A contribuição da produção de vídeos digitais por discentes de uma escola municipal na construção do conhecimento contextualizado no ensino de ciências

Autores

  • Sebastiao Silva Vieira

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10452

Palavras-chave:

Vídeo digital. Conhecimento contextualizado. Tecnologias digitais. Ensino de ciências.

Resumo

Este trabalho apresenta uma pesquisa de intervenção e participante que analisa como a produção de vídeos digitais por discentes de uma escola municipal traz contribuições para a construção do conhecimento contextualizado no ensino de ciências. Para isso foram usadas referências para atender a quatro campos temáticos: o uso das tecnologias digitais no contexto escolar; a contextualização dos conteúdos no ensino de ciências; comunicação e mediação na escola; e por fim a produção de vídeo digital no ensino de ciências. A metodologia utilizada possui caráter qualitativo, empregando entrevistas semiestruturadas e observação participante. Anteriormente ao início dos trabalhos dos discentes, foram realizadas oficinas de criação de vídeo digitais; em seguida, foi realizada uma entrevista semiestruturada, na fase pós-produção, com os discentes e o docente. Os resultados mostram que a produção de vídeos digitais trouxe contribuições significativas para os discentes, desde a participação na oficina de produção de vídeos, até a etapa de conclusão e apresentação do vídeo digital em sala de aula. Com isso, os discentes utilizaram a produção do vídeo digital como uma metodologia diferenciada, fonte de pesquisa e produção de conhecimento. Discentes realizadores, aprendizes e autores na elaboração do vídeo, pesquisando informações referentes ao conteúdo, realizando leituras, planejando a produção, o “roteiro”, acompanhando a montagem, utilizando as tecnologias digitais na produção, divulgando e participando de debates de forma coletiva. Os mesmos construíram os conhecimentos propostos no ensino de ciências, trouxeram para a prática o conteúdo curricular estudado e com isso reforçaram a discussão sobre o uso e produção do vídeo digital como instrumento educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Referenciais para a formação de professores. Ministério da Educação – Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília. 1999.

BELLONI, M. L.; GOMES, N. G. Infância, mídias e aprendizagem: autodidaxia e colaboração. Revista Educação & Sociedade, v. 29, n. 104 – Especial. p. 717 – 746, out. 2008. p.734.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo : Paz e Terra, 2010.

FREIRE, W.; RANGEL, M. Educação e tecnologia: texto, hipertexto e leitura. Rio de Janeiro: Wak, 2012.

MARCONDES FILHO, C. Televisão: a vida pelo vídeo. São Paulo: Moderna, 1995.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. ; BEHRENS, A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 19. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

MORÁN, J. M. O vídeo na Sala de aula. Comunicacão e Educacão, São Paulo, (2): 27 a 35,.jan./abr. 1995.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

SALDANHA, L. C. D. Ateleaulaemquestão. #Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, Canoas, v.2.n.2, 2013.

SOUZA, R. P. D.; CARVALHO, A. B. G.; MOITA, F. M. C. D. S. C.; MOITA, F. M. C da S. C.; CARVALHO,G. B. A. Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

SERRANO, G. I.; COLLAZO, W. R. Contribuciones portorriqueñas a la psicologia social-comunitaria. Rio Piedras: Editorial de La Universidad de Puerto Rico, 1992.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação v. 12 n. 36 set./dez. 2007.

SILVA, F. R.; CORREIA, S. E. Novas tecnologias e educação: a evolução do processo de ensino e aprendizagem na sociedade contemporânea. Educação e Linguagem, ano 1, p. 23-25, junho 2014.

SCHNEIDER, C. K.; CAETANO, L.; RIBEIRO, L. O. Ms. Análise de Vídeos Educacionais no youtube: caracteres e legibilidade. Revista Novas Tecnologias na Educação, CINTED-UFRGS, Porto Alegre, v. 10, p. 35-39, 2012.

SANCHO, J. M. Para uma tecnologia educacional. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SILVA, R. V.; OLIVEIRA, E. M. As possibilidades do uso do vídeo como recurso de aprendizagem de aula do 5º ano. Pesquisa em educação: Desenvolvimento, ética e responsabilidade social.

TEIXEIRA, A. G. D. Um levantamento de percepções de professores sobre a tecnologia na prática docente.Linguagens e Diálogos, v. 2, p. 159-174, 2011.

TAGLIEBER, J. E. O ensino de ciências nas escolas brasileiras. Perspectiva, Florianópolis, p. 91-111, Jul./Dez 1984.

ZUIN, A. O Plano Nacional de Educação e as tecnologias da informação e comunicação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 112, p. 961-980, jul.-set. 2010.

Downloads

Publicado

04/10/2017

Como Citar

VIEIRA, S. S. A contribuição da produção de vídeos digitais por discentes de uma escola municipal na construção do conhecimento contextualizado no ensino de ciências. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, p. 755–775, 2017. DOI: 10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10452. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/10452. Acesso em: 20 abr. 2021.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.