Escala de Capital Cultural

Evidências de validade baseadas na estrutura interna

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v28i00.18185

Palavras-chave:

Capital cultural, Evidências de validade, Estrutura interna, Análise fatorial

Resumo

Este estudo visa validar a Escala de Capital Cultural nas Interações Familiares por meio de evidências de validade, centrando-se na estrutura interna do instrumento desenvolvido pelos autores. O capital cultural, conforme delineado pela teoria bourdiesiana, é considerado um conjunto de ativos culturais e sociais adquiridos no ambiente doméstico, e sua relação direta com o desempenho escolar dos alunos é destacada. Nessa análise, foi utilizado uma amostra de 11.795 alunos do 5° ano que responderam a um questionário. A coleta dos dados foi feita de forma eletrônica. A Análise Paralela indicou dois fatores: Capital Cultural Estático e Capital Cultural Relacional, com lambda 2 de Guttmam assumindo os valores de 0,702 e 0,845, respectivamente. Calcularam-se os índices UniCO = 0,787, ECV = 0,669 e MIREAL = 0,318. Foi realizado uma Análise Fatorial Exploratória e Análise Fatorial Confirmatória Parcial. Os índices de ajustes CFI = 0,946 e TLI = 0,935, e o índice de resíduo RMSEA = 0,053, as análises de consistência interna, de determinância e replicabilidade dos escores fatoriais nos indicaram evidências de validade para a utilização da Escala de Capital Cultural nas Interações Familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Chaves Nunes, Universidade de Brasília

Doutorando em Psicologia Social do Trabalho e das Organizações - PSTO.

Josemberg Moura de Andrade, Universidade de Brasília

Docente do Programa PSTO.

Referências

AMERICAN EDUCATIONAL RESEARCH ASSOCIATION (AERA); AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION (APA); NATIONAL COUNCIL ON MEASUREMENT IN EDUCATION (NCME). The Standards for educational and psychological testing. Washington: American Educational Research Association, 2014.

AMBIEL, R. A. M.; CARVALHO, L. F. Definições e papel das evidências de validade baseadas na estrutura interna em psicologia. In: DAMÁSIO B. F.; BORSA, J. C. (org.). Manual de desenvolvimento de instrumentos psicológicos. São Paulo: Vetor Editora Psico-pedagógica, 2017. p. 85-100.

ANDRADE, J. M.; VALENTINI, F. Diretrizes para a Construção de Testes Psicológicos: a resolução CFP nº 009/2018 em destaque. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, DF, v. 38, n. esp., p. 28-39, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703000208890. Acesso em: 06 maio 2023.

BANDURA, A. Social learning theory. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1977.

BOURDIEU, P. Los tres estados del capital cultural. Sociológica, v. 2, n. 5, 1987. Disponível em: http://www.sociologicamexico.azc.uam.mx/index.php/Sociologica/article/view/1043/1015. Acesso em: 06 maio 2023.

BOURDIEU, P. Capital cultural, escuela y espacio social. 2. ed. España: Siglo XXI editores, 1998a.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (org.). Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998b. p. 39-64.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 2018.

BOURQUE, J. et al. L’alpha de Cronbach est l’un des pires estimateurs de la consistance interne: une étude de simulation. Revue Des Sciences de L’éducation, v. 45, n. 2, p. 78-99, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7202/1067534ar. Acesso em: 6 maio 2023.

CROSSLEY, N. Classe Social. In: GRENFELL, M. (ed.). Pierre Bourdieu: conceitos fundamentais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

DAMÁSIO, B. F. Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação Psicológica, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 213–228, 2012.

DAMÁSIO, B. F.; DUTRA, D. F. Análise fatorial exploratória: Um tutorial com o software Factor. In: DAMÁSIO B. F.; BORSA, J. C. (org.). Manual de desenvolvimento de instrumentos psicológicos. São Paulo: Vetor Editora Psico-pedagógica, 2017. p. 241-265.

DEVELLIS, R. F. Scale Development: theory and Applications. 4. ed. Los Angeles: Sage Publications, 2017.

DIMAGGIO, P. Cultural capital and school success: the impact of status culture participation on the grades of U.S. high school students. American Sociological Review, New York, v. 47, n. 2, p. 189-201, 1982. Disponível em: https://doi.org/10.2307/2094962. Acesso em: 10 maio 2023.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAYTON, J. C.; ALLEN, D. G.; SCARPELLO, V. Factor retention decisions in exploratory factor analysis: a tutorial on parallel analysis. Organizational Research Methods, v. 7, n. 2, p. 191-205, 2004.

JAEGER, M. M.; KARLSON, K. Cultural capital and educational inequality: a counterfactual analysis. Sociological Science, v. 5, p. 775–795, 2018. Disponível em: https://sociologicalscience.com/articles-v5-33-775/. Acesso em: 10 mar. 2023.

JESUS, G. R.; RÊGO, R. M. D. L.; SOUZA, V. V. Evidências de validade de conteúdo da prova de psicologia do Enade. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 29, n. 72, p. 858-884, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.18222/eae.v29i72.4897. Acesso em: 10 mar. 2023.

MAROCO, J.; GARCIA-MARQUES, T. Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas. Laboratório de Psicologia, v. 4, n. 1, p. 65–90, 2006.

PACICO, J. C.; HUTZ, C. S. Validade. In: HUTZ, C. S.; BANDEIRA, D. R.; TRENTINI, C. M. (org.). Psicometria. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 71-84.

PASQUALI, L. Análise Fatorial para Pesquisadores. Rio de Janeiro: LabPam, 2012.

ROGERS, P. Melhores práticas para sua análise fatorial exploratória: Tutorial no Factor. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 26, n. 6, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2022210085.por. Acesso em: 8 maio 2023.

SEVA-LORENZO, U.; FERRANDO, P. J. Factor: A computer program to fit the exploratory factor analysis model. Behavior Research Methods, v. 38, n. 1, p. 88–91, 2006.

SIEBEN, S.; LECHNER, C. M. Measuring cultural capital through the number of books in the household. Measurement Instruments for the Social Sciences, v. 1, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s42409-018-0006-0. Acesso em: 08 mar. 2023.

TIMMERMAN, M. E.; LORENZO-SEVA, U. Dimensionality assessment of ordered polytomous items with parallel analysis. Psychological Methods, v. 16, n. 2, p. 209–220, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1037/a0023353. Acesso em: 12 maio 2023.

TRAMONTE, L.; WILLMS, J. D. Cultural capital and its effects on education outcomes. Economics of Education Review, v. 29, n. 2, p. 200–213, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.econedurev.2009.06.003. Acesso em: 05 fev. 2023.

VALENTINI, F., LAROS, J. A.; MOSE, L. B. Validity evidence of the Abstract and Spatial Reasoning Test. Trends in Psychology, v. 29, n. 1, p. 139–154, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s43076-020-00056-w. Acesso em: 5 fev. 2023.

Publicado

26/02/2024

Como Citar

NUNES, A. C.; ANDRADE, J. M. de. Escala de Capital Cultural: Evidências de validade baseadas na estrutura interna. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 28, n. 00, p. e023006, 2024. DOI: 10.22633/rpge.v28i00.18185. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/18185. Acesso em: 23 abr. 2024.