O modelo de salas de recursos multifuncionais: avanços e retrocessos de uma realidade em construção

Saulo Fantato Moscardini, Adriana Maria Leone Alves Oliveira

Resumo


O presente artigo objetiva discutir os avanços e retrocessos experimentados pela proposta de Sala de Recursos Multifuncionais em um município polo de formação para o Programa Educação Inclusiva: Atenção à Diversidade. Toma como base os resultados apresentados por dois estudos realizados nessa mesma realidade em períodos diferentes, organizando essas informações em categorias de análise voltadas para a observação das relações experienciadas nesse serviço de apoio. A comparação dos dados apresentados por essas investigações descreve um contexto no qual as mudanças sofridas por esse atendimento parecem se limitar a aspectos organizacionais, sem se preocuparem em oferecer as condições necessárias para que seja estruturado um trabalho que possibilite o pleno desenvolvimento do potencial de aprendizagem do aluno com deficiência.  


Palavras-chave


Educação especial. Inclusão escolar. Salas de recursos multifuncionais.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto lei n° 7611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 17 nov. 2011. Disponível em: planalto.gov.br/ccivil_03/Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em: 7 mar. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: adaptações curriculares: estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, 1998.

BRASIL.Lei n° 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 27 set. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. PolíticaNacional deEducação Especial. Brasília, 1994.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em: 27 set. 2012.

BUENO, J. G. S. As políticas de inclusão escolar: uma prerrogativa da educação especial? In: BUENO, J. G. S.; MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. (Org.). Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: Junqueira & Marin; Brasília: CAPES, 2008. p.43-63.

CAPELINI, V. L. M. F. A inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais em classes comuns: avaliação do rendimento acadêmico. 2001. 222f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2001.

CARNEIRO, M. A. Decisões de algumas conferências internacionais sobre a educação inclusiva. In: CARNEIRO, M. A. O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns: possibilidades e limitações. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p.33-38.

CHINALIA, F. Relações pedagógicas no contexto inclusivo: um olhar sobre a deficiência mental. 2006. 148f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2006.

GOMES, A. L. L. V.; POULIN, J. R.; FIGUEIREDO, R. V. A educação especial na perspectiva da educação escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual. Brasília: Ministério da Educação: Secretaria de Educação Especial, 2010. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar, v.2).

JANNUZZI, G. M. As políticas e os espaços para a criança excepcional. In: FREITAS, M. C. (Org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997. p.183-223.

MARCHESI, A.; MARTÍN, E. Da terminologia do distúrbio às necessidades educacionais especiais. In: COLL, C.; PALÁCIOS, J.; MARCHESI, A. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: ARTMED, 1995.

MOSCARDINI, S. F. Escolarização de alunos com deficiência intelectual em classes comuns e em salas de recursos multifuncionais. 2011. 194f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Araraquara, 2011.

OLIVEIRA, A. M. L. A. A relação entre escola e família de crianças que frequentam salas de recursos: concepções de pais e professores. 2004. 184f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Araraquara, 2004.

PLETSCH, M. D. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Rio de Janeiro: Nau Ed., 2010. (Coleção Docência, 1).

SAVIANI, D. A nova LDB: limites e perspectivas. In: SAVIANI, D. A nova lei da educação: LDB: trajetórias, limites e perspectivas. 11.ed. Campinas: Autores Associados, 2008. p.189-227.

SILVA, F. de C. T. As relações entre ensino, aprendizagem e deficiência mental: desenhando a cultura escolar. 2003. Tese (Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade) – PontifíciaUniversidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

SIQUEIRA, B. A. Inclusão de crianças deficientes mentais no ensino regular: limites e possibilidades de participação em sala de aula. In: BUENO, J. G. S.; MENDES, G. M. L.; SANTOS, R. A. (Org.). Deficiência e escolarização: novas perspectivas de análise. Araraquara: Junqueira & Marin; Brasília: CAPES, 2008. p.301-347.




DOI: https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n1.2017.10825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação



 

 

 

 

DOXA: Rev. Bras. Psicol. Educ., Araraquara, São Paulo, Brasil, e-ISSN: 2594-8385

DOI: 10.30715/doxa

Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.