Violência de gênero no brasil e na américa latina: um enfoque psicanalítico, a produção de conhecimento e perspectivas de enfrentamento

Autores

  • Claudionor Renato da Silva Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v20.n1.2018.11284

Palavras-chave:

Violência de gênero, Psicanálise, Produção de conhecimento, Enfrentamento.

Resumo

Violência de gênero nesta pesquisa é toda forma de opressão, seja ela verbal, física, sexual ou psicológica, em que um gênero se sobrepõe ao outro, geralmente, o homem sobre mulheres, homossexuais, crianças e outras diversidades (sexuais). Lança-se, inicialmente, um olhar para a violência de gênero na teoria psicanalítica em Sigmund Freud, indicando perspectivas de enfrentamento (inter)multissetoriais na sociedade brasileira e latina e, particularmente, enfrentamentos na educação básica e no ensino superior. O objetivo é tanto o de apresentar a vertente psicanalítica sobre o tema da violência de gênero, como também apontar as tendências da produção de conhecimento no Brasil e na América Latina e, a partir destes dois momentos, serem indicados perspectivas de enfrentamento. A metodologia é bibliográfica, aquela que permite junto ao levantamento de dados se formularem encaminhamentos/críticas e “situar” o objeto de estudo. Os resultados indicam, dentre as muitas abordagens da violência de gênero, a especificidade da psicanálise em tratar o tema. Os apontamentos das tendências dos estudos permitem o entendimento não só da relevância, mas também da necessidade de aprofundamentos e outros estudos sobre a violência de gênero e, principalmente, permitem que sejam construídas possibilidades de enfrentamento nas esferas (inter)multissetoriais e particularmente na educação básica e no ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudionor Renato da Silva, Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí

Licenciado em pedagogia e matemática. Especialista em Gestão Educacional. Mestre em Educação na Linha Educação em Ciências e Matemática. Doutor em Educação Escolar pela UNESP/FCLar. Docente e pesquisador na Universidade Federal de Goiás, Regional de Jataí. Docente do Programa de Pós Graduação em Educação.

Referências

ALMEIDA, G. M. R.; ACKER, A. M. O cinema como vivência dos direitos humanos na escola. Reu, Sorocaba (SP), v. 43, n. 2, p. 247-260, 2017.

BRASIL. Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Secretaria de Políticas para as Mulheres – Presidência da República. Política Nacional de Enfrentamento à Violência de Gênero contra as Mulheres. Brasília: SPM, 2011.

CANAVÊZ, F. A violência a partir das teorias freudianas do social. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 66, n. 1, p. 33-48, 2014.

ANTONY, C. Compartilhando critérios e opiniões sobre femicídio/feminicídio. In:

CLADEM. Comité de América Latina y el Caribe para la defensa de los Derechos de la Mujer – CLADEM. (org.). Contribuições ao debate sobre a tipificação penal do feminicídio/femicídio. Lima, jun., 2012.

CEPAL. Comissão Econômica para América Latina e Caribe. Violência de género: um problema de derechos humanos. Serie Mujer y Desarrollo 16. Santiago, Chile: Cepal, 1996.

COSTA, C. A.; LOUREIRO, C. F. A ecologia política de Enrique Dussel: aproximações para as lutas sociais na América Latina. Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 14, n. 38, p. 86-113, 2016.

COSTA, J. F. Violência e psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

FRANÇA, I. L. “Refugiados LGBTI”: direitos e narrativas entrecruzando gênero, sexualidade e violência. Cadernos Pagu, v. 50, 2017.

FREGOSO, R. L.; BEJARANO, C. (orgs.). Feminicídio em América Latina. Diversidade Feminista. CEIICH/UNAM. Cidade do México, 2011.

GARCIA, J. M.; NEVES, J. G.; SILVA, A. B. Contribuição pedagógica do movimento feminista no combate à violência de gênero. Educa – Revista Multidisciplinar em Educação, v. 4, n. 9, 2017.

HEINE, C. C. Violência de gênero no Brasil: uma análise da inserção do feminicídio no ordenamento jurídico brasileiro. 2016. 59f. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Direito. Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, 2016.

LEITE, A. S. Ciências Sociais e Psicanálise: notas sobre a violência urbana. Revista Ágora, Vitória, n.º 16, p. 121-128, 2012.

MORAES, G. C. S.; COELHO JUNIOR, N. E. Feminino e psicanálise: um estudo sobre a literatura psicanalítica. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 15, n. 4, 2010.

MORAES, L.; OSTERNE, M. S. Transgressões de gênero: a aplicabilidade da Lei Maria da Penha e as demandas de mulheres travestis e transsexuais. Ambivalências, 2017, v. 5, n. 10, p. 157-179, jul./dez., 2017.

SAFFIOTI, H. I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Caderno Pagu, Campinas, n. 16, 2001.

SCHRAIBER, L.B. et al. Prevalência da violência contra a mulher por parceiro íntimo em regiões do Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 5, out., 2007.

SCHWINN, S. A.; COSTA, M. M. M. Mulheres refugiadas e vulnerabilidade: a dimensão da violência de gênero em situações de refúgio e as estratégias do ACNUR no combate a essa violência. Revista Signos, Laejeado, ano 37, n. 2, 2016.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LÚCIO, M. P. B. Metodologia De Pesquisa. Porto Alegre: Artes Médicas, 2006.

SMITH, A. S. P. O.; SANTOS, J. L. O. Corpos, identidades e violência: o gênero e os direitos humanos. Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 1083-1112, 2017.

WOLFF, M. P. Reflexões sobre o feminino. Jornal de Psicanálise. São Paulo, v. 42, n.º 77, dez. 2009.

Downloads

Publicado

16/01/2018

Como Citar

SILVA, C. R. da. Violência de gênero no brasil e na américa latina: um enfoque psicanalítico, a produção de conhecimento e perspectivas de enfrentamento. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 20, n. 1, p. 80–96, 2018. DOI: 10.30715/rbpe.v20.n1.2018.11284. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/11284. Acesso em: 27 set. 2023.