Recrutamentos linguísticos utilizados no Atendimento Educacional Especializado de Língua Portuguesa para surdos: uma prática situada na Educação Básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v6i2.14108

Palavras-chave:

Educação, Língua, Surdos.

Resumo

Objetiva-se investigar quais os usos linguísticos que são recrutados no contexto de ensino e aprendizagem do Atendimento Educacional Especializado (AEE) de Língua Portuguesa (LP) para surdos. Este trabalho caracteriza-se como um estudo de caso. Os resultados indicam que os recrutamentos linguísticos utilizados no AEE de LP para surdos no Ensino Fundamental I da escola em questão referem-se à Libras e à Língua Portuguesa oral e escrita. Além disso, o inglês e o espanhol emergem durante as interações, manifestando-se como uma prática translíngue, transmodal e atravessada pelas mídias digitais.

Biografia do Autor

Aline Olin Goulart Darde, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística.

Lais Oliva Donida, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis – SC

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística. Bolsista CNPq.

Referências

BAKHTIN, M. M.; VOLOSHÍNOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 16. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 abril de 2002. Dispõe Sobre A Língua Brasileira de Sinais - Libras e Dá Outras Providências. Brasília, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 07 dez. 2017.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta A Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, Que Dispõe Sobre A Língua Brasileira de Sinais - Libras, e O Art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 14 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marcos Político-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6726-marcos-politicos-legais&Itemid=30192. Acesso em: 15 set. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 27 fev. 2019.

DAMÁSIO, M. F. M. et al. Formação Continuada a Distância de Professores para o Atendimento Educacional Especializado. Brasília: SEESP/SEED/MEC, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_da.pdf. Acesso em: 29 mar. 2018.

DARDE, A. O. G. Estudantes surdos não falantes da libras e o atendimento educacional especializado: uma análise das políticas públicas de educação inclusiva. Orientadora: Ana Paula de Oliveira Santana. 2018. 221 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018. Disponível em: http://www.bu.ufsc.br/teses/PLLG0749-D.pdf. Acesso em: 01 mar. 2019.

DONIDA, L. O. D. et al. Letramentos Digitais: Mediadores No Processo De Inclusão Educacional? In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO ESCOLAR, 2019, Florianópolis. Anais [...] Campinas: Galoá, 2019. v. 1. Disponível em: https://proceedings.science/cintedes-2019/papers/letramentos-digitais--mediadores-no-processo-de-inclusao-educacional--?lang=pt-br. Acesso em: 30 ago. 2020.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição. 1997.

JORDÃO, C. M. ILA – ILF – ILE – ILG: Quem dá conta? RBLA, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 13-40, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v14n1/a02v14n1.pdf. Acesso em: 01 mar. 2019.

LIMA, H. J.de; REZENDE, T. F. Escritas em português por surdos (as) como práticas de translinguajamentos em contextos de transmodalidade. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 32, p. 1-19, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/38270/html. Acesso em: 07 jun. 2020.

PEREIRA, Maria C. (org). Leitura, escrita e surdez. 2. ed. São Paulo: FDE, 2009.

SANTA CATARINA. Proposta pedagógica de inclusão educacional do colégio de aplicação/UFSC. Universidade Federal de Santa Catarina: CCE/COLÉGIO DE APLICAÇÃO, 2014. Disponível em: https://capl.paginas.ufsc.br/files/2020/08/Proposta-Pedag%C3%B3gica-de-Inclus%C3%A3o-Educacional.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

SANTA CATARINA. Portaria n. 122, de 15 de julho de 2016. Estabelece diretrizes da Política de Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Florianópolis, 2016a. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/diario/pdf/15_07_2016_18.58.51.2b

d025794ec52c29e9f1bfdb4fb.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

SANTA CATARINA. Resolução CCE/SC n. 100, de 13 de dezembro de 2016. Estabelece normas para a Educação Especial no Sistema Estadual de Educação de Santa Catarina. Florianópolis, 2016b. Disponível em:

https://www.cee.sc.gov.br/index.php/legislacao-downloads/educacao-basica/outras-modalidades-de-ensino/educacao-basica/educacao-basica-ensino-especial-resolucoes/1606-resolucao-2016-100-cee-sc. Acesso em: 30 ago. 2020.

SANTA CATARINA. Política de Educação Especial do Estado de Santa Catarina. Florianópolis: Secretaria de Estado da Educação, 2018. Disponível em: http://www.sed.sc.gov.br/documentos/cadernos-sobre-as-diversidades-e-os-temas-que-os-compoem/7379-caderno-politica-de-educacao-especial-neesp. Acesso em: 30 ago. 2020.

SKLIAR, C. A localização política da educação bilíngue para surdos. In: SKLIAR, Carlos (org.). Atualidade da educação bilíngue para surdos: interfaces entre pedagogia e Linguística. Porto Alegre: Editora Mediação, 2016. cap. 1, p. 7-14.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola, 2014.

SVARTHOLM, K. 35 anos de educação bilíngue de surdos - e então? Educ. rev., Curitiba, n. spe. 2, p. 33-50, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000600004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 ago. 2020.

TAVEIRA, C. C.; ROSADO, A. O letramento visual como chave de leitura das práticas pedagógicas e da produção de artefatos no campo da surdez. In: LEBEDEFF, T. (org). Letramento visual e surdez. Rio de Janeiro: Wal Editora, 2017.

Publicado

30/08/2020

Edição

Seção

Artigos