Desenvolvendo o talento musical na educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v23i3.12369

Palavras-chave:

Educação, Educação Especial, Educação Musical, Talento musical.

Resumo

A educação musical e a atenção especializada aos estudantes com talento estão previstas pela Lei nº 13.278/16 e pela Lei 13.234/15, ambas com origem na Lei nº 9394/96. Porém, muitos estudantes brasileiros não têm acesso à educação musical e, tampouco, a atenção educacional especializada. Se a disciplina de música fosse implementada em todas as escolas, como acontece com educação física e artes, muitos estudantes poderiam se beneficiar desse ensino, ser identificados e desenvolver suas potencialidades. Por isso, o objetivo deste ensaio teórico é levantar uma discussão a respeito da importância do ensino de música e do desenvolvimento do talento musical, para que esse assunto possa ser cada vez mais discutido e, talvez, possa mobilizar gestores da educação básica e do ensino superior para a relevância dessa modalidade de ensino para o desenvolvimento humano e, no caso do talento musical, qualidade de vida e oportunidade para aqueles que o manifesta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Oliveira Koga, Universidade Estadual Paulista

Graduada em instrumento piano - Universidade do Sagrado Coração. Licenciatura em Educação Musical - Universidade do Sagrado Coração. Epecialização em Psicopedagogia clínica - Faculdade Paulista. Mestre em Educação - UNESP, campus de Marília. Doutora em Educação - UNESP, campus de Marília

 

Rosa Maria Tolon, Universidade Sagrado Coração

Licenciada em Música, Piano, pelo Instituto Superior de Artes de Havana (1982). Doctor Of Philosophy (Ph.D) in Art Sciences, pela Russian Academy of Music, (1994). Doutora em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com reconhecimento em 2006.

Referências

AMATO, R. C. F. Breve retrospectiva histórica e desafios do ensino de música na educação básica brasileira. Revista Opus, São Paulo, v. 12, p. 144 – 166, dezembro de 2006.

BATRES, E.; GAINZA, V. H. La formación del educador musical latino-americano. Guatemala: Avanti – FLADEM, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 24 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, referente ao ensino de arte. Brasília, 02 de maio de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm. Acesso em: 01 out. 2018.

FONTERRADA, M. T. O. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: Funarte, 2008.

GARDNER, H. Frames of mind. New York: Perseus, 1993.

GORDON, E. E. Teoria da aprendizagem musical: competências, conteúdos e padrões. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

GORDON, E. E. Teoria de aprendizagem musical para recém-nascidos e crianças em idade pré-escolar. 4ªed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2015.

GUENTHER, Z. Quem são os alunos dotados? Reconhecer dotação e talento na escola. In: MOREIRA, L. C.; STOLTZ, T. Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, p. 63 – 83, 2012.

HAROUTOUNIAN, J. Kindling the spark: recognizing and developing musical talent. New York: Oxford University Press, 2002.

ILARI, B. Música na infância e adolescência: um livro para pais, professores e aficionados. Curitiba: Intersaberes, 2013.

KIRNARSKAYA, D. The natural musician: on abilities, giftedness and talent. Trad. do russo por Mark H Teeter. New York: Oxford, 2004.

KIRNARSKAYA, D. How to Predict Professional Success in Music and Beyond? Constructing Universal Talent's Structure for the Best Vocational Choices. Japão: The international academy forum, 2013.

PENNA, M. Música (s) e seu ensino. Porto Alegre: Sulina, 2008.

RENZULLI, J. S. A concepção de superdotação no modelo dos três anéis: um modelo de desenvolvimento para a promoção da produtividade criativa. Tradução de Lucila Adam; Maria Clara. Connolly. In: VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E. C. (Orgs.) Altas Habilidades/superdotação, inteligência e criatividade. Campinas: Papirus, p. 219-264, 2014.

RENZULLI, J. S. Reexamining the role of gifted education and talent development for the 21 st century: a four-part theoretical approach. In: RENZULLI, J. S; REIS, S. (Orgs). Reflections on gifted education. Texas: Prufrock, p. 31 – 51, 2016.

RUBINSTEIN, J. L. Principios de Psicologia general. Trad. Sarolta Trowsky. México: Grijalbo, 1967.

SOLOMON, A. Longe da árvore: Pais, filhos e a busca da identidade. São Paulo: Companhia das letras, 1987.

TERRASSIER, J. C. Les enfants surdoués: ou la précocité embarrassante. 9. ed. Paris: ESF, 1981.

TEPLOV, B. M. Psychologie des aptitudes musicales. Paris: Press universitaires de france, 1966.

TORRANCE, E. P. Criatividade: medidas, testes e avaliações. Trad. Aydano Arruda. São Paulo: IBRASA, 1976.

WINNER, E. Crianças sobredotadas: mitos e realidades. Trad. Sandra Costa. Porto Alegre: Artmed, 1996.

Publicado

15/08/2019

Como Citar

KOGA, F. O.; TOLON, R. M. Desenvolvendo o talento musical na educação básica. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 3, p. 623–637, 2019. DOI: 10.22633/rpge.v23i3.12369. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/12369. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos