O papel do Projeto Artesanato Sustentável sobre questões de gênero e diversidade que adentram os portões da escola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v24i00.17613

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Artesanato Sustentável, Gênero, Diversidade

Resumo

O presente texto traz um relato de experiência vivenciado no desenvolvimento de um projeto de educação ambiental realizado numa escola pública municipal de ensino fundamental da zona leste de São Paulo. Intitulado de Artesanato Sustentável, o referido projeto teve como premissa desenvolver a consciência ambiental e preconizar práticas de responsabilidade social que visem o reaproveitamento de resíduos sólidos urbanos. No entanto, no decorrer do seu desenvolvimento, o fazer artesanal se configurou como uma potente estratégia para discussão de questões relativas a gênero, sexualidade e diversidade sexual. Neste sentido, o objetivo central do presente trabalho é apresentar as contribuições do Projeto Artesanato Sustentável no combate aos discursos reguladores que produzem desigualdades no âmbito da diversidade humana. Essa experiência oportunizou conhecer outras perspectivas para abordagem da temática diversidade sexual na escola e ressignificar sentido da resistência no que tange o trabalho com a educação sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane da Silva Vicente, Universidade Nove de Julho

Professora de Ensino Fundamental II e Médio na rede Municipal de São Paulo. Doutora em Educação.

Referências

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

CARVALHO, I. C. de M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2008.

LOURO, G. L. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estrutralista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOURO, G. L. et al. O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. 2 ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2003.

LOURO, G. L. et al. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MAIA, A. C. B.; RIBEIRO, P. R. M. Educação Sexual: Princípios para ação. Doxa: Revista Paulista de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 75-84, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Orientação Técnica Internacional sobre Educação em Sexualidade: Uma abordagem baseada em evidências para escolas, professores e educadores em saúde. Brasília: Divisão de coordenação das prioridades da ONU em educação, 2010.

SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Pedagógica. Currículo da Cidade. Ensino Fundamental: Ciências Naturais. São Paulo: SME / COPED, 2017.

SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (org.). Educação ambiental. Porto Alegre: Artmed, 2005.

VICENTE, L. da S. A educação sexual nos documentos curriculares e na perspectiva de professores do ensino fundamental. 2021. 348 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2021.

Publicado

05/10/2023

Como Citar

VICENTE, L. da S. O papel do Projeto Artesanato Sustentável sobre questões de gênero e diversidade que adentram os portões da escola. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 24, n. 00, p. e023018, 2023. DOI: 10.30715/doxa.v24i00.17613. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/17613. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiências