Trabalho e intolerância religiosa: um estudo sobre a Problemática do preconceito contra praticantes de religiões de matriz africana no ambiente organizacional

Bianca Bichuli Lopes, Pablo Emilio da Silva, Pedro Augusto Dinelli Cruz

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar as influências e consequências da intolerância religiosa no comportamento interpessoal dentro das organizações. O estudo integra professantes de religiões africana, pertencentes de centros de religião de matriz africana na região do Médio Paraíba. Foi aplicada pesquisa bibliográfica e pesquisa descritiva em campo, com coletas de dados a partir de grupo focal utilizando perguntas semiestruturadas. Foram entrevistados 30 participantes divididos em três grupos de dez pessoas cada, com idade mínima de 18 e máxima de 70 anos, com diversidade de gênero, etnia e orientação sexual. A partir da análise de dados chegou-se à conclusão que a intolerância religiosa é algo latente e emergente no âmbito institucional, sendo grande potencializador de conflitos interpessoais e sofrimento psíquico do colaborador, carecendo de atenção e desenvolvimento de novas estratégias organizacionais, assim como maior integração de profissionais da psicologia para contribuir na solução e enfrentamento dessa problemática.

Palavras-chave


Religiões de matriz africana; Intolerância religiosa; Grupo focal; Contexto organizacional; Psicologia.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


BOAHEN, A. A. História geral da África, VII: África sob dominação colonial. 1880-1935. 2.ed. rev. – Brasília: UNESCO, 2010.

BANAGGIA, G.; FONSECA, D. P. R. da; GIACOMINI, S. M. Presença do axé: mapeando terreiros no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pallas. 188pp. MANA, v. 20, n. 2, p. 411-424, 2014 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132014000200411&lng=e n&nrm=iso. Acesso em: 20 set. 2019.

BASTIDE, R. O Candomblé da Bahia (Rito Nago). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1961. Disponível em: https://bdor.sibi.ufrj.br/bitstream/doc/361/1/313%20 PDF%20%20OCR%20-%20RED.pdf. Acesso em: 18 set. 2019.

BOAHEN, A. A. História geral da África, VII: África sob dominação colonial. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010.

BORGES, C. D; SANTOS, M. A, Aplicações da técnica do grupo focal: fundamentos metodológicos, potencialidades e limites. Rev. SPAGESP, v. 6, n. 1, p. 74-80, 2005. ISSN 1677-2970.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Diversidade Religiosa e Direitos Humanos. Brasília: 2013. Disponível em: http://www.sdh.gov.br/assuntos/bibliotecavirtual/promocao-e-defesa/publicacoes-2013/pdfs/ diversidade-religiosa-e-direitos-humanos. Acesso em 18 set 2019

BURILLE, N. A. A responsabilidade civil do empregador perante o Novo Código Civil. Disponível em: https://www.viaseg.com.br/artigos/artigo_burille.html. Acesso em: 18 set. 2019.

CAPETTI, P.; CANÔNICO, M. A. Denúncias de ataques a religiões de matriz africana sobem 47% no país. Jornal O Globo, 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/denuncias-de-ataques-religioes-de-matriz-africana-sobem-47-no-pais-23400711r. Acesso em: 16 set. 2019.

CARDOSO, C. M. Tolerância e seus limites: um olhar latino-americano sobre diversidade e desigualdade. Sao Paulo: Editora UNESP, 2003.

CHANG, K. K. What companies can do when work and religion conflict. Harvard Business Review, 2016.

Disponível em: https://hbr.org/2016/03/what-companies-can-do-when-work-and-religion-conflict. Acesso em: 18 set. 2019.

CÓDIGO CIVIL. Artigo 932 da Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União, Brasília, 11 jan. 2002. Disponível em: < https://www.jusbrasil.com.br/busca?q=Art.+932+do+C%C3%B3digo+Civil> Acesso em 18 set. 2019.

CÓDIGO PENAL. Artigo 208 do Decreto Lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Diário Oficial da União, Brasília, 31 dez. 2002. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/topicos/10612290/artigo-208-do-decreto-lei-n-2848-de-07-de-dezembro-de-1940. Acesso em 18 set. 2019.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Constituição Da República Federativa Do Brasil De 1988, artigo 5º, inciso VI, 1988. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/CON1988_05.10.1988/art_5_.asp. Acesso em: 18 set. 2019.

CUSTÓDIO, T.; LOUREIRO, G. Você é racista – só não sabe disso ainda. Galileu, 2015

Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2015/10/voce-eracista-so-nao-sabe-disso-ainda.html. Acesso em: 18 SET. 2019.

DAVEL, E.; VERGARA, S. C. Gestão com Pessoas e Subjetividade. 7. ed. Sao Paulo: Atlas, 2014.

Dicionário Michaelis. Disponível em: Acesso em: 18 SET. 2019.

DICIONÁRIO MICHAELIS. Descrição da palavra “discriminação”. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/ busca/portuguesbrasileiro/preconceito/. Acesso em: 18 set. 2019.

FERRETTI, S. E. Sincretismo afro-brasileiro e resistência cultural. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v. 4, n. 8, p. 182-198, jun. 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010471831998000100182&lng=en&nrm=iso. Acesso em 17 set. 2019.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Bahia, 2003.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação Antirracista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03/ Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Coleção Educação para Todos, 2005. (Coleção Educação para Todos).

HARDT, M. A sociedade mundial de controle. In: ALLIEZ, E. Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Editora 34, 2000.

JUNIOR, C. P. História Econômica do Brasil. 26. ed. Editora Brasiliense, 1979.

LIVRARIA FOLHA. Cientista social analisa o preconceito por trás das piadas. 2012. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/livrariadafolha/1187940-cientistasocial-analisa-o-preconceito-por-tras-das-piadas.shtml. Acesso em: 18 set. 2019.

MARINGONI, G. O destino dos negros após a abolição. São Paulo: Edição 70, 2011. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=comcontent &id=2673%3A catid%3D28&Itemid=23. Acesso em: 18 set. 2019.

NUNES, L. P. Vozes d’África: intolerância religiosa no ambiente de trabalho. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/18498. Acesso em: 19 set 2019

OIT. Convenções da Organização Internacional do Trabalho, Convenção n.111. 1965. Disponível em: https://www.trtsp.jus.br/geral/tribunal2/LEGIS/CLT/OIT/OIT_111.html. Acesso em: 18 set. 2019.

OLIVEIRA, A. M. de. Preconceito, estigma e intolerância religiosa: a prática da tolerância em sociedades plurais e em Estados multiculturais. Rev. do Progr. De Pós- Graduação em Sociologia da UFPE, Pernambuco, v. 13, n. I, p. 239-264, set. 2007. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revsocio/index.php/revista/issue/view/18. Acesso em: 17 set. 2019.

OLIVEIRA, R. de S. da C. Intolerância religiosa na escola: uma reflexão sobre estratégias de resistência à discriminação religiosa a partir de relatos de memórias de adeptos da Umbanda. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/24167/24167.PDF. Acesso em: 19 set 2019.

POSSEBON, R. M. A reação das religiões de matriz africana no rio grande do Sul: conflitos com neopentecostais e defensores dos animais. 2007. 175 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/4740. Acesso em 19 set. 2019

SANTOS, B. I. dos S. et al. (Orgs.). Intolerância religiosa no Brasil: relatório e balanço = Religious intolerance in Brazil: report account. Edição bilíngue. Rio de Janeiro: Klíne: CEAP, 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2018/08/relatoriofinal-port-2.pdf. Acesso em: 19 set. 2019.

SARAIVA, A. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. Agência IBGE Notícias, 2017. Disponível em: https/://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agenciade-noticias/noticias/18282-pnad-c-moradores. Acesso em: 18 set. 2019.

SARAIVA, L. A.; IRIGARAY, H. A. Políticas de Diversidade nas Organizações: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 49, n. 3, p 337-348, jul./set. 2009. Disponível em: https://www.academia.edu/ 4127696/Pol%C3%ADticas_de_diversidade_nas_organiza%C3%A7%C3%B5es_uma_quest%C3%A3o_de_discurso. Acesso em: 19 set. 2019.

SECAD. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei federal nº 10639/03. Brasília, 2005. Disponível em: http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/bib_volume2_educacao_anti_racista_caminhos_abertos_pela_lei_federal_10639_2003.pdf. Acesso em: 17 set. 2019

SILVA, R. B. da. Discriminação religiosa no ambiente de trabalho. ANIMA: Revista Eletrônica do Curso de Direito das Faculdades OPET, Curitiba, Ano III, n. 8, p. 153-179, jul./dez. 2012. ISSN 2175-7119.

THIRY-CHERQUES, H. R. Sobreviver ao trabalho. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

TRAMONTE, C. Bases históricas da consolidação das religiões afrobrasileiras: embates e estratégias do “Povo De Santo” em Santa Catarina. Revista Brasileira de História das Religiões, Florianópolis, v. 5, n. 5, p. 1-24, set. 2012. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RbhrAnpuh/article/view/30239. Acesso em: 18 set. 2019.

VIEIRA, B. M. Aumenta o número de denúncias de discriminação contra adeptos de religiões de matriz africana em 2018 no país. G1, São Paulo, 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2018/11/19/aumentanumero-de-denuncias-de-discriminacao-contra-adeptos-de-religioes-de-matrizafricana-em-2018-no-pais.ghtml. Acesso em: 18 set. 2019.




DOI: https://doi.org/10.30715/doxa.v22iesp.1.14137

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

 

 

 

 

DOXA: Rev. Bras. Psicol. Educ., Araraquara, São Paulo, Brasil, e-ISSN: 2594-8385

DOI: 10.30715/doxa

Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.