Análise da educação brasileira em face ao estudo da sexualidade

Marginalização da educação sexual na BNCC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v23i00.15558

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Educação, Marginalização

Resumo

O presente trabalho visa analisar a marginalização da Educação Sexual na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) em face aos preceitos de educação, das políticas públicas existentes e dos princípios de cidadania existentes e garantidos aos cidadãos. Busca-se estudar as relações estabelecidas entre a BNCC e os currículos subnacionais, com políticas públicas aplicadas. As experiências escolares em Educação Sexual no Brasil datam de 1990 e, desde então, diversas pesquisas demonstram a precariedade na formação inicial e continuada quanto à formação, discussão e conhecimento acerca da Educação Sexual, desde a ausência de disciplinas, até a carência de discussão da sexualidade de forma ampla, tornando-se um tabu e razão para preconceito e ações de exclusão social. Nesse sentido, discutir, tornar possível o espaço disciplinar e extra disciplinar torna-se medida pública e social devida para a redução da marginalização e exclusão social ocasionada pela falta de conhecimento e acesso amplo à informação, destacando-se as ações públicas aplicáveis a educação e a sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Luiz Sartori, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP – Brasil

Doutorando em Mudança Social e Participação Política.

Referências

ANTRA. IBTE. Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. São Paulo: Expressão Popular; ANTRA; IBTE, 2021. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2021/01/dossie-trans-2021-29jan2021.pdf. Acesso em: 15 fev. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm. Acesso em: 17 jan. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF: MEC; SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 12 mar. 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC; SEF, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Superior. Programa de Educação Tutorial: Manual de Orientações Básicas. Brasília, DF: MEC; SES, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pet/manual-de-orientacoes. Acesso em: 14 jan. 2021.

BRASIL Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 20 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 2 de 1 de julho de 2015. Define as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Brasília, DF: MEC; CNE, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 08 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Educação Sexual: Retomando uma proposta, um desafio. 3 ed. Londrina: Eduel, 2010.

FIGUEIRÓ, M. N. D (Org.). Educação sexual: múltiplos temas, compromisso comum. Londrina: UEL, 2009.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade do saber. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1997.

FURLANI, J. O bicho vai pegar: Um olhar pós-estruturalista à educação sexual a partir de livros paradidáticos infantis. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

FURLANI, J. Educação Sexual - Quando a articulação de múltiplos discursos possibilita sua inclusão curricular. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 283-317, 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/download/2175-795x.2008v26n1p283/9573/30861. Acesso em: 20 jan. 2021.

JESUS, B. et al. Diversidade sexual na escola: Uma metodologia de trabalho com adolescentes e jovens. ed. esp. São Paulo: ECOS - Comunicação em Sexualidade, 2008.

KURY, G. Minidicionário da Língua Portuguesa Gama Kury. 1. ed. São Paulo: FTD, 2010.

MICHALISZYN, M. S. Educação e Diversidade. Curitiba: IBPEX, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos. Acesso em: 20 jan. 2021.

PINTO, E. B. Orientação Sexual na Escola: A importância da Ç. Psicopedagogia nessa nova realidade. São Paulo: Gente,1999.

RANGÉ, B. Psicoterapia Comportamental e Cognitiva: transtornos psiquiátricos. 2. ed. São Paulo: Livro Pleno, 2001.

VITIELLO, N. A educação sexual necessária. Revista Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana, n. 6, v. 1, p. 15-28, 1995. Disponível em: https://www.rbsh.org.br/revista_sbrash/article/view/793. Acesso em: 10 nov. 2020.

WEREBE, M. J. G. Sexualidade, Política e Educação. Campinas, SP: Editora Autores Associados, 1998.

Publicado

30/06/2022

Como Citar

SARTORI, T. L. Análise da educação brasileira em face ao estudo da sexualidade: Marginalização da educação sexual na BNCC. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 23, n. 00, p. e022001, 2022. DOI: 10.30715/doxa.v23i00.15558. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/15558. Acesso em: 11 ago. 2022.