Análise de alguns traços fonológicos graduais na escrita sob a perspectiva da sociolinguística educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v6i1.13326

Palavras-chave:

Ensino/aprendizagem da escrita, Português do Brasil, Oralidade na escrita, Sociolinguística Educacional, Traços fonológicos graduais.

Resumo

A escola brasileira enfrenta desafios, sobretudo no que diz respeito à escrita ou, mais especificamente, ao aprendizado da norma padrão difundida de maneira intensiva nos manuais escolares. No processo de ensino/aprendizagem da modalidade escrita, ignora-se a influência da oralidade, de que maneira os hábitos da fala são frequentemente representados nos textos escolares e como estes refletem variáveis comuns no falar do Português Brasileiro (PB). Sendo assim, o presente artigo objetiva analisar traços fonológicos graduais na escrita presentes em redações escolares do 6º ano segundo os princípios da Sociolinguística Educacional (BORTONI-RICARDO, 2005). Foram selecionados e analisados os três tipos de desvios mais frequentes de acordo com a pesquisa de Sene (2018), através dos quais observou-se que os princípios da Sociolinguística Educacional são cruciais para compreender que tais desvios não devem ser vistos como fonte de conflito no espaço escolar, mas sim como oportunidade de reflexão sobre a importância da variação linguística e do saber sociolinguístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Garcia de Sene, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Possui graduação em Letras Português-Inglês pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2015). É mestre em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Araraquara) (2018) e doutorando em Linguística e Língua Portuguesa pela mesma instituição. É membro colaborador do GT de Sociolinguística da ANPOLL e sócio da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN).

Egisvanda Isys de Almeida Sandes, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

É Pós-doutora pela Universidad de Granada (Espanha) e Universidad de Educación a Distancia (UNED-Madri-Espanha), com pesquisa sobre a incidência dos fatores internos e externos na aquisição e aprendizagem do aspecto fônico da língua espanhola em estudantes brasileiros residentes na Espanha (2019). É Doutora pela Universidade de São Paulo (2010), em Fonética e Fonologia do espanhol e análise das dificuldades dos alunos brasileiros aprendizes de E/LE. É Magíster pela Universidad Nacional Española (UNED) e pelo Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) de Madri (2009), com pesquisa na mesma área e, Mestre pela Universidade de São Paulo (2004), com pesquisa sobre aquisição e aprendizagem dos estudantes brasileiros de E/LE durante a construção de orações subordinadas adverbiais introduzidas por preposição do espanhol e a presença do infinitivo flexionado do português. Atualmente é professora na Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP/Araraquara)

Referências

ABAURRE, M. B. M. O que revelam os textos espontâneos sobre a representaçãoque faz a criança do objeto escrito? In: KATO, M. A. (Org.). A concepção da escrita pela criança. Campinas: Pontes, 1988. p. 135-142.

BARONAS, J. E. de A. Marcas de oralidade no texto escrito. Signum: Estudos da Linguagem, v. 12, n. 1, p. 15-32, 2009.

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemu na escola e agora?. Sociolinguística & Educação. São Paulo: Parábola, 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M.; OLIVEIRA, T. de. Corrigir ou não variantes não padrão na fala do aluno. In: Os doze trabalhos de Hércules do oral para o escrito. São Paulo, Parábola, 2013. p. 45-62.

CALLOU, D.; MORAES, J.; LEITE, Y. Apagamento do r final no dialeto carioca: um estudo em tempo aparente e em tempo real. DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, SciELO Brasil, v. 14, n. esp., 1998.

CÂMARA-JR, J. M. Erros escolares como sintomas de tendências lingüísticas no português do rio de janeiro. Romanistiches Jahrburg, v. 8, p. 279-86, 1957.

CÂMARA-JR, J. M. Para o estudo da fonêmica portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão, 1977.

ERICKSON, F. Transformation and school success: The politics and culture of educational achievement. Anthropology & Education Quarterly, Wiley Online Library, v. 18, n. 4, 1987

HENRIQUE, P. F. de L.; HORA, D. da. Da fala à escrita: a monotongação de ditongos decrescentes na escrita de alunos do 3o ao 5o ano do ensino fundamental. Letrônica, v. 6, n. 1, p. 108-121, 2016.

GOMES, A. M. A influência da oralidade na escrita: uma análise sociolinguística sobre as redações escolares de uma escola pública do Distrito Federal. 2008. 215 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

FERNÁNDEZ MARRERO, J. J. Actividad normativa y conciencia lingüística: los problemas de la prescripción idiomática. São Paulo: LGN, 2004.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Ed., 2008 [1972].

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e escrita. Signótica, v. 9, n. 1, p. 119-146, 1997.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez Editora, 2000.

MOLLICA, M. C. Influência da fala na alfabetização. [S.l.]: Tempo Brasileiro, 1998.

MORAIS, A. G. de. O aprendizado da ortografia. São Paulo: Ática, 2003.

MORENO FERNÁNDEZ, F. Sociolingüística cognitiva: proposiciones, escolios y debates. Madri/Frankfurt: Iberoamericana - Vervuert, 2012.

OLIVEIRA, M. B. de. Manutenção e apagamento do /R/ final de vocábulo na fala de Itaiuba. 2001. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2001.

SENE, M. G.; ORANGES, C. S. Fala[ø] e Escreve [ø]: variação do rótico em posição de coda na escrita escolar de Uberaba/MG. Revista Entrepalavras, v. 7, p. 165-181, 2017.

SENE, M. G. Os desvios ortográficos de redações escolares do Ensino Fundamental II - descrição, análise e atitudes linguísticas dos professores. 2018. 178 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) - Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2018.

SENE, M. G.; BARBOSA, J. B. Quando a oralidade chega à escrita: discutindo os desvios ortográficos em textos do Ensino Fundamental II de Uberaba/MG. A COR DAS LETRAS (UEFS), v. 19, p. 7, 2019.

Publicado

06/01/2020

Como Citar

SENE, M. G. de; SANDES, E. I. de A. Análise de alguns traços fonológicos graduais na escrita sob a perspectiva da sociolinguística educacional. Revista EntreLínguas, Araraquara, v. 6, n. 1, p. 167–182, 2020. DOI: 10.29051/el.v6i1.13326. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/13326. Acesso em: 27 set. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)