented. Needham Heights, MA: Allyn and Bacon, 1994.

DEL PRETTE, A. DEL PRETTE, Z. Psicologia das habilidades sociais na infância: teoria e prática. Petrópolis: Vozes. 2013.

DORON R.; PAROT, F. Dicionário de Psicologia. São Paulo: Ática. 1998.

DUCHESNE, M.; ALMEIDA, P. E. M. Terapia cognitivo-comportamental dos transtornos alimentares. Rev. Bras. Psiquiatr., v. 24, n. 3, p. 49-53, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbp/a/CJKXBkfr6wBxGV4t7zL4w9J/. Acesso em: 10 fev. 2021.

FRIEDBERG. R.; MCCLURE. J. A prática de clínica de terapia cognitiva com crianças e adolescentes. Porto Alegre, RS: Artmed. 2004.

FLEITH, D. S. Psicologia e educação do superdotado: definição, sistema de identificação e modelo de estimulação. Cadernos de Psicologia, v. 5, n. 1, p. 37-50, 1999. Disponível em: https://www.cadernosdepsicologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/42. Acesso em: 20 jan. 2021.

GOULART, A. M. P. L. et al. Altas Habilidades/ Superdotação: Reflexões e Processo Educacional. 2 ed. Maringá: Eduem, 2016.

HARPER, A.; CLIFFORD, C. Through the Dabrowski lens: Philosophy, faith, and the personality ideal. Roeper Review, v. 39, n. 4, p. 262-268, 2017. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02783193.2017.1363100?journalCode=uror20. Acesso em: 14 nov. 2020.

HOSDA, C.; CAMARGO, R.; NEGRINI, T. Altas habilidades/superdotação e hiperatividade: possíveis relações que podem gerar alguns equívocos. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 9., 2009, Paraná. Anais [...]. Paraná: Pontifíca Universidade Católica, 2009.

IGNACHEWSK, C. L. et al. Capacidades e dificuldades socioemocionais de crianças antes e após a participação no método friends. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 11, n. 3, p. 111-123, 2019. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2177-093X2019000300008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 mar. 2021.

KÖSTERS, M. P. et al. Study design of ‘FRIENDS for life’: Process and effect evaluation of an indicated school-based prevention programme for childhood anxiety and depression. Bmc Public Health, v. 12, n. 86, p. 1-8, 2012. Disponível em: https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-12-86. Acesso em: 28 fev. 2021.

LEONESSA, V.; MARQUEZINE, M. Atendimento à família da pessoa com altas habilidades/ superdotação. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM EDUCAÇÃO, 8., 2013, Londrina. Anais [...]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2013. Tema: Altas habilidades/superdotação: Identificação e intervenção. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/congressomultidisciplinar/pages/arquivos/anais/2013/AT11-2013/AT11-017.pdf. Acesso em: 14 fev. 2021.

MINAYO, M. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 2 ed. São Paulo: HUCITEC; ABRASCO, 1993.

MOREIRA, L. STOLTZ, T. Altas Habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba. Editora Juruá, 2012.

NAKANO, T. ALVES, R. A dupla-excepcionalidade: Relações entre altas habilidades/superdotação com a síndrome de Asperger, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e transtornos de aprendizagem. Rev. Psicopedag., v. 32, n. 99, p. 346-360, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862015000300008. Acesso em: 15 mar. 2021.

OLIVEIRA, J. C.C. O.; BARBOSA, A. J. G.; ALENCAR, E. M. L. S. Contribuições da teoria da desintegração positiva para a área de superdotação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 33, p. 1-9, e3332, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ptp/a/mmVxpcHKnbZhcY6mh6JKFwL/abstract/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2021.

PALUDO, K.; H. LOOS-SANT.; R. ANA-LOSS. Altas habilidades/superdotação: Identidade e resiliência. Curitiba: Editora Juruá, 2014.

PEDROZA, R. L. S. A Psicologia na formação do professor: Uma pesquisa sobre o desenvolvimento pessoal de professores do ensino fundamental. 2003. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

PÉREZ, S. Ser ou não ser, eis a questão: o processo de construção da identidade na pessoa com altas habilidades/superdotação adulta. Tese (Doutorado em educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

PISKE, F. et al. Altas Habilidades/Superdotação (AH/SD) criatividade e emoção. Curitiba: Editora Juruá, 2013.

RENZULLI, J.; REIS, S. The Schoolwide Enrichment Model: A how-to guide for educational excellence. 2. ed. Mansfield Center, CT: Creative Learning Press, 1997.

SOUSA, R. Desenvolvimento emocional de alunos superdotados: Estudo comparativo acerca das sobre-excitabilidade. 2019. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento humano e saúde) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, 2019.

STOLTZ, T. Da identificação à intervenção nas AH/SD: Uma trajetória e muitos desafios. In: PISKE, F. H. R. et al. (org.). Altas habilidades/superdotação (AH/SD) e criatividade: Identificação e atendimento. Curitiba: Juruá, 2016.

VIRGOLIM, A. M. R. Altas habilidade/superdotação: Encorajando potenciais. Brasília: MEC; SEE, 2007.

WINNER, E. Crianças superdotadas. Tradução: Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed.1998.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

VELOSO, J. G. P. .; MONTE, P. M. do . Psicoterapia de crianças com altas habilidades/superdotação. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022004, 2022. DOI: 10.30715/doxa.v23i00.15850. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/15850. Acesso em: 11 ago. 2022.