Ensinar e aprender em contextos de privação de liberdade e isolamento social

Uma experiência com socioeducandos do CASE, Mossoró – RN

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v23i00.17462

Palavras-chave:

Socioeducação, Educação de Jovens e Adultos, Interdisciplinaridade

Resumo

Este texto tem como propósito apresentar reflexões acerca das ações educativas desenvolvidas por docentes do Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA), que atuam no Centro de Atendimento Socioeducativo (CASE/Mossoró - RN), no período da Pandemia da COVID-19. Caracteriza-se como um relato de experiência que se apoia, em termos metodológicos, tanto na abordagem da experiência profissional docente, quanto na reflexão sobre a prática educativa com socioeducandos que cumprem medida de privação de liberdade na Unidade, com recorte temporal de março de 2020 a dezembro de 2021. Ressaltamos, positivamente, as diferentes práticas educativas arroladas, haja vista que, no decorrer das atividades desenvolvidas na escola, enfrentávamos uma das maiores crises sanitárias de todos os tempos. Diante disso, evidenciamos a importância do trabalho interdisciplinar no aprimoramento e na construção de diferentes saberes, práticas de ensino e conhecimentos acerca da realidade educacional frente ao momento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Areillen Ronney Rocha Reges, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró – RN – Brasil

Especialista em Geografia do Nordeste e Especialista em Direito da Criança e do Adolescente. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino (POSENSINO/UFERSA).

Emerson Augusto de Medeiros, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró – RN – Brasil

Professor Adjunto. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino (POSENSINO/UFERSA). Doutorado em Educação.

Referências

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, v. 19, p. 21-22, jan./abr. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 13 ago. 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Assembleia Nacional, 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 16 fev. 2022.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 18 fev. 2022.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 18 fev. 2022.

ELIAS, D.; PEQUENO, R. Mossoró: O novo espaço da produção globalizada e aprofundamento das desigualdades socioespaciais. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

FREIRE, P. Na escola em que fazemos: Uma reflexão interdisciplinar em educação popular. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

FREIRE, P. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993.

FREIRE, P. Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

GARRETT, G. Retrospectiva 2021: O pior da covid-19. Exame, 2021. Disponível em: https://exame.com/brasil/retrospectiva-2021-o-pior-da-covid-19-crise-do-clima-e-busca-por-lazaro/. Acesso em: 13 maio. 2022.

GOMEZ, G. O. Professores e meios de comunicação: Desafios, estereótipos. Comunicação & Educação, v. 3, n. 10, p. 57-68, 2008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36323. Acesso em: 08 maio 2022.

KUBOTA, L. C. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Nota técnica n. 70: A infraestrutura sanitária e tecnológica das escolas e a retomada das aulas em tempos de Covid-19. Brasília, DF: IPEA, 2020.

MEDEIROS, E. A. A Interdisciplinaridade na Educação: Uma abordagem conceitual. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, v. 23, n. 39, p. 158-177, maio/ago. 2018. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/7197. Acesso em 09 maio. 2022.

PINHEIRO, L. Brasil termina agosto com 28.947 mortes pela Covid-19, apontam secretarias de Saúde; especialistas alertam que pandemia não acabou. G1 Globo, 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2020/09/03/brasil-termina-agosto-com-28947-mortes-pela-covid-19-apontam-secretarias-de-saude-especialistas-alertam-que-pandemia-nao-acabou.ghtml. Acesso em: 10 maio 2022.

RIO GRANDE DO NORTE. Portaria n. 249/2019-GP, 18 de dezembro de 2019. Manual de Segurança da Fundação de Atendimento Socioeducativo (FUNDASE). Rio Grande do Norte: Presidência da FUNDASE, 2019. Disponível em: http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/fundac/DOC/DOC000000000221989.PDF. Acesso em: 18 jan. 2022.

SOARES, S. B. V. O Coronavírus e a modernidade conservadora da Educação In: SOARES, S. B. V. et al. (org.). Coronavírus, educação e luta de classes no Brasil. Editora Terra Sem Amos, 2020.

Publicado

30/11/2022

Como Citar

REGES, A. R. R.; MEDEIROS, E. A. de. Ensinar e aprender em contextos de privação de liberdade e isolamento social: Uma experiência com socioeducandos do CASE, Mossoró – RN. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022014, 2022. DOI: 10.30715/doxa.v23i00.17462. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/17462. Acesso em: 28 jan. 2023.