As trajetórias escolares: percepções de crianças/alunos e professoras

Luciana Ponce Bellido Giraldi

Resumo


Pode-se dizer que há dois eixos centrais que perpassam o conceito de infância. O primeiro é a socialização, atrelada principalmente às instituições sociais, como a escola e a família, em que adultos ensinam maneiras de ser e agir em sociedade para a manutenção e coesão da mesma. E, o segundo, é a individualização, na qual a criança é um sujeito de direitos e um protagonista social. Permeados pela socialização e individualização, entender as percepções que crianças/alunos podem formular sobre o próprio processo escolar se tornou um eixo de fundamental importância para a compreensão de trajetórias escolares. De tal modo, o objetivo deste texto consistiu em apreender a percepção de duas crianças/alunos sobre as experiências e desempenhos escolares apresentados por eles no decorrer de parte do Ensino Fundamental I e relacionar tais percepções a de professores que ministraram aulas para eles. Trata-se de uma pesquisa de mestrado e doutoramento que acompanhou em 2009, 2011 e 2012 - no 2º, 4º e 5º ano, uma menina e um menino, com sete a dez anos de idade, que foram indicados no 2º ano pela professora responsável pela turma deles como estudantes que apresentavam desempenhos medianos. Configurou-se como um estudo longitudinal qualitativo que utilizou como instrumento de coleta de dados a análise de documentos escolares, observações de aulas e entrevistas com professores e alunos (neste caso foram empregadas estratégias lúdicas). Além disso, os estudantes também responderam a um questionário e produziram um texto autobiográfico para relatar as experiências que mantinham com a escola. Foi possível concluir que os dois alunos expuseram suas percepções sobre os desempenhos escolares e experiências vivenciadas no contexto escolar desde o 2º ano de escolarização, as quais nem sempre corroboraram com indicações dadas por professores. Os dois alunos/crianças demonstraram preocupações com a possibilidade de acesso a determinadas escolas, em detrimento de outras, na sequência do processo de escolarização.


Palavras-chave


Trajetórias escolares. Percepções de alunos/crianças. Ensino Fundamental I.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANTES, P. As transições entre ciclos de ensino: entre problema social e objecto sociológico. Interacções, Lisboa, n.1, p.25-53, 2005.

ARIÈS, P. A história social da criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Ed., 1994.

BRASIL. Lei n.8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm. Acesso em: 21 nov. 2017.

CALARCO, J. M. I need Help!: social class and children’s help seeking in elementary school. American Sociological Review, Washington, v.76, n.6, p. 862-882, 2011.

GIMENO SACRISTÁN, J. O aluno como invenção. Porto Alegre: ARTMED, 2005.

GIRALDI, L. P. B. Percepções sobre trajetórias escolares de alunos do ensino fundamental: os contextos, os tempos e as relações. 2014. 364f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/115980/000809885.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 nov. 2017.

GIRALDI, L. P. B. Os níveis diferenciados de desempenho escolar: analisando estabilidade e mudanças nas concepções e expectativas de professores, familiares e alunos. 2010. 255f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2010.

HAKIM, C. Research design: strategies and choices in the design of social research. London: Routledge, 1997.

KRAMER, S. A infância e sua singularidade. In: BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. do. (Org.) Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. p.13-32.

LAHIRE, B. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: ARTMED, 2004.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1997.

PAYET, J. P. A escola e a modernidade: o risco da etnicidade, o desafio da pluralidade. Análise social, Lisboa, v.40, n.176, p.681-694, 2005.

PORTES, É. A. Trajetórias escolares e vida acadêmica do estudante pobre da UGMG: um estudo a partir de cinco casos. 2001. 267f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

ROMANELLI, G. Levantamento crítico sobre as relações entre família e escola. In: ROMANELLI, G.; NOGUEIRA, M. A.; ZAGO, N. (Org.). Família e escola: novas perspectivas de análise. Petrópolis: Vozes, 2013. p.29-60.

SARMENTO, M. J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação e Sociedade, Campinas, v.26, n.91, p.361-378, maio/ago. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a03v2691.pdf. Acesso em: 21 nov. 2009.

STREIB, J. Class Reproduction by four year olds. Qualitative Sociology, Ann Arbor, v.34, p.337-352, 2011.

VIANA, M. J. B. Longevidade escolar em famílias de camadas populares: algumas condições de possibilidade. In: NOGUEIRA, M. A.; ROMANELLI, G.; ZAGO, N. (Org.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas populares. Petrópolis: Vozes, 2000. p.47-60.

ZAGO, N. Processos de escolarização nos meios populares: as contradições da obrigatoriedade escolar. In: NOGUEIRA, M. A.; ROMANELLI, G.; ZAGO, N. (Org.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas populares. Petrópolis: Vozes, 2000. p.17-43.




DOI: https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10958

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação



 

 

 

 

DOXA: Rev. Bras. Psicol. Educ., Araraquara, São Paulo, Brasil, e-ISSN: 2594-8385, p-ISSN 1413-2060.

DOI: 10.30715/rbpe

Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.