O papel do professor como intelectual orgânico à luz de Gramsci

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v23i1.11709

Palavras-chave:

Professor, Intelectual orgânico, Antônio Gramsci.

Resumo

O papel do professor como intelectual orgânico se dá num campo de batalha, que é a própria escola. Essa disputa refere-se à produção de uma concepção de mundo que seja coerente, articulado e orgânico de acordo com a vontade popular, a partir das relações pedagógicas entre todos os indivíduos que constituem o trabalho educativo vivo. Objetivamos compreender o papel do professor enquanto intelectual orgânico vinculado à escola envolvida no contexto de questões sociais, políticas e econômicas. Desenvolve-se o conceito de intelectual orgânico para a filosofia de Antônio Gramsci relacionando com a função do professor na sociedade capitalista. Neste texto, utiliza-se o ensaio científico como estratégia metodológica. Ademais, entende-se que quando houver a unidade entre teoria e prática no trabalho do professor, a práxis, o mesmo exercerá a função de intelectual orgânico vinculado às necessidades materiais e imateriais do grupo social na qual se faz parte, desta forma, o professor poderá ter sucesso no seu engajamento científico-filosófico, educativo-cultural e ético-político.

Biografia do Autor

Rogério de Morais, Universidade Federal de São Carlos - campus - Sorocaba

Mestre em Educação pela Uiversidade Federal de São Carlos - campus - Sorocaba.

Arlindo Lins de Melo Júnior, Universidade Federal de São Carlos (UFsCar) - Campus sorocaba

Mestrando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR).

 

Tiago Cesar Domingues, Universidade Federal de São Carlos - campus - Sorocaba.

Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Carlos - campus - Sorocaba.

Referências

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere – volume 1: Introdução ao estudo da filosofia; A filosofia da Benedetto Croce. Ed. e trad. de Carlos N. Coutinho, co-edição de Luiz S. Henriques e Marco A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere – volume 2: Os intelectuais; o princícpio educativo; jornalismo. 2° Ed. Trad. de Carlos N. Coutinho, co-edição de Luiz S. Henriques e Marco A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere – volume 4: Antonio Gramsci: Temas de cultura. Ação Católica. Americanismo e Fordismo. Trad. de Carlos N. Coutinho; co-edição de Luiz S. Henriques e Marco A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere – volume 5: Antonio Gramsci: O Risorgimento: notas sobre a história da Itália. Trad. de Luiz Sérgio Henriques; co-edição Carlos Nelson Coutinho e Marcos A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere – volume 6: Antonio Gramsci: Literatura e Folclore. Trad. de Luiz Sérgio Henriques, Carlos Nelson Coutinho e Marcos A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere – volume 3: Antonio Gramsci: Maquiavel; notas sobre o Estado e a política. 3° Ed. Trad. de Carlos N. Coutinho; co-edição de Luiz S. Henriques e Marco A. Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

BRASIL. LDB nº9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Brasília, MEC/SEESP, 1996.

CARDOSO, Mario Mariano; MARTINS, Marcos Francisco. A catarse na Pedagogia histórico-crítica. Revista HISTEDBR Online. Campinas, n. 57, p. 146-164, jun. 2014.

MARTINS, Marcos Francisco. Gramsci, os intelectuais e suas funções científico-filosófica, educativo-cultural e política. Revista Pro-posições. Campinas, v. 22, n. 3, p. 131-148, set/dez. 2011.

MARTINS, Marcos Francisco. Gramsci, Filosofia e Educação. Revista UEPG online, Ponta Grossa, v. 8, n.1, p. 13-40, jan./jun. 2013.

MIGUEL, Maria Elisabeth Blanck. O pensamento pedagógico de Gramsci. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 3, n. 7, p. 63-73, set./dez. 2002.

MIRANDA, Flavine Assis. Desigualdade social e dualidade escolar: os programas de aceleração da aprendizagem e a escola unitária em Gramsci. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v.4, n.4, p. 01-44, jan./abr. 2007.

NOSELLA, Paolo; AZEVEDO, Mário Luiz Neves. A educação em Gramsci. Rev. Teoria e Prática da Educação, v. 15, n. 2, p. 25-33, 2012.

SAVIANI. Dermeval. Educação Brasileira: estrutura e sistema. Campinas: Autores Associados, 2012.

SAVIANI. Dermeval. Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SEMERARO, Giovanni. Intelectuais orgânicos: atualidade e contraponto. In: 29ª Reunião anual da associação nacional de pós-graduação e pesquisa em educação (ANPED) n. 17, p. 01-16., Caxambu - MG. 2000

SEMERARO, Giovanni. Intelectuais “orgânicos” em tempos de pós- modernidade. Cadernos Cedes. Campinas, v. 26, n. 70, p. 373-391, 2006.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2011.

Publicado

02/01/2019

Como Citar

Morais, R. de, Melo Júnior, A. L. de, & Domingues, T. C. (2019). O papel do professor como intelectual orgânico à luz de Gramsci. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 23(1), 147–159. https://doi.org/10.22633/rpge.v23i1.11709

Edição

Seção

Artigos