O papel da tradição e das inovações no desenvolvimento da teoria da educação primária no Azerbaijão (1920-1931)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25iesp.1.15005

Palavras-chave:

Azerbaijão, Educação primária, Conteúdo da educação, Educação tradicional, Educação inovadora, Reforma do alfabeto, Método de projeto

Resumo

O estudo da história da educação primária no Azerbaijão expande os limites do pensamento pedagógico. A reintrodução dos aspectos progressivos do patrimônio histórico e pedagógico do século 20 nos círculos científicos desempenha um papel importante na formação da cultura educacional moderna. O patrimônio histórico e pedagógico é uma fonte de renovação do conhecimento pedagógico, de aquisição de conteúdo qualitativamente novo, bem como de sua sustentabilidade. É importante estudar a história da educação primária, pois ela ajuda a resolver dois problemas que estão intimamente relacionados um com o outro. Em primeiro lugar, o que aconteceu quando se examinou pela primeira vez o patrimônio histórico pedagógico? Como isso aconteceu? Por que aconteceu e qual foi o resultado? Qual foi o significado do que aconteceu durante esse período e do desenvolvimento posterior? Em segundo lugar, referindo-se ao patrimônio histórico pedagógico, é possível compreender a teoria e a prática da educação atual, os problemas do pensamento pedagógico moderno e a visão do mundo. O artigo examina e compara o papel da tradição e da inovação no desenvolvimento da teoria da educação primária no Azerbaijão nos anos 20. Para este fim, o artigo analisa as tecnologias educacionais utilizadas naquele período, abordagens científicas gerais, currículos e conteúdo de livros didáticos preparados para escolas primárias, e critérios de qualidade na formação de professores. Argumenta-se que este período foi politicamente complexo, economicamente difícil, caracterizado por um declínio geral no nível cultural e educacional comum da população, mas foi interessante em termos da construção de uma nova sociedade e de um novo estado. Reformas no campo da educação na Rússia foram repetidas no Azerbaijão. Embora as experiências no campo da educação visassem elevar o nível cultural da sociedade, eliminando o analfabetismo, estabelecendo novas abordagens para a educação, inovações (aplicação de abordagem "complexa", uso de métodos de aprendizagem ativa, aplicação de método de projeto, etc.), elas não melhoraram a qualidade da educação. A introdução de inovações às vezes levou à negação e ao esquecimento das tradições. Os novos métodos de ensino aplicados nas escolas azerbaijanesas sem nenhum conhecimento especializado, pois foram trazidos de escolas européias e americanas, criaram sérios problemas na formação da educação porque a nova tecnologia negou a tradição. O sistema de aulas de classe com regulamentos rigorosos, estrutura e função exaustivas e ricas tradições foram substituídos pelo método de brigada de laboratório. Os resultados de experimentos incorretos se tornaram um sério obstáculo ao desenvolvimento da educação. Por esta razão, no início dos anos 30, as decisões oficiais do governo proibiram os experimentos que dificultavam o desenvolvimento da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aytekin Mammadova, Sumgayit State University (SSU), Baku

Dr. Head of the Department of Pedagogy and Psychology.

Referências

AZERBAİJAN. Archive of Azerbaijan, n. 2, p. 16, 1980.

AZERBAİJAN. Decree of the Azerbaijan Central Executive Committee and the Council of People's Commissars of the Azerbaijan SSR. On the recognition of the new Turkic alphabet as the state. Baku Worker, Baku, 31 oct. 1923.

AZERBAİJAN. Decree of the Revolutionary Committee of Azerbaijan. On conducting language classes in primary and secondary schools. “Communist” newspaper, 20 sep. 1920.

AZERBAİJAN. Law of the Republic of Azerbaijan on Education. Baku: Azerbaijan State University of Economics, 2019.

AZERBAİJAN. State Archive of the Republic of Azerbaijan, f.379, list 2, case 3082, p. 16.

AZERBAİJAN. State Archive of the Republic of Azerbaijan, f.57, list 1, case 151, p. 192.

AZERBAİJAN. State Archive of the Republic of Azerbaijan, f.57, list 1, case 342, p. 18.

BAKU. Programs of primary schools. Baku: Azerneshr, 1923.

BLONSKY, P. P. Selected pedagogical and psychological works: ın 2 volumes. Moscow: Pedagogy, 1979. v. 1.

IVANOV, S. V.; IORDANSKİY, N. N. New systems of educational work in schools in Europe and North America. Moscow: Rabotnik prosveshcheniya, 1930.

KALASHNİKOV, A. G. Pedagogical encyclopedia: ın 3 volumes. Moscow: Worker of education, 1927. v. 1.

KRUPSKAYA, N. K. Selected pedagogical works. Baku: Maarif. 1992.

MEHDİZADE, M. Summaries on the history of the Soviet school in Azerbaijan. Baku: Azerneshr, 1958.

MURADKHANOV, M. Pedagogics. Baku: Azertedrisneshr, 1964.

NEW school magazine, n. 1, p. 84-88, 1926.

SOROKİN, A.; SAKHAROVA, E. Dalton-plan in the context of reforms of the training process in soviet higher education in 1920-1930s. The Anthropologist, v. 23, n. 1-2, p. 120-125, 2016.

THE Land-Grant Tradition. Washington, DC: Association of Public and Land-grant Universities, 2012. Available: https://www.aplu.org/library/the-land-grant-tradition/file. Access: 10 dec. 2020.

VAN DER PLOEG, P. The Dalton Plan: recycling in the guise of innovation. Paedagogica Historica. International Journal of the History of Education, v. 49, n. 3, p. 314-329, 2013.

WEİCHHART, G. S-BPM Education on the dalton plan: an e-learning approach. In: OPPL, S.; FLEİSCHMANN, A. (Eds.). S-BPM ONE: education and ındustrial developments. S-BPM ONE 2012. Berlin, Heidelberg: Springer, 2012. p. 181–193, 2012.

YESİPOV, B. P.; GONCHAROV, N. K. Pedagogics. Baku: Azerneshr, 1941.

Publicado

01/03/2021

Como Citar

MAMMADOVA, A. O papel da tradição e das inovações no desenvolvimento da teoria da educação primária no Azerbaijão (1920-1931). Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. esp.1, p. 654–672, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25iesp.1.15005. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/15005. Acesso em: 6 maio. 2021.