Indicativos de dotação em estudantes medalhistas da OBMEP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v23i00.16661

Palavras-chave:

Educação especial, Dotação, Medalhistas, OBMEP

Resumo

Este estudo investigou indicativos de dotação em estudantes medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP). A pesquisa configurou-se como Estudo de Caso. Participaram dois estudantes medalhistas da OBMEP e quatro professores. Foi aplicado um instrumento de sinalização de Dotação em dois professores de cada estudante medalhista. Percebeu-se, que eles apresentaram indicativos de Dotação, e, na comparação dos casos, foram encontrados dez (10) indicativos em comum, que se assemelham às características de Dotação e Talento na matemática; descritas na literatura especializada. Considerando a abrangência da OBMEP, no Brasil, o número de premiados e a subnotificação das matrículas de estudantes com Dotação e Talento no censo escolar, sugere-se, considerar os medalhistas em processos de identificação de Dotação e Talento no sistema escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lais Paoma de Oliveira, Rede Municipal de Ensino de Votorantim, Votorantim – SP – Brasil

Professora de Educação Especial. Mestrado em Educação Especial (UFSCar).

Rosemeire de Araújo Rangni, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP – Brasil

Professora Associada I. Departamento de Psicologia. Doutorado em Educação Especial (UFSCar).

Referências

ALENCAR, E. M. L. S.; FLEITH, D. S. Superdotados: Determinantes, educação e ajustamento. 2. ed. São Paulo: EPU, 2001.

ANGOFF, W. H. The nature-nurture debate, aptitudes, and group differences. American Psychologist, v. 43, n. 9, p. 713-720, set. 1988. Disponível em: https://psycnet-apa-org.ez31.periodicos.capes.gov.br/fulltext/1989-04059-001.html. Acesso em: 17 fev. 2019.

ARAÚJO, M. I. Altas habilidades na Educação Infantil: Relato de caso psicopedagógico. Doxa: Rev. Bras. Psico. e Educ., Araraquara, v. 21, n. 2, p. 255-268, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/13092/8659. Acesso em: 20 dez. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 11 maio 2018.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 11 maio 2018.

BRASIL. Orientações para implementação da política de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, DF: DPEE; SECADI; MEC, 2015a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17237-secadi-documento-subsidiario-2015&Itemid=30192. Acesso em: 11 maio 2018.

BRASIL. Lei n. 13.234, de 29 de dezembro de 2015. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para dispor sobre a identificação, o cadastramento e o atendimento, na educação básica e na educação superior, de alunos com altas habilidades ou superdotação. Brasília, DF: Presidência da República, 2015b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13234.htm. Acesso em: 22 jul. 2019.

CARNEIRO, L. B. Características e Avaliação de Programas Brasileiros de Atendimento Educacional ao Superdotado. 2015. Tese (Doutorado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/123456789/1170. Acesso em: 24 jul. 2019.

DIEZ, L. P.; FERNÁNDEZ, C. J. La respuesta educativa a los alumnos más capaces en los planes de atención a la diversidad. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 28, n. 108, p. 642-671, jul./set. 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362020000300642&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 jun. 2020.

GAGNÉ, F. From genes to talents: the DMGT/CMTD perspective. Revista de Educación, Madrid, v. 368, p. 12-37, abr./jun. 2015. Disponível em: http://www.educacionyfp.gob.es/dam/jcr:86553cfc-f5cc-4f8d-ad56-c07e96c21e48/de-los-genes-al-talento-pdf.pdf. Acesso em: 14 fev. 2020.

GUENTHER, Z. C. Identificação de alunos dotados e talentosos: Metodologia CEDET. Lavras: CEDET; ASPAT, 2013.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Sinopse Estatística da Educação Básica 2019. Brasília, DF: INEP, 2020. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 30 jan. 2020.

OBMEP. Olimpíada brasileira de matemática das escolas públicas. Disponível em: http://www.obmep.org.br/apresentacao.htm. Acesso em: 22 jun. 2020.

OBM. Olimpíada Brasileira de Matemática. Disponível em: https://www.obm.org.br/quem-somos/pagina-exemplo/. Acesso em: 27 jan. 2022.

OLIVEIRA, L. P. Sinais de Dotação em estudantes medalhistas da OBMEP: Um estudo de caso. 2020. 95 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12751. Acesso em: 07 abr. 2022.

PÉREZ, S. G. B. O atendimento educacional ao aluno com Altas Habilidades/Superdotação na legislação da Região Sul do Brasil: os lineamentos para concretizar uma quimera. In: FREITAS, S. N. Educação e Altas Habilidades/Superdotação: A ousadia de rever conceitos e práticas. Santa Maria, RS: Ed. UFSM, 2006.

PÉREZ, S. G. B. Altas Habilidades/Superdotação: Uma larga brecha entre as letras do papel e o chão da escola. APRENDER - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, n. 26, p. 176-197, 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/aprender/article/view/10043. Acesso em: 3 abr. 2022.

PÉREZ, S. G. B.; FREITAS, S. N. Manual de Identificação de Altas Habilidades/Superdotação. Guarapuava, PR: Apphendere, 2016.

SHEFFIELD, L. J. Dangerous myths about “gifted” mathematics students. ZDM Mathematics Education, v. 49, p. 13-23, mar. 2017. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11858-016-0814-8. Acesso em: 22 jun. 2020.

SIMPLÍCIO, M. I. B. Atendimento educacional a alunos com Talento matemático e sua influência no desempenho escolar. 2013. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, 2013. Disponível em: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/5155. Acesso em: 18 dez. 2018.

SINGER F. M. et al. Research On and Activities For Mathematically Gifted Students. Col.: ICME-13 Topical Surveys. Hamburg, Germany: Springer, Cham. 2016. Disponível em: https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-319-39450-3_1#citeas. Acesso em: 22 jun. 2020.

SINGER, F. M.; SHEFFIELD, L. J.; LEIKIN, R. Advancements in research on creativity and giftedness in mathematics education: Introduction to the special issue. ZDM Mathematics Education, v. 49, p. 5-12, mar. 2017. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11858-017-0836-x. Acesso em: 22 jun. 2020.

URQUIZA, J. M.; MARTINS, B. A. Concepções sobre Altas Habilidades/Superdotação: Reflexões com base na discursividade docente. APRENDER - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, n. 26, p. 140-159, 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/aprender/article/view/8833. Acesso em: 2 abr. 2022.

YIN, R. K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Publicado

30/11/2022

Como Citar

OLIVEIRA, L. P. de; RANGNI, R. de A. Indicativos de dotação em estudantes medalhistas da OBMEP. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022011, 2022. DOI: 10.30715/doxa.v23i00.16661. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/16661. Acesso em: 28 jan. 2023.