Resiliência e motivação de voluntários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25iesp.7.17391

Palavras-chave:

Voluntários, Motivação, Resiliência, Desenvolvimento, Adaptação, Empatia, Enfrentamento

Resumo

A relevância do problema em estudo justifica-se pelo fato de, no mundo moderno, ser cada vez mais necessário assegurar a manutenção da estabilidade da vida e da atividade humana nas circunstâncias que contribuem para a sua desestabilização, no contexto de uma pandemia, a questão da a resiliência dos voluntários e a motivação das atividades voluntárias é excepcionalmente significativa. O artigo tem como objetivo descrever os resultados da análise dos componentes da resiliência e sua correlação com a motivação dos voluntários. Os métodos de topo neste estudo são o questionário "Resiliência dos adultos", o questionário de orientações causais, método do autor para avaliar a motivação da atividade voluntária. Como resultado do estudo, constatou-se que se a resiliência dos voluntários está em alto nível, a predominância da autoeficácia indica que eles conseguem utilizar sua motivação, recursos cognitivos e ações para influenciar eventos. Durante a pandemia, os voluntários têm aplicado com sucesso mecanismos de organização da gestão da situação, avaliação da eficácia e resultados dos seus esforços, focando-se no significado da resolução ativa de problemas, recorrendo ao apoio social, à capacidade de transformar a situação, alcançando objetivos socialmente significativos e interação efetiva com o ambiente. Os principais motivos dos voluntários são senso de serviço, compaixão e empatia; muitos voluntários notam a importância das emoções positivas, da experiência profissional e da comunicação. A análise das correlações entre os indicadores de resiliência e motivação da atividade voluntária evidenciou a presença de correlações positivas significativas; quanto maior a motivação e interesse em atividades voluntárias, mais desenvolvidos são os componentes de resiliência como mecanismo de enfrentamento e adaptação, perseverança, relações familiares e sociais e resiliência como voluntários. Os materiais do artigo podem ser úteis no apoio psicológico de grupos individuais da população e melhorar a alfabetização psicológica, desenvolvimento de resiliência em vários grupos da população, voluntários, professores e psicólogos para melhorar a adaptabilidade e resiliência de pessoas que precisam de ajuda. Os resultados podem ser usados no processo educacional para formar futuros psicólogos e outros profissionais para aumentar a motivação para atividades de ajuda nos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sofia A. Nalichaeva, Lomonosov Moscow State University (Branch in Sevastopol), Sevastopol – Russia

PhD in Psychology, Associate Professor of the Department of Psychology.

Anastasia A. Tkachenko, Lomonosov Moscow State University (Branch in Sevastopol), Sevastopol – Russia

Psychologist, Specialist in Educational and Methodological Work of the Department of Psychology.

Zinaida V. Borisenko, Lomonosov Moscow State University (Branch in Sevastopol), Sevastopol – Russia

Senior Lecturer of the Department of Psychology.

Bogdan I. Terentyev, Lomonosov Moscow State University (Branch in Sevastopol), Sevastopol – Russia

Student of the Faculty of Psychology.

Ekaterina M. Lukina, Lomonosov Moscow State University (Branch in Sevastopol), Sevastopol – Russia

Student of the Faculty of Psychology.

Referências

ASEEV, V. G. The problem of motivation and personality. Theoretical problems of the psychology of personality. Moscow: Prosveshchenie, 1994.

AZAROVA, E. S.; YANITSKY, M. S. Psychological determinants of voluntary activity. Bulletin of the Tomsk State University, v. 306, p. 120-125, 2008.

BOGOMOLOVA, O. Yu. The Influence of Motivational and Value Orientation of Students on Their Readiness for Future Professional Activity. Personality Formation, v. 3-4, p. 86-93, 2020.

DERGACHEVA, O. E.; DORFMAN, L. Y.; LEONTIEV, D. A. Russian adaptation of the General Causality Orientation Scale. Moscow University Psychology Bulletin, v. 3, p. 91-106. 2008.

EFIMOVA, O. I. Antisuicidal Potential of the Person: Theory and Empirics Research. Modern Journal of Language Teaching Methods, v. 8, n. 5, p. 510-517, 2018.

ENNS, E.A. Psychological characteristics of helping professions. In: Modern psychology: materials of an international scientific conference. Perm: Merkuriy, 2012. pp. 92-93

GULEVICH, O. A.; SHEVELEVA, I. A.; FOMICHEV, A. A. Help as a lifestyle: psychological aspects of volunteer activity. Social Psychology and Society, v. 4, n. 2, p. 5-20, 2013.

ILYIN, E. P. Motivation and motives. St. Petersburg: Peter, 2000.

ILYIN, E. P. Psychology of help. Altruism, egoism, empathy. St. Petersburg: Peter, 2013.

KOSOVA, U. P. Motivation of volunteers’ activities. Journal Collection of Scientific Works of KRASEC. Section The Humanities, v. 2, n. 20, p. 123-127, 2012.

KOVALEVA, Yu. V. Motives of helping behavior and their connection with self-attitude of the individual. Russian Journal of Education and Psychology, v. 12, n. 20, p. 18, 2012.

KUPREICHENKO, A. B. The problem of studying the motives and psychological barriers of youth volunteer activity. In: KAPTSOV, A. V. (Ed.). Professional and personal self-determination of young people in modern Russia. Samara: Samlyuksprint, 2013. p. 143-150.

LAKTIONOVA, A. I. Human resilience: a metacognitive approach. In: MAKHNACH, A. V.; DIKAYA, L.G. (Eds.). Human resilience: individual, professional and social aspects. Moscow: Publishing house Institute of Psychology RAS, 2016. p. 88-110.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN S. The concept of coping. In: MONAT, A.; LAZARUS, R. S. (Eds.). Stress and Coping: An anthology. (New York: Columbia University Press, 1991. p. 189–206.

LEONTIEV, D. A. Development of the idea of self-actualization in the works of A. Maslow. Voprosy psikhologii, v. 3, p. 150-158, 1987.

MAKHNACH, A. V. Human and family resilience: a socio-psychological paradigm. Moscow: Institute of Psychology of the Russian Academy of Sciences, 2016a. p. 135-204.

MAKHNACH, A. V. Research of human resilience: basic approaches and models. In: MAKHNACH, A. V.; DUKAYA, L. G. (Eds.). Human resilience: individual, professional and social aspects. Moscow: Institute of Psychology of the Russian Academy of Sciences publishing house, 2016b. p. 46-70.

MAKHNACH, A. V. Theoretical basis of the assessment methods of professional' resilience. Scientific e-JOURNAL Institute of psychology Russian Academy of Sciences. Organizational Psychology and Labor Psychology, v. 2, n. 1, p. 23-53, 2017.

MASLOW, A. Motivation and personality. Translation from English A. M. Tatlybaeva. St. Petersburg: Eurasia, 1999.

MASTEN, A.S. Resilience in developing systems: Progress and promise as the fourth wave rises. Development and Psychopathology, v. 19, p. 921–930, 2007.

NALICHAEVA, S. A. et al. Analysis of components of resilience in the youth of the city of Sevastopol. Family and personality: problems of interaction, v. 17, p. 87-94, 2020.

NEZHINA, T. G. et al. Motivation of youth participation in the volunteer movement. Public Administration Issues Journal, v. 3, p. 49-71, 2014.

NURKOVA, V. V. Psychology: textbook for bachelor studies. 2. ed.Moscow: Youwrite Publishing House, 2012. p.

RYLSKAYA, E. A. Human resilience: a metacognitive approach. In: MAKHNACH, A. V.; DIKAYA, L.G. (Eds.). Human resilience: individual, professional and social aspects. Moscow: Publishing house Institute of Psychology RAS, 2016. p. 111-128.

SALAKHOVA, V. B. et al. Education and morale building activity of youth as system-forming factors in providing the national security of Russia: a model of empirical research. Turismo-Estudos e Praticas, v. 4, 2020.

SHILOVA, N. P. Maturation in Adolescence. MCU Journal of Pedagogy and Psychology, v. 4, n. 54, p. 37-49, 2020.

Publicado

31/12/2021

Como Citar

NALICHAEVA, S. A.; TKACHENKO, A. A.; BORISENKO, Z. V.; TERENTYEV, B. I.; LUKINA, E. M. Resiliência e motivação de voluntários. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. esp.7, p. 4383–4398, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25iesp.7.17391. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17391. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos