Entre a escuridão e o silêncio: a relação entre as TICs e a surdocegueira utilizando a ferramenta do código morse

Calixto Júnior de Souza, Jesse Nery Filho

Resumo


Partindo do pressuposto de que na contemporaneidade as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) têm assumido um papel primordial ao acesso do conhecimento, faz-se necessário pensar e refletir como tais tecnologias podem ser tratadas para potencializar o processo de inclusão educacional. Para tanto, o objetivo deste estudo é analisar os avanços e/ou retrocessos das TICs para os alunos com surdocegueira, tendo como base a utilização da ferramenta do código Morse. Dessa forma, é importante ressaltar que o alunado com surdocegueira não é considerado como pessoas com deficiências múltipla, mas, sim, como sujeitos que possuem uma limitação na combinação dos sentidos visuais e auditivos. Para tal estudo, portanto, a utilização do código Morse possibilitará que o professor potencialize os processos de ensino e aprendizagem de modo a envolver, mediar e incluir os alunos com surdocegueira mediante as suas necessidades e potencialidades educacionais. Assim, as limitações desses dois sentidos poderão ser compensadas e potencializadas pela ferramenta do código Morse com vistas a propiciar a comunicação entre o alunado com surdocegueira e as outras pessoas, em um constante processo de trocas de conhecimento.

Palavras-chave


Inclusão educacional. TICs. Surdocegueira.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Saberes e práticas da inclusão- educação infantil dificuldade de comunicação e sinalização – Surdocegueira/Múltipla Deficiência Sensorial. Brasília, 79 p., 2006.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília-DF: MEC/SEESP, 2008.

COTTA, W. A. A. et. al. VISAPP: um aplicativo móvel para auxílio de leitura, reconhecimento de objetos, localização e orientação para pessoas com deficiência visual. In: Anais do V Fórum de tecnologias assistivas e inclusão social da pessoa com deficiência. Belém – Pará. Novembro de 2016.

DENARI, F. E. Diversidade, deficiência, autonomia escolar: de volta ao começo? In: MARTINS, S. E. S. de O.; GIROTO, C. R. M.; SOUZA, C. B. G. de (org). Diferentes olhares sobre a inclusão. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2013, p.13-22.

FAZENDA, I. (Org). Interdisciplinaridade- transdisciplinaridade: visões culturais e epistemológicas. In: FAZENDA, I. O que é interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2008.

FAZENDA, I. (Org). A aquisição de uma formação interdisciplinar de professores. In: FAZENDA, I. Didática e interdisciplinaridade. Campinas, SP: Papirus, 2012. (Coleção Práxis)

LENOIR, Y. Didática e interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e incontornável. In: FAZENDA, I. Didática e interdisciplinaridade. Campinas, SP: Papirus, 2012. (Coleção Práxis)

GALVÃO, N. de C. S. S. A comunicação do aluno surdocego no cotidiano da escola inclusiva. 2010. 213 f. Tese (doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação, 2010.

GARCIA, A. Comunicar é preciso: os meios de comunicação do surdocego. Disponível em: http://www.agapasm.com.br/artigo003.asp. Acesso em: 27 jul. 2017.

MIRANDA, R. G. Da interdisciplinaridade. In: FAZENDA, I. O que é interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2008.

OMOTE, S. Inclusão: da Intenção à realidade. In: OMOTE, S. Inclusão: intenção e realidade. Marília: Fundepe, 2004.

PEREIRA, C. S. I.; WATANABE, D. R.; MAIA, S. R. A Surdocegueira Adquirida. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A. (Orgs). Dimensões pedagógicas nas práticas de inclusão escolar. Marília: ABPEE, 2012, p. 233-240.

PILOTI, J. P. Sistema de automação residencial: acessibilidade no controle doméstico. Trabalho de conclusão de curso de graduação. Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul. 2014.

PIMENTEL, S. C. Formação de professores para a inclusão Saberes necessários e percursos formativos. In: O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Terezinha Guimarães Miranda e Teófilo Alves Galvão Filho, Organizadores – Salvador: EDUFBA, 2012.

RODRIGUES, A. dos S. et. al. LST - linguagem de sinais tecnológicos. In: Anais da III Mostra de Nacional de Robótica. Fortaleza - CE. Outubro de 2013. Alexandre da Silva Simões, Flavio Tonidandel, Esther Luna Colombini (projeto gráfico, edição e revisão); Luciana Piccinini, Susana Margarida Barros Pires da Rocha (organização, edição, diagramação e revisão). – Sorocaba: Unesp - Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba, 2016

TRINDADE, D. F. Interdisciplinaridade: um novo olhar sobre as ciências. In: FAZENDA, I. O que é interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2008.

TURQUETI, A.; SOUZA, C. B. G.; CHINALIA, F. Formação de professores na perspectiva da educação inclusiva: considerações iniciais sobre as políticas educacionais. In: MARTINS, S. E. S. de O; GIROTO, C. R. M; SOUZA, C. B. G (org). Diferentes olhares sobre a inclusão. São Paulo: Cultura acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2013, p. 57-69.

UNESCO. Ministério da Educação e Ciência da Espanha. Declaração de Salamanca e enquadramento da ação na área da necessidade educativas especiais. Conferência Mundial sobre as necessidades educativas especiais: acesso e qualidade. Espanha: UNESCO, 1994

YARED, I. O que é interdisciplinaridade. In: FAZENDA, Ivani. O que é interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.10458



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.