Políticas de inclusão e formação de educadores indígenas Xetá no Paraná: aprendizagem e revitalização cultural

Rosangela Celia Faustino, Maria Christine Berdusco Menezes, Maria Simone Jacomini Novak

Resumo


Apresentamos neste texto resultados de uma experiência interinstitucional e multidisciplinar em formação de educadores indígenas e revitalização sociocultural com o povo Xetá no Paraná, em parceria com gestores da CEEI/SEED – Secretaria de Estado da Educação do Paraná por meio de um projeto de reconhecimento e inclusão social, financiado pelo MINC/CAPES. A formação ocorreu no período de 2010 a 2012, contou com a identificação e sistematização de estudos e fontes existentes sobre os Xetá, registro de novas informações de campo, formação de Grupo de Trabalho, cursos, visitas técnicas, elaboração de vocabulário e materiais didáticos bilíngues. Em decorrência da participação no projeto, os Xetá, que se encontram em processo de reorganização sociocultural e luta pela demarcação do território, criaram uma instituição educativa específica e diferenciada, onde fazem a gestão dos estudos e desenvolvem ações de revitalização cultural e linguística. Os resultados apontam que a formação contribuiu com a maior autonomia e organização de pesquisas, que estão sendo feitas pelos próprios Xetá, sobre sua história, língua e cultura.


Palavras-chave


Formação de educadores; Indígenas Xetá; Revitalização Cultural.

Texto completo:

PDF XML

Referências


BARROS, M. C. D. M. Educação bilíngue, linguística e missionários. Em Aberto. Brasília, v.14, n.63, jul./set. 1994.

BLAGONADEZHINA, L. V.; Las emociones y lós sentimientos. In: SMIRNOV, A. N. et al. Psicologia. Mexico: GRIJALBO, 1969.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico, 2000. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 08 de nov. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (INEP). Estatísticas sobre educação escolar indígena no Brasil. Brasília, DF, 2007. Disponível em:http://www.publicacoes.inep.gov.br/arquivos/%7B7BF2B332-7B8F-44A5-9F2A-282D5E57FB24%7D_2educacaoindigenabrasil.pdf. Acesso em: 14 set. 2017.

CHAVES, M. Enlaces da Teoria Histórico-Cultural com a literatura infantil. In: CHAVES, M.(Org). Práticas pedagógicas e literatura infantil. Maringá: Eduem, 2011.

CIMI. Conselho Indigenista Missionário. Violência contra os povos indígenas no Brasil. Relatório 2006-2007. Brasília, 2007. Disponível em: http://www.estadao.com.br/ext/especiais/2008/04/parte1.pdf. Acesso em: 12 mar. 2017.

DESHERIEV, Y. D. Progreso social y sociolinguística. Revista Internacional de Ciencias Sociales. v. XXXVI, n. 1, 1984.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes para a política de educação escolar indígena. Cadernos Educação Básica. Serie Institucional 2. Brasília: MEC/SEF, 1993. p. 22.

GOVERNO DO PARANÁ. Estratégia de participação dos povos indígenas no projeto multissetorial para o desenvolvimento do Paraná. (SEPL, SEAB, SEED, SESA). Curitiba, 2012. Disponível em: http://www.sepl.pr.gov.br/arquivos/File/EPPI_ABR_2012_Indigena.pdf. Acesso em: 12 mar. 2017.

FAUSTINO, R. C. Política educacional nos anos de 1990: o multiculturalismo e a interculturalidade na educação escolar indígena. 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

FAUSTINO, R. C. Os processos educativos no Brasil e seus projetos para a civilização e inclusão indígena. Revista HISTEDBR On-line, v. 41, p. 188-208, 2011.

FAUSTINO, R. C. CHAVES, Marta; et al. (Org.). Jané Rekó Paranuhá: narrativas Xetá. Maringá: Eduem, 2013, p. 80.

ISA - INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Povos indígenas no Brasil. Disponível em: http://www.socioambiental.org/pib/index.html. Acesso em: 10 mar. 2017.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LURIA, A. R. A atividade consciente do homem e suas raízes histórico-sociais. In: LURIA, A. R. Curso de psicologia geral. 2. ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1991. vol I.

MOTA, L. T. As guerras dos índios Kaingang: a história épica dos índios Kaingang no Paraná (1769 - 1924). 2. ed. Maringá: Eduen, 2009. p. 301.

MOTA. L. T. Os Xetá no vale do rio Ivaí 1840-1920. Maringá: Eduen, 2013.

NIMUENDAJU, C. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo: HUCITEC; Editora da Universidade de São Paulo, 1987.

NOGUEIRA, S. M. de A. As grandes conferências da década de 90, as diretrizes da política educacional e o ensino fundamental: uma abordagem. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v.9, n. 33, out./dez. 2001.

NOVAK, M. S. J. Os Organismos Internacionais, a Educação Superior para Indígenas nos anos de 1990 e a Experiência do Paraná: Estudo das Ações da Universidade Estadual de Maringá. 342 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2014.

ONG, W. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. São Paulo: Papirus, 1998.

PARANÁ. Instituto de Terras Cartografia e Geociências. Presença Indígena no Estado do Paraná. (Mapa) 2009. Disponível em: http://www.itcg.pr.gov.br/arquivos/File/Produtos_DGEO/Mapas_ITCG/PDF/presenca_indigena_parana_A1.pdf. Acesso em: 12 mar. 2017.

PARANÁ. Secretaria de Estado de Educação. Boletim: Resultados do Censo Escolar. Educação Indígena no Paraná 2013. Curitiba, n. 8, out. 2014.

RODRIGUES, A. Dall’Igna.; et al. Vocabulário ilustrado Xetá: Nané paranuhá hajkã pahá hatánitej. Maringá: Eduem, 2013, 113p.

SAVIANI, N. Parâmetros Curriculares Nacionais: o que dispõem para o Ensino Fundamental? Curitiba: Caderno Pedagógico, nº 2, APP, 1999 - p. 21-29.

SILVA, C. L. da. Sobreviventes do extermínio: uma etnografia das narrativas e lembranças da sociedade Xetá. 1998. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

SILVA, C. L. da. Em busca da sociedade perdida: o trabalho da memória Xetá. 2003. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília, Brasília. 2003.

TULESKI, S. C. Vygotski: a construção de uma psicologia marxista. 2. ed. Maringá: EDUEM, 2008.

UNESCO/OREALC. Educação intercultural bilíngue. In. ___ Balanço dos 20 anos do Projeto Principal de educação na América Latina e no Caribe. VII Reunião do Comitê Regional Intergovernamental do Projeto Principal de Educação: Documento de Trabalho. 2001.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. TRad. Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009a.

VIGOTSKI, L. Se. A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009b.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.n.1.2018.10744



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.